Leonardo-Inter, uma aposta difícil de vencer

O que se murmurava há semanas se confirmou. Rafa Benitez, segundo o Guardian e a Sky inglesa, não é mais treinador da Inter. Na sede de Via Durini a diretoria está discutindo com o agente de Benitez o valor da rescisão, que deve ser oficializada nesta quinta. Tudo aponta para Leonardo como seu sucessor. Mais uma vez, Leonardo se apronta para entrar numa fria – assim como o foi quando assumiu um Milan sem Kaká e sem reforços. E para a própria Inter, a decisão não será a melhor e nem a menos pior.

Leonardo não tem dos jogadores o respeito que tem como ex-jogador, comentarista ou dirigente. Parte das fraturas de relacionamento que ele tinha no Milan – Maldini, Gattuso, Flamini, Oddo, Kaladze – começou aí. Na Inter, isso não será diferente. Na verdade, parte do problema de Benitez começou exatamente com um núcleo de ‘senadores’ interistas comandados por Javier Zanetti e Marco Materazzi. Mourinho comandou a Inter com mão de ferro e impediu qualquer insurgência contra ele. Não que Leonardo também não seja um disciplinador, mas tem menos bagagem que Mourinho, tatica e gerencialmente.

A escolha de Moratti, caso se comfirme Leonardo, será pela impossibilidade de que Luciano Spalletti se libere do Zenit porDILEMA Entre coração e razão...o técnico Leonardo conta de uma multa alta. Será um erro. Leonardo tem forte ligação com o Milan (que trará a ele uma oposição que os torcedores milanistas não dispensam a Benitez, Mourinho ou afins). Nas suas mãos, Leonardo teria um grupo cheio de ótimos jogadores, mas um ano mais velho e com uma auto-suficiência compreensível para um time que venceu tudo.

A alternativa descartada por Moratti seria a de oficializar Walter Zenga, ex-ídolo interista e treinador de segunda. Moratti não aceita considerar a temporada atual como perdida e aos seus olhos – corretamente – contratar o ex-goleiro seria admitir que o ano acabou e aguardar o mercado de junho para levar um nome de peso à Inter. Contudo, Leonardo corre o risco de virar um misto entre técnico-tampão e oficial,o que é o pior cenário possível. Se a Inter fizer uma boa campanha e chegar às últimas rodadas disputando troféus, Leo entra na temporada que vem com moral – mas isso é uma tarefa muito dura. Se for muito mal, sai em junho – ou antes, dependendo de quão mal; se seu trabalho for regular – o que é até estatisticamente o mais provável – passa à temporada que vem mas já com pressão e críticos, o que contaminaria também a temporada seguinte.

A menos que um técnico importante se desvincule imediatamente, Moratti tende a optar por um “famoso” que esteja desempregado, mas não há grandes opções disponíveis. Spalletti, Capello, Mourinho, todos foram cotados. Um nome temporário seria o mais conveniente para estancar a hemorragia lenta criada com a saída de Mourinho: reformula-se o elenco, cura-se quem precsia de tratamento (Sneijder, Samuel, etc), vende-se quem for inútil (i.e. Materazzi) e planeja-se cuidadosamente o ano seguinte, já com um grande nome no banco. Essa é a jogada de segurança, mas raramente os clubes a adotam. No caso de Moratti, menos ainda porque ele sente-se apegado à hegemonia interista, incapaz de aceitar o fato de o incomum sucesso interista não aconteceria sem a somatória de circunstâncias (Calciopoli, queda da Juve, purgatório do Milan) e um biênio de um técnico definitivamente acima da média.

Ainda há, como eu disse há semanas, há uma chance remota de Moratti bancar a “cria” de Mourinho, André Villas Boas, do Porto, mas certamente trataria-se de um risco e de uma multa a ser paga ao clube português. Porém, como Leonardo está à mão e ele adoraria dar um tapa na cara de Silvio Berlusconi (muito provavelmente a maior epítome da “Velha Itália” que atrasa o país em todos os aspectos), optar pelo brasileiro parece mais simples e cômodo. Contudo, mesmo tendo surpreendido na sua estreia como treinador, Leo ainda tem muito a aprender e não me parece que esteja disposto a sujar o pé de lama para fazê-lo (leia-se indo trabalhar em clubes menores, aprendendo novas técnicas de treinamento, etc).

