Em todos os anos, muito provavelmente uma reunião em Appiano Gentile define qual será a besteira a ser feita para comprometer a temporada da Inter. Depois da Copa de 2002, a Inter cedeu Seedorf para o Milan em troca de Coco. No ano passado, entregou Cannavaro, capitão da seleção italiana à Juventus, em troca de Carini. Mesmo à época, os negócios já soaram irracionais. O tempo só provou que eles foram muito irracionais.

A reunião desta temporada, ao que tudo indica, já aconteceu. E os vértices interistas resolveram simplesmente liberar o atacante Christian Vieri de graça, para quem quiser comprar. Depois de 6 temporadas e anotados 102 gols no campeonato, ‘Bobo’ Vieri teve seu contrato rescindido depois de embolsar €9 milhões, cerca de 70% do salário líquido que receberia em seu último ano de contrato com o clube.

As razões que fizeram a Inter decidir pela saída de Vieri são várias. O atacante toscano não vinha tendo um bom relacionamento com o técnico Roberto Mancini, especialmente pelo fato de Mancini considerar que Vieri não pode jogar com Adriano. Além disso, o salário proibitivo de Vieri oneraria ainda mais o caixa interista. E se não fosse o titular, como aconteceu no último ano, Vieri acabaria criando um mal-estar no ambiente.

Tudo isso é verdade. Mas como é possível um clube simplesmente liberar o maior artilheiro de sua história recente? E de graça? Lembrando que Vieri foi contratado por cerca de €35 milhões em 1999, se tem uma noção de quão questionável é a medida. De fato o clube não pode não privilegiar Adriano, que é a aposta para o futuro. Mas entregar Vieri de bandeja para a concorrência soa como loucura.

E ‘entregar para a concorrência’ talvez possa ser interpretado literalmente. Apesar de se dizer que Vieri tende a ir para um clube inglês ou espanhol, o atacante está negociando com o Milan, que muito dificilmente manterá Hernan Crespo, cujo passe pertence ao Chelsea e está sendo ‘convencido’ a voltar a Londres.

A vocação interista para se fazer mal sozinha é fantástica. Se Vieri for para um clube de ponta e tiver o estímulo psicológico necessário, é um atleta para fazer de 25 a 30 gols na temporada – o suficiente para empurrar um adversário a um título. Enquanto Vieri ganha sua transferência, Recoba segue em sua vida tranqüila em Milão, com um salário não menos nababesco e com uma contribuição infinitamente menor. Como sempre, a Inter começa já com o pé esquerdo.

Venezia United

A Itália pode passar a ter na próxima temporada o primeiro ‘United’ da península, como fruto verdadeiro da aglutinação dos torceres. O Venezia, tradicional clube da cidade italiana, ameaçado por uma série de problemas financeiros e gerenciais, pode se transformar numa entidade esportiva gerida com a participação direta de torcedores.

No último dia 23, uma juíza entrou com o pedido de falência do clube ‘neroverde’ por causa de uma dívida de €15 milhões com o fisco. A diretoria tinha chegado a um acordo com o governo, mas a juíza entendeu que o clube não tem consistência para arcar com as suas dívidas.

Uma empresa da região, a Sport Consulting, desenhou um projeto para resgatar o Venezia das dívidas, com o controle confiado a um grupo de pessoas escolhidas entre ex-dirigentes, torcedores, ex-jogadores e empresários da região. O projeto seria bancado por empresários que se transformariam em acionistas do clube. A idéia parece bastante saudável. O Venezia United não estaria só preocupado com futebol jogado, mas também com o desenvolvimento de categorias de base, iniciativas culturais e outras interações com a sociedade.

Para a atual situação do Venezia, seria uma bênção. No campo, o clube acaba de ser rebaixado para a série C1. Seu presidente anterior era Maurizio Zamparini, que atirou o time nas trevas ao largar o clube levando todos os astros do elenco para seu recém-comprado Palermo (Zamparini é odiado na cidade). A última direção, com o clube atolado em dívidas, pouco pôde fazer. E se a falência se confirmar, o Venezia cai para a C2 ou para a série D. Que seja bem-vindo o United!.

Uma boa compra? Lazzari

Juntando os cacos depois do rebaixamento, a Atalanta pode comemorar bem pouco. Entre as poucas alegrias, o clube bergamasco teve a boa notícia de ter em Andréa Lazzari o jogador escolhido como a revelação do campeonato italiano. Lazzari recebeu o prêmio Niccoló Galli pelo feito.

E agora? Bem, a lógica sugere que Lazzari não deve ficar na Atalanta depois do rebaixamento. E para os clubes que estiverem atinados com o rendimento em campo, a contratação de Lazzari seria bastante indicada. O preço não deve ser muito baixo (em torno de €4 milhões), mas é um jogador que vale a aposta.

Com 20 anos de idade, 1m85 e 74kg, Lazzari foi um dos melhores jogadores do segundo turno da Atalanta que quase conseguiu se salvar. Das 34 partidas, Lazzari foi titular em 21 (substituto em mais 10), e foi o responsável direto pela eliminação da campeã Juventus pela Copa Itália.

