O ano mais espinhoso da história da Série A se acabou! Viva! E agora, também o da Série B! Outro viva! A celebração vale também pelo fato de tudo ter dado certo para napolitanos e genoanos – e para a própria Série A – e os maiores campeões da segunda divisão terem sido promovidos.

Com a última rodada, a Série B encerra a sua edição mais eletrizante de todos os tempos, certamente motivada pela quantidade de grandes clubes. Agora, preparando-se para uma temporada com somente dois ex-campeões italianos (Bologna e Verona – caso o time vêneto não caia para a Série C nos playouts a serem disputados contra o Spezia), a divisão máxima esfrega as mãos para uma temporada certamente inesquecível.

No campeonato 2007-08, a Série A terá quase o dobro de títulos nacionais entre seus participantes (86 contra os 47 do torneio recém-encerrado). A capacidade média dos estádios envolvidos deve subir de 39.700 para 40.800 e somente Bolonha e Bari estarão entre as dez maiores cidades italianas sem um representante na primeira divisão.

Na edição turbinada do torneio, quatro cidades terão clássicos ‘stracitadini’ (aqueles feitos entre clubes da mesma cidade) – Roma, Milão, Turim e Gênova – o que não acontecia desde 1994. Nove outros jogos envolverão rivalidades regionais (Milan, Inter e Atalanta na Lombardia, Palermo e Catania na Sicília, Fiorentina, Empoli, Livorno e Siena na Toscana).

Outra conseqüência direta é que a média de público deve ter um aumento notável. Nesta temporada, os públicos da Série A diminuíram em 15%. Torcidas fanáticas como as de Napoli e Genoa, a volta da Juventus (que atrai público em campos de todo o país) e o título europeu do Milan vão impulsionar os números para os similares aos da época pré-Calciocaos.

Livorno, com 150 mil habitantes, passa a ser a menor cidade com clube na Série A. O Veneto, região muito rica do país, fica sem nenhum representante com a queda do Chievo. Os clubes mais representativos da região – Chievo, Verona, Vicenza e Venezia – estão todos na Série B.

O mercado promete ser quente

Uma das conseqüências diretas mais perceptíveis para o campeonato como um todo é que o mercado na Itália será muito mais intenso. Na temporada passada, com a Juventus rebaixada e com Milan, Lazio, Fiorentina punidos, praticamente só a Internazionale teve dinheiro de verdade para contratar. Assim, entrou menos dinheiro no sistema e todos os clubes contrataram menos.

Pouco mais de uma semana depois da última rodada, 24 jogadores já foram contratados pelos times da Série A. Se os clubes grandes – exceção feita à Juventus e à Fiorentina – ainda não se moveram para reforçar seus times, os pequenos já se mexem bastante, especialmente por causa das dez trocas de técnicos entre os vinte clubes.

Falando na equipe de Florença, foi ela que arrancou para fazer as contratações necessárias gastando menos – sem esperar os leilões que devem acontecer nos próximos meses. Mazuch (defensor, Brno – TCH), Vanden Borre (defensor, Anderlecht – BEL), Balzaretti (defensor, Juventus), Hable (meio-campista, Hradec – TCH), Lupoli (atacante, Arsenal – ING) fizeram parte do mercado exterior da Fiorentina, que perdeu Luca Toni e vai apostar em Pazzini e Lupoli para seu ataque.

Inter, Milan, Roma e Lazio também devem apresentar algum reforço de peso. A espera é em boa medida pela espera do final do Campeonato Espanhol, de onde podem sair nomes como Eto’o (que interessa a Milan e Inter), Emerson (Milan), Deco (Inter) e Milito (Juventus).

É interessante aguardar como se apresentarão alguns times com configurações interessantes. Na Atalanta, há curiosidade para ver o que Luigi Del Neri fará com as boas divisões de base do time; no Parma, pela primeira vez em alguns anos o clube poderá contratar sem tantas restrições financeiras. Genoa e Napoli devem buscar uma permanência segura na Série A, mas têm margem de manobra para fazer mais; e a Sampdoria de Walter Mazzarri – da nova ‘superstella’ Quagliarella – pode ser a sensação do torneio.

