No último sábado o Monaco visitou o Metz pela 2ª rodada da Ligue 1 2019/2020. A equipe do Principado saiu de campo com sua segunda derrota consecutiva por 3×0, tendo encerrado a partida com um atleta a menos devido expulsão, tal qual se viu na primeira rodada. Na primeira rodada o Monaco perdeu por 3×0 para o Lyon, encerrando o jogo com 10 homens.

Com zero ponto e seis gols negativos de saldo é preciso que se acenda um sinal vermelho no estádio Louis II, uma vez que o Monaco praticamente jogou para não cair para a Ligue 2, na temporada 18/19. A equipe do técnico Leonardo Jardim encerrou a última edição da Ligue 1 na 17ª colocação, um posto acima do Z3.

As derrotas sofridas para Lyon e Metz denunciam problemas em campo, mas é possível afirmar que a política de contratações do clube gerido pelo russo Dmitry Rybolovlev, é minimamente errática. Nós frisamos aqui no 90 Minutos o planejamento sovina do clube, ainda em janeiro último.

Necessidade de melhor gestão

O Monaco conclama necessidade de um diretor esportivo, ou algo parecido, entre Leonardo Jardim e o mandatário Rybolovlev. Nas duas últimas temporadas o clube lucrou com as vendas de M’bappé, Lemar, Bernardo Silva, Benjamin Mendy, Bakayoko e Germain, do grupo campeão francês 16/17, porém não soube aplicar os recursos.

Não era preciso torrar milhões de euros de forma irresponsável, tal qual o PSG. A falta de gestão se fez notar com a demissão de Leonardo Jardim na 9ª rodada da Ligue 1 18/19, após oito jogos sem vitória em outubro de 2018. Jardim foi substituído pelo antigo ídolo Thierry Henry, que por sua vez, protagonizou passagem desnecessária pelo clube que o revelou como atleta, para o próprio Jardim retornar em janeiro de 2019.

A agremiação perdeu jogadores no começo da temporada 18/19 mas demorou a obter peças de reposição, as quais só vieram a contento na janela de inverno, com Jardim novamente no comando da equipe. Chegaram ao Principado os portugueses Adrién Silva (volante) e Gelson Martins (ataque) e o meia espanhol Cesc Fàbregas.

Entretanto já se percebia erros de avaliação no começo da temporada 18/19, com a liberação de Keita Baldé por empréstimo para a italiana Internazionale. Baldé saiu e o Monaco lidou com lesão que tirou Rony Lopes de campo por três meses. O belga Youri Tielemans vinha cumprindo bom papel, mas foi cedido por empréstimo ao inglês Leicester, enquanto o clube britânico cedeu Adrién Silva, também por empréstimo de seis meses, isto na última janela de inverno.

Findada a temporada 18/19, já nesta janela de transferências de verão ainda aberta, o Monaco negociou Tielemans em definitivo com o Leicester, sem fazer esforço para manter Adrién Silva, ocupante de setor carente. Compatriota de Tielemans e seu companheiro de seleção da Bélgica, Nacer Chadli, foi cedido por empréstimo ao Anderlecht a poucos dias.

Destaques na Copa 2018, Chadli já tem 30 anos, mas o descaso com Tielemans, de apenas 22 anos, é incompreensível. Fàbregas é um atleta de 32 anos e teria em Tielemans peça de reposição mais que oportuna. O clube lida com a incerteza da permanência do ídolo e centroavante Falcao García, que pode aceitar proposta do futebol turco. A peça de reposição foi anunciada no fim da última semana, e já fez sua estreia contra o Metz.

Wissam Ben Yedder vem sendo convocado para seleção francesa e deixou o espanhol Sevilla como seu quarto maior artilheiro da história (90 gols). Porém, em contraparte, o Monaco liberou o luso-brasileiro Rony Lopes em definitivo para o clube da Andaluzia. O critério de contratações parece incompreensível.

Segundo rumores afirmados pelo L’Équipe ao findar da última semana, a diretoria monagesca trabalha para repatriar o acima citado meia/volante Tiémoué Bakayoko, pertencente ao Chelsea. Logo fica uma pergunta: ao invés de trazer seu ex-atleta (26 anos) que hoje tem mercado e alto salário, não era mais fácil ter mantido Adrién Silva, com 30 anos e fim de ciclo na Premier League?

