O bom senso em coma no SUS

A quase uma semana de distância do evento, ainda não engoli a discussão sobre a saúde do ex-presidente e suas alternativas de tratamento entre seus seguidores sebastianistas e os críticos que querem vê-lo morto. A cada dez observações sobre o tema que vi, nove tinham duas coisas em comum: a intolerância e uma necessidade irracional de popularidade na rede. No fim, praticamente nada se salvou. Continue lendo “O bom senso em coma no SUS”

Juve-mercado

É janeiro. No futebol, significa: época das compras, ou uma espécie de Natal atrasado, especialmente para os torcedores daqueles times que ficaram com o departamento médico superpovoado ou onde os craques ficaram devendo e o time despencou na tabela. Continue lendo “Juve-mercado”

Fio da navalha

Até algumas temporadas atrás, o Campeonato Italiano primava pela estabilidade. Um torneio duro e equilibrado exigia isso. O clube que se desfizesse do treinador prematuramente aumentava em muito as chances de ser rebaixada, porque o entrosamento era condição indispensável para evitar a queda para a segunda divisão. Continue lendo “Fio da navalha”

Decidido uma ova!

É verdade. É a Juventus. Ou seja: não conte com que ela esteja morta antes da missa de sétimo dia, porque ela já se levantou do caixão inúmeras vezes. Mesmo com a capacidade de se voltar do mundo dos mortos, como muitos políticos brasileiros, esta Série A, que parecia decidida, voltou a ficar aberta. E como! Continue lendo “Decidido uma ova!”