Enfim, o óbvio

Quase três anos depois de ter recusado uma proposta do Chelsea em um valor altíssimo, mas em pé com as transações do futebol europeu (35 milhões de euros), a saída de Neymar é anunciada de modo mais ou menos oficial (estas linhas estão sendo escritas num momento em que o Santos ainda não aceitou oficialmente a proposta). Ao permanecer três anos a mais no Santos, Neymar certamente ganhou um bom dinheiro (embora menos do que ganharia tendo ido para a Europa) e teve uma vida de popstar. Tirando a Rede Globo, que fez de Neymar o seu principal ‘asset’ nas transmissões do Brasileiro e Seleção, todos os outros envolvidos – Santos, Seleção e a carreira de Neymar – perderam com o negócio. Aplaudir a decisão de renovação do contrato do santista em 2010 é negar que o rei estava nu. E ele jamais esteve de outra forma.

Continue lendo “Enfim, o óbvio”

Barcelona x Santos, a imprensa

“Foram muitas as comparações entre Barcelona e Santos, Messi e Neymar. Mas a distância entre eles foi enorme: 4 a 0 e um show”. Este é o abre da matéria do caderno de esportes da Folha de hoje, falando sobre a chacina de Yokohama. O texto simplesmente joga embaixo do tapete uma consideração importante que a imprensa não vai se fazer: foi ela que fez as comparações entre Barcelona e Santos e Messi e Neymar, motivada por incompetência ou interesse. Não seria o caso dela se retratar? Continue lendo “Barcelona x Santos, a imprensa”

O que pode e o que não será

Não falta gente que ache que o Santos seja um time tão bom quanto o Real Madrid (especialmente entre os que acreditam que o Santos é oito vezes campeão brasileiro). Claro que não pode se tratar de uma avaliação objetiva, mas em futebol, exigir objetividade é quase a mesma coisa que exigir decência dos políticos. Ainda assim, cabe lembrar aos empolgados que, neste ano, o Real Madrid enfrentou o Barça sete vezes e venceu uma. Domingo pode trazer um título ao Santos – sim, pode, porque no futebol, tudo pode acontecer – mas nada tirará do Barça o lugar de melhor time do mundo.

Continue lendo “O que pode e o que não será”

Neymar, Santos e o DIS

“The people who come to watch us play, who love the team and regard it as part of their lives, would never appreciate Liverpool having a huge balance in the bank. They want every asset we possess to be wearing a red shirt.” A frase épica de Kenny Dalglish, quando de sua primeira passagem como treinador do Liverpool, foi a primeira coisa que pensei quando soube da renovação do contrato de Neymar com o Santos até 2014. Economicamente, foi um suicídio financeiro, mas clubes de futebol são associações sem fins lucrativos, certo? Ao menos é isso que todos os cartolas ladrões e corruptos do país alegam para dizer que não devem ser investigados pela Receita. LAOR é, definitivamente, um  torcedor e isso ficou claro (nenhum administrador com sanidade mental faria isso). Para finalizar, como foi lindo ver a ferrada que o Santos deu no grupo DIS. Independentemente de toda a insânia no enaltecimento do futebol de Neymar, que é de um desequilíbrio condizente com uma época onde torce-se para pessoas ficarem sem atendimento e classificam-se os alunos da melhor faculdade do país de “maconheiros”. O fica de Neymar foi espetacular pelo golpe no DIS.

Aquilani, bom, mas quase prêmio de consolação

Depois de quase dois meses de suspense, o Milan revelou o seu “Mister X” (uma invenção da imprensa italiana para a identidade secreta daquele que seria um reforço de peso dado de “presente” por Silvio Berlusconi), como sendo Alberto Aquilani, romano de 26 anos. A análise da contratação em si só não é possível, porque o Milan não contratou “Mister X”, mas ainda assim, fez um bom negócio – mas não o negócio que prometeu fazer. Continue lendo “Aquilani, bom, mas quase prêmio de consolação”

Corinthians não-líder e Dorival sem clube

Num final de semana de futebol medíocre, sofrível, pelo Brasil, a troca de líder e a segunda demissão seguida da Dorival Júnior merecem observação. Contudo, não pelas razões mais óbvias que gerariam curiosidade em o campeonato trocar de dono na ponta nem na demissão de um técnico até outro dia promissor. O erro em avaliar as próprias limitrações é que está em jogo. Continue lendo “Corinthians não-líder e Dorival sem clube”