Com um desfecho ou outro, é certo que a Inter melhorará em 2011. A preparação física de Benitez aparentemente criou-lhe muitos dos seus problemas, ele perdeu jogadores importantes como Eto’o, Sneijder, Samuel e Milito por algum período e sofria sim oposição interna – no elenco e diretoria. Mesmo sem experiência, Leonardo terá a seu favor um grupo querendo se reerguer, mais descansado, melhor fisicamente e com reforços. Seu grande desafio será o de remontar um time que tem a cara de dois antecessores sem poder fazer o elenco que deseja. Tudo isso, enfrentando a mágoa de uma torcida que certamente não o perdoará. Ele será capaz de sobrepujar tudo isso? No Milan, fez muito mais do que se imaginava. Fará o mesmo na sponda nerazzurra?

Anteriores

A (cansativa) falácia da unificação

Próximo

Milton Cruz o “expert” em contratações, Beckham e afins

14 Comments

  1. Rafael Canova

    É muito inacreditável isso.

    Um técnico iniciante, estrangeiro, que em dois anos de carreira tem Milan e Inter no currículo. Diria até que é surreal.

  2. Cassiano Gobbet

    O Ancelotti eu não acredito mesmo, porque de fato tem um passado concreto com o Milan. O Leonardo era muito considerado (era, porque depois de aceitar treinar a Inter, será um traditore), mas foi um jogador coadjuvante, um dirigente “Dois de Paus” (era responsável pela área de fundações) e um técnico esforçado. O Ancelotti tem três Copas dos Campeões. Hoje, livres, eu apostaria no Rijkaard. Se bem que o Whaldeeyr Espyinhozha também está sem clube. 🙂 abs

  3. De acordo. Comentei com um amigo outro dia sobre como Rijkaard seria uma opção melhor – ainda mais se estivesse acompanhado de Henk Ten Cate. No entanto, meu nome preferido (que só seria possível no meio do ano) é Carlo Ancelotti. Alguém que conhece o Calcio e já triunfou nele.

    Abraços.

  4. Cassiano Gobbet

    Michel, entendi agora. Mas é uma invenção afobada do Moratti. Ele se engalanou com a hegemonia e está dando uma de Juvenal para provar que sabe de tudo. Um traghettatore até junho seria muito mais indicado. Leonardo não é ruim, mas a Inter precisa de um monstro. Se fosse eu, tentaria apostar em nomes que já passaram por outras experiências (Rijkaard, Simeone, van Basten) em vez do leonardo. E fora que ao contrário do que se tem dito, que “na Itália é comum trocar de um clube pelo rival” é mentira. Leonardo sofrerá. E acho que, com Mourinho, a Inter teria sido campeã de qualquer jeito – mesmo com Milan e Juve fortes, mas certamente não teria feito fila. abs

  5. Cassiano,

    Quando falo em Leonardo como sendo uma invenção, penso numa invenção da Inter e não da imprensa. Tenho certeza que as negociações existem. Só acho absurdo pensar no brasileiro num país que é, pelo menos teoricamente, o berço dos grandes técnicos.
    Quanto ao fato da Inter ter transformado a Itália em seu playground após o Calciopoli, estou de acordo que isso não aconteceria sem o escândalo. Porém, dizer que a Inter não teria conquistado nada relevante sem esse evento, como acreditam alguns, é apenas uma tentativa pouco disfarçada de diminuir as conquistas dos Nerazzurri.

    Abraços.

  6. Cassiano Gobbet

    Sem Calciopoli, a Inter teria sido campeã com o Mourinho – fato – mas Juventus e Milan não teriam ficado tres anos sem ganhar (creio que haveria uma divisão mais ou menos equânime) e mais importante, os outros clubes teriam mantido o nível a ponto de impedir a derrocada italiana no ranking da Uefa. Ainda sobre a Inter: vale lembrar que em 2006, Ibra estava acertado com o Milan até estourar Calciopoli. Sobre Leonardo, assino embaixo. abs

  7. Cassiano Gobbet

    Michel, é mais do que invenção. A Inter está negociando com ele sim (negociando – contrato, jogadores, etc). O que tenta-se convencer o Moratti é a evitar uma tentativa de salvar o barco a qualquer custo e aguardar junho. Zenga está no vácuo de Leonardo. abs

  8. Gilson

    Existem algumas coisas bem interessantes que podem ser inferidas nessa brincadeira toda. A primeira é que parece claro até para uma criança que sem o Calciopoli, mesmo com a inevitável queda de rendimento do Milan, dificilmente a Inter iria faturar algo de relevante na Itália nos últimos anos.

