Eliminatórias sul-americanas: mais um Brasil x Argentina

dsc09517_Abg3ACb

Nesta quinta-feira a seleção brasileira enfrenta a Argentina, pela décima primeira rodada das Eliminatórias sul-americanas para o Mundial 2018. O confronto vale pelo returno das Eliminatórias, sendo que os times empataram em 1×1 no jogo disputado em Buenos Aires (Argentina), em novembro de 2015.

Tanto para Brasil quanto para Argentina o contexto era drasticamente outro. A Argentina tinha uma proposta definida sob comando de Gerardo Martino, num meio caminho entre um vice-campeonato da Copa América 2015, e um vindouro vice-campeonato da Copa América Centenário 2016.

A seleção brasileira por sua vez via-se combalida sob comando de Dunga. Fora eliminada nas quartas de final da Copa América pelo Paraguai, e ainda iria ser eliminada na primeira fase da Copa América Centenário. O segundo episódio marcou a queda de Dunga, que mantinha o time fora da zona de classificação para o Mundial 2018.

Passados onze meses a Argentina tem seu atual treinador Edgardo Bauza pressionado pela AFA, ao passo que torcida e imprensa brasileiras mostram-se felizes com o trabalho do técnico Tite. Bauza assumiu o time em agosto após Martino se demitir, no momento tendo o time em sexto lugar (16 pontos) sem direito a disputa da repescagem.

Tite foi efetivado pela Confederação Brasileira de Futebol em junho, mas assumiu o time principal só depois das Olimpíadas findadas em agosto.

Favoritismo exaltado?

O comando de Tite não é ruim, sendo que o Brasil mantém 100% de aproveitamento (4 vitórias em 4 partidas) estabelecido na primeira colocação (21 pontos). Entretanto a fragilidade contra a Argentina será a ausência de Casemiro. O volante do Real Madrid foi convocado, mas acabou cortado por lesão.

Nas partidas disputadas em setembro Casemiro foi ampla e coerentemente incensado, sendo responsabilizado pelo equilíbrio entre meio-campo e linha defensiva brasileiras. O atleta não esteve nos dois jogos de outubro, também vetado por lesão. Porém no mês passado, o Brasil venceu as fracas seleções da Bolívia e Venezuela.

Tite apontou que utilizará um meio-campo com Fernandinho, Paulinho e Renato Agusto. Nenhum deles cumpre a função de interditor fixo, tal qual Casemiro. O adversário tera uma linha de frente já confirmada com Gonzalo Higuaín, Angel Di María e Lionel Messi, mais Agüero, Lavezzi e Lucas Pratto como opções no banco.

Bauza confirmou a escalação na véspera com Romero, Zabaleta, Otamendi, Funes More e Emmanuel Más. Mascherano, Enzo Pérez e Biglia. Di María, Messi e Higuaín. O treinador apontou uma flutuação que deve ocorrer em permutas de posicionamento, a serem realizadas entre Zabaleta e Pérez.

Enzo Pérez tem atuado como lateral-direito no Valencia, está acostumado a marcar Neymar e sua presença deslocado como volante, tem também um elemento psicológico que visa desestabilizar do brasileiro. Na prática Pérez é um “secretário de lateral” a cobrir os avanços de Zabaleta que quando avançar, determinará um re-posicionamento com 3 zagueiros (Otamendi/More/Más). Se o time perde a bola com Zabaleta a frente, Pérez pode se posicionar como quarto homem da linha defensiva.

A permuta entre Pérez/Zabaleta lembra a dinâmica à esquerda da defesa da Argentina pré-Mundial 2006, de José Pékerman. O atual treinador da Colômbia propunha o mesmo mas pelo lado esquerdo, com Juan Sorín sobressalente ao meio-campo e Gabriel Heinze, um lateral/zagueiro na quarta zaga. Sorín determinava uma linha de 3 zagueiros ou 5 meio-campistas, sendo ele o quinto homem do setor.

O time de Bauza pode se desenhar em 4-3-1-2 (Di María será o enganche “1”), 3-5-2 ou 3-4-3. Mais além, Lionel Messi atua pelo setor esquerdo da defesa brasileira, numa lacuna que Marcelo sempre proporciona. Sem o interditor fixo (Casemiro), Di María terá liberdade pra atuar centralizado, e abrindo pela esquerda terá um espaço que Daniel Alves, sempre concede.

Os argentinos teriam franca desvantagem se a partida fosse marcada para um horário vespertino em horário brasileiro de verão, num campo do planalto central (Serra Dourada/GO) ou norte/nordeste. A condição climática em horário noturno será tolerável.

Brasil e Argentina se enfrentarão às 21:45 hr (horário de Brasília) no Mineirão (Belo Horizonte/MG). Será o retorno do Brasil ao estádio, desde a derrota por 7×1 para a Alemanha na copa 2014. Globo e Sportv exibirão o confronto.

Imagem de Edgardo Bauza: Rafael Araújo