Explicando o armador recuado

Uma observação semiirônica de um colega de trabalho me fez dar conta de que uma expressão que eu uso com freqüência, o “armador recuado”, pode estar sendo interpretada por leitores de um modo inadequado. Não se trata de uma invenção nem de um “tatiquês” semelhante à “treinabilidade”, um dos vernáculos famosos do titês corintiano. O armador que não atua na frente do meio-campo é difícil de conceber para o futebol brasileiro, mas existe, mesmo aqui. E é uma das posições mais raras do futebol moderno porque exige tanto do jogador quanto do time.

O exemplo mais famoso no futebol italiano é o juventino Andrea Pirlo. Pirlo não é um meio-campista de origem. Quando começou no Brescia, era segundo atacante, e por isso foi comprado pela Inter. Era considerado o herdeiro de Baggio, mas o tempo fez com que ele trocasse de posição. Assim que chegou ao Milan, Carlo Ancelotti, substituindo Fatih Terim, resolveu fazer uma experiência tática com o time que na verdade tinha sido sua tese no curso de treinadores de Coverciano. Ancelotti sugeria que um meio-campo em “rombo” (com um volante, um  trequartista e dois meio-campistas puros), dava maior ofensividade ao time pois permitia ao time ter mais de um jogador arquitetando a manobra. Ancelotti, em sua primeira experiência, tentou escalar o georgiano Kaladze ali (que, originariamente, era volante no Dynamo Kiev), mas foi com Pirlo que o jogo do Milan decolou.

 A posição seria a definitiva na carreira de Pirlo – na Itália, chamada de playmaker basso, cuja tradução livre preferida por mim é a “armador recuado” (uma tradução mais rigorosa seria a de “armador baixo”, mas, creio eu, fica com uma compreensão mais hermética). O playmaker basso tem uma grande vantagem em relação ao trequartista (que no caso desse Milan era Rui Costa ou Rivaldo): ele tem uma visão do jogo onde por olhar o próprio time e o time adversário, além de, normalmente, sofrer uma marcação menos aguerrida do rival por estar distante da meta oposta. Nesse Milan, Pirlo era desocupado de funções mais defensivas pela disposição de Gattuso. Assim,normalmente o ex-milanista podia pegar a bola e engendrar o ataque por onde o time estivesse menos marcado.

O desenho da posição não é uma invenção de Ancelotti. Para citar outros nomes no futebol italiano, é possível lembrar de Pizarro na Roma, Montolivo na Atalanta e Fiorentina; na Europa, Essien (especialmente ainda no Lyon), Xabi Alonso e Xavi são outros exemplos, mesmo que jogando em esquemas diferentes do Milan de Pirlo.

So o play basso tem a vantagem de observar o jogo com muito mais amplitude, ele tem o problema de não fazer muitos gols. O futebol brasileiro raramente vê esse jogador em ação por causa da dinâmica do jogo. Ofensivo xiita, o esquema tático brasileiro normalmente inicia a manobra ofensiva com um meia que já joga muito próximo do ataque. Por conta de uma miopia que Tostão frequentemente aborda em suas colunas, os técnicos brasileiros preferem rechear aquela faixa do campo (a região à frente da defesa) com tanques de guerra que se dedicam só a tirar a bola do adversário ou mandá-lo para uma tenda de oxigênio. O futebol italiano tem um ritmo menos frenético e não raro aguarda o ataque do adversário (como observa David Winner em Brilliant Orange, “abraça o adversário para golpeá-lo com uma faca nas costas” [n. do r. uma leitura para a cultura de contragolpe italiana).

Um raro exemplo de armador recuado no Brasil recente, em sua melhor fase no São Paulo, Hernanes melhorava o jogo do São Paulo como um todo porque atuava no setor, mas já tinha a visão de jogo para armar a jogada e qualidade no passe para isso. Posteriormente, veio a jogar mais adiantado onde se destacava menos. Outra razão para que os jogadores à frente da defesa tenham menos incumbências de armar jogadas é que no Brasil, normalmente os laterais são importantes armas ofensivas e não raro vão para a Europa jogar como meio-campistas.

Fazendo um paralelo com outro esporte, a posição do playmaker basso é similar à do armador no basquete (claro, trata-se só de uma licença poética, uma vez que as dinâmicas dos dois esportes são completamente diferentes). Outro paralelo é com o futebol americano, onde o quarterback pensa a jogada por trás da linha de guards  que o protegem. Pensar o jogo é uma tarefa que pode ser desenvolvida em qualquer setor do campo, mas  em cada um, o modo de jogo é diferente. Se Pirlo atuasse atrás dos atacantes, precisaria ser mais rápido, mais forte e entrar mais na área; se jogasse pelas laterais (como faz Ryan Giggs), teria de ter mais velocidade, buscar mais  alinha de fundo e puxar a marcação para o setor antes de buscar companheiros livres no flanco oposto.

No desenho à direita, o armador aparece atrás dos outros meio-campistas, mesmo sendo o responsável por armar a manobra de ataque. O deslocamento do armador para a frente da defesa precisa ser acompanhado por um auxílio dos outros meio-campistas na marcação, mesmo que seja mais adiantada. Atuar com um armador recuado não deve ser visto como uma tática defensiva (c0mo não era o Milan campeão europeu). Dependendo da cultura tática do time, o jogo pode ser impostado mais adiante, com a linha defensiva alta (que exige zagueiros velozes) e pelo menos um atacante que atue fazendo a ligação com o meio-campo.