    Em tese, a Juventus ficaria com as taças que foram parar nas mãos dos nerazzurri. Em tese…

    A segunda, e mais interessante aos cartolas brazucas, é que caso o Benitez não tenha enlouquecido em sua última coletiva de imprensa, parece mais do que claro que os jogadores da Inter treinam quando e como querem, mimados pelos dois anos de comando do Mourinho.

    Tem gente no Rio que já está agendando um estágio na Inter para saber como tudo isso caminhava.

    A última é que o Leonardo precisa de um gerente para a sua carreira urgentemente. O cara precisa decidir o que quer da vida, pois dizia até pouco tempo atrás que não queria mais ser treinador. Se aceitar esse convite mesmo, provavelmente precisará do auxílio do Donatello, Rafael, Michelangelo, do Mestre Splinter e de quem mais se oferecer para auxiliar o sujeito nessa árdua missão.

    Mas boa sorte ao cara, anyway. Ele parece ser uma pessoa honesta e de bons princípios. Hoje em dia isso não é pouco!

  9. Leonardo não passa de uma invenção. Seu nome só veio à tona porque Moratti é um confesso admirador do brasileiro.
    Como dirigente, ele seria interessante para qualquer clube, mas, como técnico, não.
    Particularmente, acho que o melhor era manter Benítez até o fim da temporada, quando a inevitável “dança das cadeiras” tem início e alguns nomes mais interessantes estarão mais abordáveis.
    E seja qual for os escolhido entre Spalletti, Zenga, Leonardo ou até Figo, a temporada vai ter acabado. O objetivo seria apenas garantir uma vaga na próxima UCL. O que não será fácil…
    Abraços.

  10. Cassiano Gobbet

    Sem dúvida a naba do Allegri foi menor do que a do Leonardo, mas por outro lado, na temporada passada, nem dentro do Milan se falava em título. Hj, na Inter, qq coisa que não seja título é fracasso. Difícil a parada, especialmente por assumir um rival a menos de um ano do adeus. Se ele telefonasse ao Muricy poderia saber. abs

  11. Embora Allegri esteja num momento favorável, Leonardo sobreviveu a momentos de ‘ebulição’ mais dificeis na temporada passada. Isso sem Kaká nem Ibrahimovic. O 3×2 contra o Real Madrid em Madrid foi mais do que simbólico. Allegri pegou um Milan em condições melhores numa temporada em que a Inter esteve praticamente fora do páreo por todo o primeiro turno. Se eu fosse o Leonardo e não tivesse nada melhor para fazer eu aceitaria o desafio.

  12. Raphael

    Depois da coletiva no pós-Mundial, é questão de tempo mesmo a oficialização da demissão do Benitez.

    Pra mim, o Leonardo vem como o que você disse, um tampão que indo bem, vai ficando, e se não for, sai no final da temporada sem problema algum.

    E quando a Inter pensou em demitir o Benitez, eu vi que seria dificil trazer um treinador bom, porque as opções no mercado eram escassas, com a grande maioria empregada.

    Vamos ver como ele se sai, caso seja ele o nome, embora pra mim ele teria muito mais capacidade trabalhando como dirigente do que como treinador. Não que ele tenha feito um trabalho ruim no Milan, dentro de todas as circustancias, pra mim foi bem razoável, mas sei lá, ele tinha pinta de virar um ótimo dirigente.

  13. Rafael Borges

    Seria uma má decisão tanto do Moratti em demitir Benítez e contratar o Leonardo quanto do Leonardo em aceitar a oferta de treinar nada mais, nada menos do que a Inter.

    Acho que se Moratti quiser que a Inter brigue por mais algum título nessa temporada e conseguir ficar entre os quatro primeiros colocados no italiano ele tem que manter o Benítez pelo menos até junho e aí sim avaliar de cabeça fria, como um dirigente e não como torcedor, o trabalho feito ao longo da temporada.

    Demitindo Benítez e trazendo Leonardo agora só vai fazer o próprio Moratti perder dinheiro.

  14. Boni dos Santos

    É triste ver um sujeito que tinha tudo pra ser um dirigente fabuloso se perder..

Os comentários estão desativados.

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén

Top