Lazzari é um jogador de faixa lateral. Isso vale dizer que ele pode assumir funções mais defensivas ou ofensivas conforme a necessidade. Contudo, sua melhor performance é jogando no meio-campo, fazendo descidas à linha de fundo. Se fosse para fazer um paralelo de posição, seria possível compara-lo a Camoranesi, da mesma uventus (embora Lazzari seja menos físico do que o ítalo-argentino).

Nas últimas semanas, a principal interessada no futebol de Lazzari era a Roma. Mas com a ‘condenação’ da FIFA que proíbe a equipe ‘giallorossa’ faça transações de mercado, os clubes que se aproximam mais do ala são a Lazio e a Sampdoria.

Itália 2012

A Copa de 2006 ainda não começou, mas a cabeça da Itália já está na Euro 2012. O país está interessado em sediar a competição, e prepara uma proposta consistente à UEFA. Os adversários italianos devem ser Romênia, Grécia, Azerbaijão, Rússia e Turquia, sendo que a candidatura romena parece já ter sido a primeira a fazer água. Croácia/Hungria e Polônia/Ucrânia devem apresentar propostas conjuntas.

O anúncio mais importante da semana passada foi a confirmação pelo presidente da Federcalcio, Franco Carraro, que o governo italiano já confirmou que liberará linhas de crédito para construção e modernização dos estádios italianos caso a candidatura italiana se confirme.

Entre os primeiros temores que o assunto levantou estão os destinos de estádios já existentes em grandes cidades como Turim e Roma. O prefeito de Roma, Walter Veltroni, já enviou uma carta ao presidente do Comitê Olímpico Italiano pedindo informações sobre o assunto, porque não quer ter em Roma “dois monumentos inutilizados”, numa referência clara aos estádios Olímpico e Flamínio.

O problema é ainda maior em Turim. Apesar do estádio Delle Alpi ser visto no exterior com um edifício imponente, é considerado um elefante branco entre os italianos. O estádio piemontês é frio, tem as arquibancadas muito distantes do gramado, tem uma manutenção altíssima e em breve pode ser completamente abandonado, uma vez que a Juventus quer construir seu próprio estádio. A demolição do Delle Alpi é vista por muitos como uma solução viável.

– Depois de conquistada a promoção á Série A, Torino e Genoa se vêem ameaçados de perder a vaga por porblemas que não têm nada a ver com o futebol.

– O Torino tem uma dívida de quase €30 milhões com o fisco, e se não pagar, não conseguirá se inscrever no próximo campeonato da Série A.

– O Perugia, clube que decidiu o acesso á Série A com o Torino, só não cai para a Série C2 se conseguir €12 milhões para não sumir do mapa.

– Fidelis Andria, Foggia, Gela, Reggiana e Venezia (C1); Como, Pro Vasto, Sora, Cavese, Vis Pesaro e a recém-promovida Canzese (C2) também estão a um fio de cabelo da degola.

– Com o Genoa, a acusação é de ter comprado o resultado de seu último jogo na Série B (contra o Venezia), para garantir o acesso.

– Ligações telefônicas grampeadas pela Justiça comprometem bastante a situação do clube.

– A probabilidade do Genoa perder sua vaga ainda é remota, mas não é mais só estatística.

– No capítulo “Lama”, também a Roma tomou uma castanhada na orelha na semana passada.

– O clube de Trigoria foi proibido pela FIFA de contratar jogadores até junho de 2006 por causa de uma condenação da entidade em relação à contratação do zagueiro francês Mexés, do Auxerre.

– A FIFA entendeu que a Roma, conforme alegava o time francês, foi a responsável direta pela decisão do jogador em deixar o Auxerre quando este ainda tinha contrato com o atleta, contrariando normas da FIFA.

– O Milan, em 4 de julho, já tinha batido a quota de 22 mil carnês de ingressos vendidos para a temporada 2005/6 do campeonato Italiano, com mais 6 mil carnês para os três primeiros jogos da Liga dos Campeões em casa, numa renda de cerca de € 9 milhões.

– O goleiro Abbiati se transferiu para o Genoa, por empréstimo, podendo ser comprado pelo clube da Ligúria em 2006 pelo valor de €3 milhões. Para substitui-lo, o Milan contratou o grego Eleftheropoulos, que jogou pelo Messina no ano passado.

– Segundo o Daily Mirror, o Chelsea teria feito uma oferta de €55 milhões pelo passe de Trezeguet à Juventus.

– Se a Juventus aceitasse, Crespo poderia deixar mesmo o Chelsea e sua destinaçãoseria o Milan ou a própria Juventus.

– Na lista dos árbitros para a Série A desta temporada, pelo menos cinco nomes devem ser vetados.

– Andrea Carlucci, Diego Preschern, Danilo Nucini, Alberto Castellani e Michele Cruciani são os cotados para a geladeira.

– E como o multimídia Pierluigi Collina recebeu permissão para arbitrar por mais um ano, a indicação de seu nome para designador de arbitragem ficará em ‘standby’.

– Alfredo Trentalange é o nome mais provável enquanto Collina não pode assumir.