 

Anteriores

Gasp, fracasso com hora marcada

Próximo

O melhor do Brasileiro é o símbolo da mediocridade

9 Comments

  1. Outro post sensacional, por isso o futebol europeu cresceu bastante tecnicamente.
    Center Midfield o jogador q tem o passe mais apurado joga de primeiro ou segundo volante (transferindo a linguagem para o Brasil) perfeita a analise, o jogador tem mais visão para sair jogando.
    Quase todos os times grandes da europa tem esse jogador.

  2. Kazuo Aoki

    Com um pouco de atraso, mas lido! Grande ensaio, grande explanação! abs

  3. Cassiano Gobbet

    No caso do Pirlo, sim, se exige um marcador, mas o Essien, o Hernanes e o Gerrard, por exemplo, nao ocasionavam essa falta de marcacao. O Pirlo é fragil, apesar de genial, mas grandes armadores marcavam tambem bem, como o Roy Keane, Davids, Falcão, etc. Abs

  4. Anônimo

    O problema de jogar com um jogador dessa característica é que você precisa ou de um monstro como Gattuso/Marcos Senna do lado para carregar o piano (que vai ser bem pesado…), ou ter pelo menos mais dois jogadores no meio campo que possam ajudar no combate e preenchimento de espaços.

    Como diria o mestre Adenor, no futebol é preciso manter um ponto de equilíbrio.

  5. Acho que no futebol atual teriamos pouquíssimos jogadores com capacidade técnica e mental para jogar nessa função.

    E sempre quando alguém começa a jogar bem atrás logo é adiantado, como o citado exemplo do Hernanes.

  6. Michel Carlos Magno Costa

    Bela definição, Cassiano. Particularmente, sempre tive uma visão clara da função exercida por Pirlo em campo e me incomodava com os comentaristas brasileiros que sugeriam seu adiantamento. “Mas é assim que ele rende mais”, dizia à época.
    No entanto, vale lembrar que o futebol brasileiro também já produziu seus registas. Desde Dino Sani (recuado por Bela Gutman no SPFC) passando por Zito, Carlinhos e Falcão, não faltam exemplos desses jogadores no nosso futebol.
    Porém, a partir dos anos 80, a necessidade de se cobrir os avanços do laterais que viraram alas obrigou os técnicos a criarem o monstrengo chamado volante de contenção. Me perdoe, mas colocaria uns 30% da culpa em Telê nessa história. Não por acaso, foi o ex-treinador da Seleção o responsável pela extinção dos pontas no Brasil. E, depois da fatídica derrota em 82, Telê passou a escalar caçadores à frente da zaga.
    Curiosamente, Zico costuma dizer que Telê foi o único técnico que nunca pediu aos jogadores para bater. Mas, escalando “mitos” como Dinho e Doriva, não era preciso dar tal ordem.
    Sobre o Milan, me recordo que a intenção inicial de Ancelotti era ter Redondo nessa função. Mas, infelizmente, o argentino não conseguiu superar as lesões que o perseguiram desde o primeiro dia em que vestiu Rossonero.

    Abraço.

  7. Anônimo

    Acho o caso de Boban ainda mais impressionante do que o de Pirlo. O croata, escolhido pela dupla Sacchi&Braida para ser um dos pilares do Milan da metade dos anos 90, em sua terra natal e no inicio de sua experiência na Itália jogava como mezzapunta. Só que assim que terminou seu empréstimo ao Bari, Sacchi já havia saído e seu substituto, Capello, gostava de um esquema sem esse jogador (mezzapunta) – basta lembrar o que aconteceu com Gullit e como foi incrivelmente complicada a inserção de Savicevic naquele esquema.

    Pois bem, Boban acabou jogando – e muitíssimo bem! – não na sua posição de origem, mas como centrocampista centrale no Milan de Capello. Ao contrário do bresciano na equipe de Ancelotti, o croata marcava mesmo os adversários. Foi por esse motivo que Capello o manteve como titular na sua equipe.

    Já bem perto do final de sua aventura na Lombardia, Boban retornou ao seu posicionamento original no amalucado 3-4-3 de Zac. E foi fundamental naquela inesquecível conquista do scudetto 98/99.

    Posso até estar enganado, mas acho quase impossível que caso semelhante ocorra por aqui. No fut brazuca, parece ser mais fácil uma freira posar nua que um jogador profissional aceitar mudar de posição.

  8. Anônimo

    só completando…depois dos caras de 82 teve o Alemão, um senhor volante do Napoli e da seleção. Depois dele ninguém mais. Se Vampeta se levasse a sério poderia ter sido esse cara, mas passou longe.

  9. Anônimo

    Desde Falcão, Cerezo e Sócrates não produzimos volantes assim. Hernanes foi uma exceção, e atualmente não há ninguém capaz. Arouca prende demais a bola, Willians tem dificuldade pra passar com precisão, Jean poderia se tornar esse elemento, mas foi patéticamente deslocado pra lateral. O problema esta na cultura do futebol brasileiro, muda-se demais de técnico e de time, Pirlo teve oportunidade de se desenvolver na nova posição num trabalho de longo prazo do Ancelotti. No Brasil isso nao é possivel, pois aqui um time tem uma escalação em janeiro, outra em junho e outra diferente em novembro…..

Os comentários estão desativados.

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén

Top