A janela de transferências de verão do futebol europeu se encerrou na última quarta-feira, 31/08. Todos os clubes da Europa já ostentam a formatação final de seus plantéis para a temporada 2016/2017, embora neste momento haja a primeira pausa para a realização da data FIFA de jogos de seleções.

O inglês Chelsea realiza um bom início de temporada, em segundo lugar na tabela da Premier League, mas numericamente empatado em número de pontos (nove), com o primeiro colocado (Manchester City) e o terceiro (Manchester United). A equipe azul de Londres surpreendeu ao re-contratar o zagueiro brasileiro David Luiz, no finzinho do prazo limite da janela.

Os blues assediaram diversos defensores atuantes no futebol italiano. Tão logo a confirmação da contratação do técnico italiano Antonio Conte se dera, o nome de Leonardo Bonucci (Juventus) era relacionado ao Chelsea. A negociação não se concretizou, situação que levou os blues a abordarem o senegalês Kalidou Koulibaly (Napoli) e Alessio Romagnoli (Milan), também em vão.

David Luiz custou 34 milhões de libras e retorna ao Chelsea após duas temporadas. Como descrevemos, seu retorno a Stamford Bridge não era exatamente prioridade. Na metade de 2014, os blues negociaram o defensor com o francês Paris Saint-Germain, por absurdos 50 milhões de libras (equivalente hoje a pouco mais de R$ 216 milhões).

O zagueiro se via valorizado antes do Mundial 2014, que porém marcou o início de sua queda técnica eclodida após a derrota por 7×1 imposta sobre o Brasil, pela Alemanha. David Luiz foi titular pela seleção na copa de 2014.

Sr. carisma?

A imprensa inglesa ressalta o aspecto midiático do zagueiro, ativo em redes sociais e simpático com o público. Sua chegada pode proporcionar um acréscimo de carisma em Cobham. Mas é preciso ressaltar o passado vitorioso de David Luiz em Londres, uma vez que o zagueiro foi peça importante nas conquistas da Champions League 2011/2012 e Europa League 2012/2013.

Na ocasião da glória na CL, David Luiz ganhou titularidade durante o mata-mata. Algo que culminou com sua presença no alinhamento inicial da final, vencida sobre o alemão FC Bayern. Isso graças à suspensão do capitão John Terry, após expulsão sofrida diante do Barcelona, nas semifinais.

Ainda na parte técnica, o Chelsea realmente carecia de um defensor sendo que apenas Kurt Zouma se vê como suplente imediato da dupla Gary Cahill e Terry. Zouma se recupera de lesão sofrida em fevereiro último, lesão esta que vetou sua participação na EURO 2016, pela França. John Terry padece da idade avançada (36 anos), sendo que sua saída havia até sido confirmada em fevereiro.

David Luiz em imagem do período de sua primeira passagem pelo Chelsea. (AFP)

David Luiz em imagem do período de sua primeira passagem pelo Chelsea. (AFP)

A displicência tática de David Luiz desatrelada nos últimos anos, é enfatizada pela imprensa britânica. E a sua saída do PSG coincide com a desastrosa apresentação no último domingo, em que a equipe parisiense foi derrotada de forma categórica pelo Monaco por 3×1, em compromisso pela Ligue 1 francesa.

Além dos problemas no sistema defensivo, David Luiz protagonizou um pênalti que deu origem ao segundo gol dos monagescos. Em todo caso, o staff administrativo do PSG não queria liberá-lo, até por sua idade útil (29 anos) ainda vigente. Isso mesmo tendo em vista o crescimento técnico de Marquinhos, titular da seleção brasileira campeã olímpica e principal.

Na parte tática, o The Guardian ressalta a mobilidade do volante N’Golo Kanté, que poderia oferecer a “rede de segurança” necessária, em caso de um eventual avanço ao ataque de David Luiz. O periódico inglês vislumbra ainda um aproveitamento de David como volante, expediente que Rafa Benítez pôs em prática no Chelsea, em algumas ocasiões entre 2012 e 2013.

Entretanto, é preciso enfatizar que os avanços desmedidos de David Luiz, em momentos em que o time que ele defende se vê em desvantagem no placar, tem sido repetitivos e estabanados. Já tendo custado inclusive, suas convocações para a seleção. Aos 29 anos, David Luiz terá em Antonio Conte alguém que o conscientize da sua própria perda de velocidade.

Apenas um treinador italiano pode salvar a carreira do defensor. Sua saída em 2014 se deu por sua super valorização, mas também se concretizou por suas insistências ofensivistas, algo frontalmente desprezado pelo então treinador, José Mourinho (atual Manchester United).

David Luiz se via a caminho de uma desfecho de trajetória patético na Europa, que poderia vir a ser similar aos últimos anos do pentacampeão Lúcio, no alemão FC Bayern. Lúcio chegou a ter multa previsa em contrato, prevendo abate salarial referente a avanços ao ataque sem necessidade.

Nos bastidores

O Guardian também jogou luzes sobre a atuação conjunta dos agentes de atletas Giuliano Bertolucci e Kia Joorabchian, no retorno do zagueiro à Londres. Kenedy, Wallace, Oscar, Lucas Piazón chegaram ao Stamford Bridge contando com intermédio de Kia.

Willian fora persuadido a desistir de assinar com Tottenham Hotspur, tendo sido praticamente arrastado de dentro do White Heart Lane. Alexandre Pato, obteve seu empréstimo cedido pelo Corinthians no início de 2016, por intermédio do empresário iraniano.

De qualquer maneira, uma vez que o capitão John Terry tem uma extensão contratual de um ano recém iniciada, o cenário para David Luiz se re-estabelecer como um zagueiro world class, só dependerá da apresentação de um bom futebol.

Imagem de David Luiz: AFP