Seis partidas sem derrota. Esta é a atual sequência de resultados do Manchester United, às vésperas da décima sexta rodada da Premier League, que está tendo jogos neste meio de semana. Nesta quarta-feira o United visitará o Crystal Palace em South Norwood/Londres.

Se inclusas nesta sequência as partidas válidas pela Europa League de 24 de novembro em diante, o United elenca oito partidas sem derrota. Algo com certeza mudou nas últimas semanas, o que não quer dizer que o panorama se tornou fantasticamente favorável, para o time de José Mourinho.

O sistema defensivo encontrou a sua melhor disposição em meio ao momento em que Mou se viu sem os zagueiros Chris Smalling e Eric Bailly, lesionados em setembro. Uma desconstrução revelada inesperadamente levou a um caminho inverso, quando o treinador reabilitou o zagueiro Phil Jones, e o veterano volante Michael Carrick.

Mais uma vez, se aglutinados os resultados das últimas seis rodadas da Premier League e dois últimos jogos da fase de grupos da EL, o United sofreu apenas quatro gols, os quatro pela liga inglesa em que o time contabiliza 16 tentos sofridos.

O improvável

A imprensa britânica enfatiza a partida vencida por 3×1 contra o Swansea City, na décima primeira rodada da Premier League em 06/11, enquanto momento chave. Ali Mourinho promoveu a inclusão de Jones e Carrick, no time titular na sequência da tensa derrota por 2×1 imposta pelo turco Fenerbahçe na fase de grupos da EL.

Ao redor de Jones, uma linha defensiva foi re-estabelecida, na qual apenas Antonio Valencia se vê como titular desde o início da temporada. Marcos Rojo na quarta zaga, é lateral-esquerdo de origem e Matteo Darmian deslocado para a lateral-esquerda é de fato a última opção para o setor, efetivada após a lesão de Luke Shaw.

Phil Jones em específico resgatou a esperança da imprensa inglesa em ver personificado o vislumbre promissor que Sir Alex Ferguson dizia ter percebido, ao contratar o zagueiro em 2011, por quase 17 milhões de libras. Ferguson chegou descrever a aquisição enquanto uma das melhores já feitas pelo clube.

Por outro lado, a sina de lesões sempre acompanhou Jones em Old Trafford, hoje com 24 anos. Segundo o Guardian, a maior sequência de partidas do zagueiro contabilizou 13 aparições (na liga inglesa), na temporada 2013/2014.

A lesão sofrida em janeiro da qual o zagueiro se viu recuperado só no início de novembro, foi o vigésimo oitavo problema médico do atleta, no clube red devil.

Na cabeça de área

Desde o citado confronto contra o Swansea, Carrick se viu fora apenas na partida contra o West Ham (1×1), na décima terceira rodada. Na partida contra o Swansea, Carrick teve Marouane Fellaini junto a si. Posteriormente, o volante inglês passou a ter Ander Herrera ao seu lado, formando o que os espanhóis descrevem como o “doble pivote”.

A dupla de volantes ofereceu o equilíbrio defensivo procurado, já tendo atuado por cinco rodadas da Premier League. Segundo Jamie Jackson do The Guardian, Carrick é o “metrônomo” do sistema defensivo do United. O volante oferece também o primeiro passe, ao passo que Herrera é o contra-ponto, sendo que o espanhol de origem basca possibilita transição vertical quando o time recupera a bola.

Para Jackson, a dinâmica proporcionada pela dupla Carrick/Herrera tornou-se plena com a efetivação de Henrikh Mkhitaryan pelo lado externo direito. A prova disso foi o gol do armênio, proporcionado pelo passe de Herrera contra o Tottenham, na última rodada da Premier League.

Carrick em específico vive sua reta final no futebol, do alto dos seus 35 anos. Mourinho tinha dúvidas ao depositar sua confiança no volante, tendo inclusive lamentado publicamente a idade avançada do jogador. O volante inglês é um último recurso.

Crystal Palace (décimo quinto colocado) e Manchester United (sexto colocado) entram em campo nesta quarta-feira às 18 hr (horário de Brasília). A partida será transmitida no Brasil pela ESPN.

Imagem de Darmian, Jones (de frente) e Rojo: Tottenham Hotspur FC/Getty