Eliminatórias sul-americanas: a vitória de Tite

20161110222227_58250f430cbe9

Na última quinta-feira, a seleção brasileira bateu a Argentina de forma categórica por 3×0, em partida válida pela décima primeira rodada das Eliminatórias sul-americanas para o Mundial 2018. O êxito obtido no Mineirão (Belo Horizonte/MG), levou a torcida brasileira à euforia.

O técnico Tite chegou à sua quinta vitória consecutiva, mantendo 100% de aproveitamento desde que assumiu o time. A seleção mostrou uma coesão defensiva, que há muito não era perceptível. O treinador sanou bem o desfalque do volante Casemiro, cortado por lesão.

Em campo

O Brasil foi a campo com Alisson, Daniel Alves, Marquinhos, Miranda e Marcelo. Fernandinho, Paulinho, Renato Augusto. Philippe Coutinho, Gabriel Jesus e Neymar. O desenho tático era sim um 4-3-3 que por vezes, se re-desenhava em 4-4-2. Uma particularidade foi o deslocamento de Coutinho, como externo direito.

Na prática a adequação do meia do Liverpool ao lado destro, visava um preenchimento de espaços que poderia ocorrer, quando Daniel Alves avançava. Fernandinho foi o primeiro homem de meio-campo, com Renato Augusto a sua direita e Paulinho à sua esquerda.

Nos primeiros 20, 21 minutos de jogo a equipe suportou grande pressão dos argentinos, com finalizações perigosas de Biglia (pela direita) e Emmanuel Más (pela esquerda). Entretanto, o preenchimento de espaços proposto por Tite, de fato minimizou as ações de Angel Di María e Lionel Messi.

O primeiro gol surgido aos 24 min, teve origem quando Coutinho acabou deslocado pelo lado esquerdo. O meia centralizou e finalizou a longa distância da entrada da área. O setor direito da defesa argentina composto por Zabaleta e Enzo Pérez, seguiu vulnerável. Aos 45 min, Gabriel Jesus recebeu neste setor, centralizou e passou para Neymar que entrou livre nas costas de Zabaleta, finalizando e ampliando para 2×0.

Os argentinos viam-se atordoados e o treinador Edgardo Bauza trocou Pérez por Sérgio Agüero na segunda etapa. O desenho inicial de um 4-3-1-2, tornou-se praticamente um 4-2-4, com um meio-campo ainda mais vulnerável. O Brasil mantinha uma postura lúcida, agora com os volantes chegando à frente.

Paulinho perdeu grande chance aos 09 min, em bola que Mascherano tirou de dentro do gol do goleiro Romero. Porém o volante não falhou quatro minutos depois. Marcelo cruzou da esquerda para ponta direita, onde Gabriel Jesus rebateu a bola pra trás. Paulinho entrou livre e fez o terceiro.

Saldo final

Ao fim da primeira etapa a Argentina detinha 59% de posse de bola, sendo que o placar já se via em 2×0 para o Brasil. A proposta vislumbrada por Tite é muito análoga à forma de jogar em voga na Europa, de rígida postura defensiva entregando a posse de bola ao oponente, e saída em contra-ataques.

Tite solucionou o problema de cobertura dos avanços dos laterais (Daniel Alves/Marcelo), algo que trouxe muitos problemas para Felipão, durante o Mundial 2014. Aliás, as peças utilizadas não são muito diferentes daquelas que foram utilizadas na copa 2014, nem muito diferentes daquelas que Dunga vinha convocando.

Embora o time tenha jogado numa variação 4-3-3/4-4-2, as peças de ataque mostraram boa movimentação, sendo que todas estão habituadas ao 4-2-3-1, incluindo-se Gabriel Jesus, que assim joga no Palmeiras de Cuca. A movimentação dos meias ofensivos e atacantes mostrou-se crucial para o êxito.

No Liverpool, Philippe Coutinho geralmente atua centralizado na linha dos 3 meias, abrindo para o lado esquerdo. Embora jogado pela direita, foi da esquerda para o meio, que Coutinho fez o primeiro gol. No Liverpool os atletas que vem de trás estão condicionados pelo treinador Jürgen Klopp, a finalizarem a longa distância, uma vez que o técnico recorre ao expediente de finalização na chamada “segunda bola”.

Tite merece enaltecimento por estar se valendo de um jogo de linguagem futebolística atual, e que seus atletas compreendem. Além do êxito sobre a Argentina, o treinador comandou vitórias sobre Equador e Colômbia, times que estão frequentando as quatro primeiras colocações da tabela de classificação.

O Brasil segue líder das Eliminatórias com 24 pontos e volta a campo na terça-feira, para visitar a seleção peruana em Lima (Peru).

Imagem de Philippe Coutinho: Mowa Press