Em defesa do Galo

Entre os times do pelotão de frente do campeonato, o mais surpreendente para mim é o Atlético-MG. Tem o elenco mais “curto”, o técnico mais questionado (sempre), a gestão competente mais jovem e nenhum fora de série. o feito de Celso Roth no clube é digno de palmas. Ainda assim, não acho que o Galo será campeão (embora ache que isso está longe de ser impossível). Mais do que isso: um título do Galo agora vai colocar em grande risco a reestruturação feita pela nova gestão.

Antes que algum atleticano se irrite, quero declarar minha profunda simpatia pelo Galo. Telê Santana, que é minha divindade sagrada do futebol, era atleticano. Tenho grandes amigos em Minas – 90% deles atleticanos – e um grande amigo, Leonardo Bertozzi, com quem passei a ter menos contato por causa de uma série de acontecimentos, é atleticano doente – embora seja um dos observadores menos passionais das chances do próprio time.

A leitura da chance menor do Atlético tem a ver com o gás que um elenco curto proporciona. Num torneio de pontos corridos isso é fundamental, como o São Paulo fez valer nos últimos três anos. Na Itália, na década de 80, o pequeno Verona derrubou o Milan no campeonato com um elenco muito mais curto. Ou seja: há precedentes, mas estatisticamente as chances são muito menores. O Palmeiras tem um problema defensivo sério, mas tem um técnico bom o suficiente para resolver o problema. As chances do Palmeiras já foram maiores, mas ainda são melhores do que de qualquer um.

Um título agora, no primeiro ano desta nova gestão, será um desastre para o Galo. Jogadores médios vão exigir renovações a preços ridiculamente altos, a imprensa mineira vai tratar o time como imbatível – e jogar uma pressão imensa – qualquer contratação terá seu valor redobrado e assim vai. Mesmo sem ser campeão, o Galo passou por isso quando foi finalista em 1999, o Santos depois da final de 1995 e em menor medida, todos os times campeões estaduais têm esse delírio de poder por causa de uma conquista. Nesse momento, o que o Galo precisa é de continuidade sem megalomania. Manter técnico, elenco, apostar na base e planejar um título para 2010 ou 2011. É assim que qualquer grande clube faz numa reestruturação. Quem fala em título de cara é amador ou mentiroso.

Meses atrás, quando Celso Roth estava sob fogo cerrado, eu o dfeendi, mesmo sem achar que ele seja o maior gênio da história do esporte. A decisão da diretoria de apoiá-lo trouxe benefícios e pode trazer mais. O clube agora precisa focar na luta pelo título, que é uma obrigação enquanto houver chances matemáticas (mesmo com todas as consequências que isso pode causar). Mas ao mesmo tempo, precisa pensar em 2010, manutenção do técnico, elenco, descartar o campeonato mineiro (uma piada completa) e focar em ambições sérias. O bonde dos times grandes do futebol brasileiro está passando e esta pode ser uma das últimas chances do Galo de pegá-lo.

Anteriores

Uma colocação profissional

Próximo

Três observações sobre o comportamento…

19 Comments

  1. Cassiano Gobbet

    Júnior, o Telê era um Tricolor ilustre sim, mas na sua privacidade, era torcedor do Galo. abs

  2. Cassiano Gobbet

    Henrique, meu receio por um título prematuro não é uma conjectura: é uma coisa que aconteceu em diversos países (Kaiserslautern, Lens, Boavista, etc). Mesmo aqui: o Botafogo saiu da fila em 1995 e teve de lidar com uma realidade para a qual não estava preparado. Um título dificulta a negociação de débitos antigos, porque os credores passam a achar que você está milionário. É uma transição difícil. O título, obviamente não é ruim – ele é excelente. A dificuldade está na expectativa que ele causa. Um abraço

  3. Cassiano Gobbet

    Henrique, depois respondo, mas antes de mais nada. Parabéns: vc é educado. abs

  4. Cassiano Gobbet

    Caro atleticano, favor apontar o trecho em que eu disse que o Galo é pequeno. Grato e um abraço

  5. Cassiano Gobbet

    Que assim seja mesmo. Jogador meia-boca não pode ter salário de craque. Abs

  6. Cassiano Gobbet

    Deixa eu entender: seu comentário foi “Sem comentários”?

  7. Cassiano Gobbet

    Caro, por favor, sem alhos nem bugalhos. Não tem estratégia nenhuma. Que o Galo pode ser campeão, o texto deixa mais do que claro. Essa não é a minha opinião – é um fato. Pode ser líder hoje à noite com dois resultados. O ponto é só avaliar o que se tem de avaliar e não o que se quer ouvir. Não discordo de nenhuma das observações sobre o clube e também acho que ele precisa voltar para seu lugar no cenário. Só que infelizmente, para retornar, precisa manter o atual rumo por alguns anos. De qualquer modo, obrigado pela visita e uma braço

  8. Sette1

    Essa é uma típica campanha velada contra o Galo. Você acaricia com essa conversa de “simpatia” e depois utiliza com palavras chaves como “elenco curto”, “pequeno verona” e, por fim, a expressão que um campeonato possa ser prejudicial à “reestruturação” do clube. É, sem dúvida, uma estratégia inteligente, porém, não vou rebatê-las como os atleticanos indignados acima. Só lhe peço encarecidamente que não use mais desse estratagemas se dirigindo a um clube que está voltando ao cenário nacional, onde nunca deveria ter saído, e que possui umas das mais fantáticas torcidas do mundo.

