Em meio a data FIFA de jogos de seleções o Monaco anunciou término dos trabalhos de seu treinador Leonardo Jardim, ao confirmar a saída do português na última quinta-feira. Na França havia forte rumor de aproximação entre o ex-atacante Thierry Henry e o clube monagesco, algo que de fato se concretizou.

O ciclo de Jardim à frente do Monaco foi surpreendente, mas a sequência de nove rodadas da Ligue 1 com o time obtendo apenas uma vitória (são oito jogos sem vitórias) além de duas derrotas em dois jogos pela Champions League, foram cruciais para o rompimento entre clube e técnico português.

Observadas apenas as primeiras rodadas desta temporada 18/19, Leonardo Jardim não tinha muito o que fazer perante o desmanche da base campeã francesa 16/17, propagado em dois verões europeus consecutivos. A 18ª colocação deixando o Monaco na zona de rebaixamento da Ligue 1 era algo alarmante.

De outro lado é minimamente notável o não deslumbramento da direção do clube monagesco. Com dinheiro em caixa, as aquisições para a presente temporada foram de atletas de baixa faixa etária, com o clube antevendo mais uma vez, projetar jogadores no intuito de fazer caixa no futuro.

Leonardo Jardim foi contratado em junho de 2014, substituindo o italiano Claudio Ranieri (hoje Nantes). O português vinha do Sporting mas havia obtido êxitos na temporada 2012/2013 frente ao grego Olympiakós, tendo feito a equipe de Pireus vencer a liga e copa gregas 12/13.

O técnico Leonardo Jardim

O técnico Leonardo Jardim

No Monaco coube a Jardim projetar atletas da base e jovens promissores comprados de outros clubes, a princípio para ajudar o clube a fechar caixa. Nomes como Martial (Manchester United) e Kurzawa (PSG) foram conduzidos pelo treinador, que obteve inesperado título da Ligue 1 16/17 valendo-se de time base que trazia M’bappé (PSG), Bakayoko (Milan, ex-Chelsea), Mendy e Bernardo Silva (Manchester City).

Na temporada 16/17 o Monaco fez mais de 100 gols (107 só na Ligue 1), valendo-se de proposta ofensiva. Um feito notável foi eliminar o Manchester City de Pep Guardiola, nas oitavas de final da Champions League daquela temporada, quando brilhou o então desconhecido Kylian M’bappé. O time foi semifinalista daquela UCL.

Henry

O burburinho fazendo soar o nome do ex-atacante Thierry Henry era considerável na França, quando as informações acerca da saída de Leonardo Jardim começaram a se intensificar.

Segundo o L’Équipe a direção do Monaco sondou o ex-meia argentino Marcelo Gallardo, que preferiu permanecer no argentino River Plate, clube que ainda disputa a Taça Libertadores. Gallardo atuou pelo Monaco entre 1999 e 2003. O meia integrou o grupo monagesco campeão francês 1999/2000.

Sobre Henry em si, o nome do antigo ídolo da seleção francesa e do inglês Arsenal era mencionado na França desde a pré-temporada 18/19, sendo que Henry chegou a negociar com o Bordeaux. Henry se via valorizado devido a trabalho como auxiliar de Roberto Martínez à frente da seleção da Bélgica que fez boa Copa 2018.

Neste último sábado a direção monagesca confirmou a contratação de Henry para o posto de treinador com vínculo de três anos. A apresentação do novo treinador será realizada nesta segunda-feira conforme divulga a imprensa internacional, uma vez que Henry estava junto com a seleção belga, em disputa da UEFA Nations League.

Henry regressa ao Principado, uma vez que foi revelado pelo clube, onde atuou entre 1994 e 1999 valendo lembrar que o Monaco foi treinado pelo francês Arsène Wenger na primeira metade dos anos 90. O ex-atacante ainda passou pela italiana Juventus, antes de transferir-se para o Arsenal a pedido do próprio Wenger, por sua vez contratado pelos gunners em 1996.

Henry ainda jogou pelo Barcelona e pelo americano New York Red Bulls. Pela seleção francesa integrou os grupos campeões do Mundial 1998 e EURO 2000.

Imagem de Henry trabalhando pela seleção belga: Franck Fife/AFP