Trezeguet diz adeus à Juventus. Só ele?

Na derrota da Juventus contra o Spezia, um gesto chamou mais a atenção do que os cinco gols da partida. Após marcar seu gol, o atacante francês David Trezeguet saiu fazendo sinais para a torcida mostrando o número de gols que fez na temporada (15) e que estava indo embora porque a diretoria não o queria mais.

“Esta foi minha última partida com a Juventus. A oferta do clube para a renovação foi ridícula. Não existem margens para negociação”, disse o atacante francês, que tem mais de 140 gols marcados pelo clube piemontês. “Espero que o clube me apresente uma proposta aceitável para eu me transferir”. Mais claro, impossível.

A diretoria não contemporizou e disse que estava claro que Trezeguet sairia. Contudo, na segunda-feira, sinais de reaproximação foram dados. A proposta feita ao atacante (que incluía uma redução em seu salário, dificilmente aceitável para ele) poderia ser aumentada caso ele concordasse com outros termos. Mesmo assim, a incerteza permanece.

Além do goleador francês, também Camoranesi não está em lua-de-mel com o clube. Desgostoso por ter tido de ficar no Delle Alpi durante a temporada na Série B, o ítalo-argentino deu diversas entrevistas dizendo que quer sair – Lyon na primeira fila. Só que a sua situação é menos crítica. Há margem financeira para acordo (seu salário é cerca de 50% menos do que o de Trezeguet) e o atleta pode atuar em mais posições.

Com Trezeguet de saída, a Juventus já assinou com Vincenzo Iquinta, atacante campeão do mundo da Udinese, que se soma a Grygera (Ajax), Salihamdzic (Bayern) e Criscito (Genoa), que chegam ao clube sem custo algum de transferência. Perdido Balzaretti para a Fiorentina, a Juve deve agora encontrar uma alternativa a Chiellini na esquerda da defesa de Ranieri.

‘Azzurrini’ começam mal

Antes de falar sobre a atuação da seleção italiana Sub-21 no Campeonato Europeu de seleções da categoria, cabe um comentário: os quatro primeiros jogos (Holanda 1 x 0 Israel, Portugal 0 x 0 Bélgica, Rep. Tcheca 0 x 0 Inglaterra e Sérvia 1 x 0 Itália) foram horrorosos. Com média de meio gol por jogo, as partidas foram decepcionantes para quem assistiu ao empate de Itália e Inglaterra na reabertura de Wembley ou para quem acompanha a evolução das seleções da Holanda e Portugal.

Posta a observação, além do futebol cinzento, a Itália também terá de se ver com um resultado que complica e muito as suas ambições de reconquista do título continental. O bom time titular da seleção (veja escalação abaixo) jogou mal como poucas vezes fez nos últimos anos e perdeu de uma Sérvia que também pouco empolgante.

A boa capacidade de criação das últimas partidas da seleção, com Nocerino, Montolivo e Aquilani, esteve inexistente. Da mesma forma, não foi feliz a escolha de Palladino para o posto que tinha sido de Giuseppe Rossi nos últimos jogos. Palladino dava uma opção mais aberta pelas laterais, mas as tabelas de Rossi com Pazzini pelo meio eram bem mais eficientes.

Com dois jogos difíceis ainda por realizar (Inglaterra e República Tcheca), a Itália só se safa com duas vitórias. O técnico Pierluigi Casiraghi precisa reencontrar a capacidade de armação no meio-campo se quiser ir avante. Apesar de ter ido bem, Rosina precisa ser menos individualista e talvez tenha de atuar mais centralmente, o que deslocaria Montolivo pais para a esquerda. Abaixo você vê o time que começou o jogo com a Sérvia:

Curci (Roma); Raggi (Empoli), Andreolli (Inter), Mantovani (Chievo) e Chiellini (Juventus); Nocerino (Vicenza), Montolivo (Fiorentina) e Aquilani (Roma), Rosina (Torino), Pazzini (Fiorentina) e Paladino (Juventus).