  9. maykon chaves

    primeiro respondendo o tricolor tele era atleticano sim
    agora ao criador do texto
    “Um título agora, no primeiro ano desta nova gestão, será um desastre para o Galo”

    SEM COMENTÁRIOS!!!
    kkkkkkkkkkkkkkkkk
    elenco fraco?quem tem renteria,benitez,coelho no banco tem elenco fraco?kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  10. Renato

    Respeito a sua opinião,mais um titulo como o Campeonato Brasileiro não seria desastroso para o Galo,nós somos muito grandes para receber pressão após um tal conquista,quanto aos jogadores medianos se pedirem aumentos absurdos eles vão quebrar a cara,temos um homem chamado Kalil na presidência,ele concerteza sabe oque fazer com tais pessoas.Sudações Atleticanas

    ÔOOOOOO VAMO PRO BI GALOOOOOO!!

  11. Romano

    Meu Deus, mas que texto ridículo e tendencioso. Que o Galo seja campeão, com “elenco curto” ou não e que você tenha que engolir suas palavras. Só quem não conhece a história do clube e de sua torcida falaria tamanha bobagem.

  12. Juliane

    GALO É AMOR NÃO É SIMPATIA!

  13. atleticano

    para comecar, amador é quem considera o Atletico mineiro um time pequeno e sem influencia, o galo pode ate ter perdido visibilidade nestes ultimos anos devido a ma gestoes e diretorias incompetentes, mais nunca deixou de ser time grande e nunca deixara. um clube que possui a torcida como a nossa nunca podera ser considerado nada alem de time gigante. o titulo vem como um premio a essa nacao apaixonada que toma conta do Brasil e anda carente de titulos recentes. o Kalil é um presidente competente e ele nao ira deixar que o galo seja tratado como time pequeno como o autor desse texto o fez.

    O GALO É MUITO MAIOR DO QUE VOCES (IMPRENSA PAULISTA E CARIOCA) PENSAM, O GALO É MUITO GRANDE E COM O BRASILEIRO DE 2009 VAI VOLTAR A FIGURAR O CENARIO ESPORTIVO MUNDIAL, DE ONDE NUNCA DEVERIA TER SAIDO!!!

  14. Cristiano

    Tu chega a ser cômico amigo.

  15. Henrique

    okk…eu respeito a sua opnião…mais não concordo!!

    onde q um elenco com um goleiro internacional como carini…meias como correa ricardinho…serginho…que pode n ter muito nome no cenario nacional mais vem jogano um bolão..assim como o jonilson…e atacantes como tardelli atrilheiro do brasil…e eder luis, pode ser considerado curto??

    e quanto a continuidade do trabalho do Kalil…um titulo brasileiro vai atrai patrocinios…maior interesse da torcida…e vontade de grandes jogadores jogarem no galo…disputar uma libertadores e ser parte de um elenco competitivo…intao como q todas essas coisa um titulo pode ser ruim??

    Titulo mesmo se for de campeonato de cuspe a distancia eh titulo, e eh bom!!
    Mais respeito sua opnião, abraço

  16. Matheus

    O tardelli nao é fora de serie ?
    Carini não é fora de serie ?
    Ricardinho ?
    Bom é Robert e Jumar …

  17. Pedro

    Comentário sem fundamento! O Atlético em todos os lugares é visto como o time que melhor aproveitou a janela e tem elenco de sobra! Ricardinho era banco, vc acredita? O galo jogou contra o Vitória sem Eder, Carlos Alberto e Correa, destaques do brasileiro e tinha inúmeras peças de reposição!

    Obrigado por simpatizar pelo galo, mas simpatizantes quem tem é o outro lado da lagoa!

    Passar bem!

  18. José

    Elenco curto? O que vem a ser um elenco curto?
    É a primeira vez que acesso seu blog, o encontrei através de um link no blog do Ledio Carmona, e, se você lesse esse blog mesmo, e outros, como do Juca Kfouri, do Mauro Beting, do PVC, entre outros… veria que, assim como eu, ninguém compartilha dessa opinião.
    Em relação à reestruturação, eu nunca li algo tão sem fundamento quanto o que você escreveu. Muitos jogadores tem contratos longos, e aqueles que são mediocres e exigirem muito dinheiro para renovação, podem sair, pois haverá muita gente querendo jogar em qualquer time campeão! Por outro lado, concordo que a tabela é difícil.
    Você não deve acompanhar o dia-a-dia do futebol mineiro, e muito menos o trabalho do Alexandre Kalil.
    Obrigado por simpatizar com o Galo e passar bem!

  19. Júnior

    E aí, galera!
    Só uma correçãozinha: o Telê era tricolor (Fluminense), facilmente atestável em qualquer canto.
    Parabéns e abraços!

Os comentários estão desativados.

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén

Top