Na última quinta-feira o técnico Didier Deschamps divulgou a lista de convocados da seleção francesa, para a data FIFA de setembro, que terá jogos de seleções a partir do decorrer desta semana. A França tem compromissos com Albânia e Andorra pelas Eliminatórias da EURO 2020.

Embora os atletas estejam em início de temporada 19/20 na Europa, o grupo francês trás protagonistas vivenciando algum estágio de adaptação ou pressão, mais precisamente o atacante Antoine Griezmann (agora no Barcelona) e o meia Paul Pogba (que até o momento, prossegue no Manchester United). Ambos foram peças importantes na conquista da Copa 2018.

Para além dos atletas mais rodados, Deschamps promoveu surpresas que mereciam convocação, casos do defensor Aymeric Laporte (Manchester City) e o atacante Jonathan Ikoné, destaque do Lille vice-campeão francês 18/19.

Em meio a estes, Steve N’Zonzi (volante, agora Galatasaray) e Lucas Hernandéz (lateral, agora FC Bayern), pertencentes ao grupo campeão na Rússia, voltaram a ser chamados, bem como “Coco” Tolisso (meia, FC Bayern) que sofreu grave lesão após o Mundial.

Confira todos os convocados:

Goleiros: Lloris, Mandanda, Maignan

Defensores: Digne, Dubois, Lucas Hernández, Laporte, Lenglet, Pavard, Varane, Kurt Zouma

Meias: Matuidi, N’Zonzi, Pogba, Moussa Sissoko, Tolisso

Ataque: Ben Yedder, Kingsley Coman, Fekir, Giroud, Griezmann, Thomas Lemar, Ikoné

O time da França é Pogba mais 10?

Se por um lado Griezmann parece a vontade no Barcelona das primeiras rodadas de La Liga 19/20, por outro, na Inglaterra, Paul Pogba parece um pára raios no Manchester United do técnico Ole Solskjaer. Com a janela de transferências na Europa se encerrando neste dia 02 de setembro, não há indícios de que Pogba deixará o clube de Old Trafford.

Há cobranças em direção a Solskjaer (time ocupa 8º lugar na Premier League), as quais acabam atingindo Pogba, principal atleta do United. A algumas semanas o técnico dos red devils afirmou publicamente que o meia francês não pode ser cobrado como se fosse “um misto de ícones como Verón, Scholes, Keane e Cantona”. Scholes e Keane pela posição em campo, Cantona pela nacionalidade e Verón, pelo fato do argentino ter sido um investimento frustrado no começo dos anos 2000.

Cantona, Scholes e Keane são ídolos em Old Trafford tendo sido treinados por Sir Alex Ferguson em período vitorioso. Solskjaer quando atleta também atuou nesta época. Hoje como discípulo de Ferguson, o técnico tem utilizado Pogba em campo, numa função que o irlandês Roy Keane também desenvolvera entre o fim dos anos 1990 e início dos anos 2000.

Pogba ainda não é para o United aquilo que Keane representa. Porém tal qual Scholes e Keane, Pogba foi sim revelado pelo United, detalhe que todos parecem ter esquecido. O United obteve Pogba para o seu time sub-18 em outubro de 2009, contratando-o das categorias de base do Le Havre francês.

Anos depois a Juventus adquiriu o meio campista em 2012 (o United ofereceu contrato profissional recusado pelo jogador), tendo sido recomprado pela agremiação vermelha de Manchester em 2016 (por 105 milhões de euros). Pogba é tão prata da casa red devil quando Marcus Rashford. Ainda que francês, Pogba tem identificação com o clube inglês, algo que Juan Sebastian Verón, sequer revelado pelo clube, nunca teve.

Pogba é uma liderança técnica e moral num intento de valorização dos atletas da base red devil. Lapidar pratas da casa era algo que Ferguson proporcionava outrora aos seus “Ferguson babies” e algo que a direção do United parece estar novamente valorizando.

Voltando a seleção francesa, Pogba tem uma carga de responsabilidade dividida e assim já o era no grupo campeão mundial na Rússia, a pouco mais de um ano. A responsabilidade era dividida entre veteranos como Lloris, Matuidi e Giroud, passando em segunda instância aos mais jovens, mas protagonistas em seus clubes como Varane (Real Madrid), Griezmann (então Atlético Madrid), e ele, Pogba.

A França campeã em 2018 não se resumia a Paul Pogba, nem em aspecto técnico, nem em aspecto psicológico.

Em campo

Pelo grupo H das Eliminatórias da EURO, a França enfrentará Albânia em 07 de setembro e Andorra em 10 de setembro. Ambas as partidas serão disputadas no Stade de France (Paris/França).

Os bleus lideram o grupo H em critérios de desempate, uma vez que respectivamente França, Turquia e Islândia elencam os três primeiros postos com os mesmos 9 pontos em quatro jogos disputados.

Imagem de Pogba: AFP

Sortie de but

– Ainda a respeito de Paul Pogba, o meio campista parecia ser desejo de consumo do técnico francês Zinedine Zidane, à frente do espanhol Real Madrid. Em quatro rodadas de Premier League inglesa 19/20, Pogba foi titular em quatro jogos do Manchester United.

– No setor de ataque da seleção francesa, o atacante Wissam Ben Yedder vinha recebendo oportunidades no ciclo pré-Copa 2018, ainda que não tenha ido à Rússia. Como já observamos aqui no 90 Minutos, Ben Yedder deixou o espanhol Sevilla e agora atua na Ligue 1 francesa, como reforço do Monaco para a nova temporada. Jogador tem sido titular desde que chegou ao clube do Principado (3 jogos, 1 gol).

– Revelado pelo PSG, o meia-atacante Jonathan Ikoné é um dos muitos valores da base que o xeique Nasser Al-Khelaifi não percebeu desperdiçar, desde que assumiu o clube no início desta década. Na temporada 18/19, Ikoné (21 anos) disputou 41 jogos pelo Lille vice-campeão francês. Fez 3 gols e concedeu 10 assistências, sendo um bom parceiro de ataque para o marfinense Nicolás Pépé, negociado pelo time dos dogues com o inglês Arsenal.

– Falando no Arsenal, Alexandre Lacazette (3 partidas, 2 gols pela Premier League) segue esquecido por Deschamps. Seu companheiro de clube, o volante Matteo Guendouzi, vem sendo elogiado na Inglaterra, mas também se vê sem receber oportunidades na seleção francesa.