A única negociação que mostrou algum sentido foi o empréstimo de Djibril Sidibé, campeão mundial com a França em 2018. Sidibé foi emprestado por uma temporada ao Everton, com opção de compra ao final do vínculo. Dada a faixa etária do lateral-direito (27 anos), esta poderia ser a última oportunidade para o jogador atuar na Premier League inglesa.

Em linhas gerais livrar-se de salários altos de Falcao e Rony Lopes talvez se justifique, levando-se em conta possibilidades dos mesmos jogarem Champions League/Europa League. Porém, apenas com competições domésticas (Ligue 1, Coupe de France e Copa da Liga) pela frente, o Monaco poderia almejar mais de um título caso mantivesse elenco forte.

Imagem de Leonardo Jardim: A Bola

Sortie de but

– No que diz respeito a entradas relevantes no plantel além de Ben Yedder, o Monaco adquiriu o nigeriano Henry Onyekuru (atacante, 22 anos, ex-Galatasaray) cujos direitos federativos pertenciam ao Everton, acertou aquisição definitiva (e necessária) de Gelson Martins para com o Atlético Madrid e adquiriu o goleiro Leconte (ex-Montpellier). Recebeu de volta os emprestados Gabriel Boschilla (estava no Nantes) e o citado Keita Baldé.

– Nesta segunda-feira 19 de agosto o L’Équipe ressaltou declaração de Wanda Nara, esposa/empresária do atacante argentino Mauro Icardi, afirmando que o atleta não se juntará ao Monaco. Na Itália a imprensa local divulgou informação de que Icardi e Monaco teriam um acordo.

– Com Ben Yedder, Keita Baldé, Onyekuru, Gelson Martins e Stefan Jovetić (que padeceu, é verdade, de problemas físicos diversos na última temporada), o badalado Icardi jogaria com garantias de titularidade onde, caso o jogador realmente estivesse negociando com o Monaco? Perguntamos novamente: não melhor oferecer proposta por Adrién Silva para setor carente de volante?

– O mesmo L’Équipe destacou grande possibilidade do uruguaio Martin Cáceres (32 anos) assinar sem custos com o Monaco. O defensor da seleção do Uruguai teve vinculo findado com a italiana Lazio. Pelo perfil tem-se a impressão de que Cáceres poderia ser utilizado por Leonardo Jardim, no miolo de zaga.

– Em aspecto tático Jardim utilizou o brasileiro e inicialmente zagueiro Jemerson como volante, nas duas primeiras rodadas da atual Ligue 1. Na temporada passada Jardim já vinha fazendo isso. Outros dois zagueiros disponíveis são o titular Kamil Glik e o brasileiro Naldo (36 anos). A aquisição de Naldo na temporada passada também não se justificou. Jardim tem utilizado Benoit Badiashile (18 anos) ao lado de Glik. O italiano Andrea Raggi (34 anos) teve contrato findado e deixou o clube.

– Com Jemerson praticamente efetivado como volante, perguntamos pela terceira vez: não era melhor ter feito proposta por Adrién Silva, ao invés de devolve-lo ao Leicester? Efetivado em 31 de janeiro último, Adrién Silva fez 15 de 16 partidas possíveis pelo Monaco na Ligue 1 18/19. Das 16 partidas o Monaco perdeu apenas 5 com Adrién suspenso por cartão amarelo em uma. O jogador deu equilíbrio ao meio campo e muito da manutenção na Ligue 1, se deve a ele.

– Na rodada 01 desta Ligue 1 19/20 o Monaco teve onze atletas por 30 minutos até a expulsão de Fàbregas diante do Lyon. Na rodada 02 a equipe teve onze atletas por 34 minutos até a expulsão de Ruben Aguillar, diante do Metz. Peças de reposição para atletas suspensos estão se fazendo mais do que urgentes.

– Na coletiva pós-derrota para o Metz, o técnico Leonardo Jardim, ao mencionar a expulsão de Aguillar, acabou por responsabilizar…o VAR. O lateral Ruben Aguillar foi expulso de forma justa após entrada de carrinho no adversário, com a equipe já perdendo por 1×0. Jardim com certeza se referiu a bola na mão de Jemerson que originou pênalti que deu o primeiro gol ao Metz.

Confira os melhores momentos de Metz 3×0 Monaco