“I’m the son of rage and love
The Jesus of Suburbia
From the bible of none and above”
(Green Day – “Jesus of Suburbia”)

Nesta quinta-feira o atacante brasileiro Gabriel Jesus finalmente foi apresentado pelo inglês Manchester City. A negociação acertada ainda no decorrer de 2016, custou 27 milhões de libras aos cofres citzens, valor pago ao Palmeiras que revelou o atleta de apenas 19 anos.

Gabriel Jesus já estava na cidade de Manchester (Inglaterra) desde o início de 2017, integrado ao clube e participando dos treinamentos a pelo menos três semanas. Federação inglesa, clube, jogador e o treinador Pep Guardiola esperavam a conclusão dos tramites burocráticos referentes aos direitos federativos do jogador.

Como já veiculado a esmo por imprensa mundial e brasileira, Gabriel Jesus ressaltou a escolha pelos citzens devido a ambição do clube em conquistar títulos, grande elenco ao seu redor e o chamado do próprio Guardiola. O atacante solicitou a camisa número 33, que imprensa inglesa sublinhou ter pertencido ao zagueiro belga Vincent Kompany, capitão e líder do time até a última temporada.

Obscurecido desde a chegada de Guardiola, Kompany inicialmente utilizou o número 33, se tornando uma bandeira citzen na recente era milionária do clube.

Na fogueira?

A condução de Gabriel Jesus por Guardiola deve ser colocada acima de qualquer suspeita. O treinador não vai queimar o atleta. Não se deve esperar efeito positivo imediato do atacante no time titular do City, algo que pode (veja bem, “pode”) até ocorrer. O momento no lado azul de Manchester não é tranquilo.

Os citzens se recuperam de uma goleada estapafúrdia sofrida em Liverpool na rodada do último fim de semana, pela Premier League. A equipe foi vencida pelo Everton por 4×0, assim caindo para a quinta colocação na tabela. O problema de Guardiola neste momento não é ataque, e sim meio-campo e defesa.

A dupla titular de volantes Fernandinho/Gündogan se vê indisponível. O brasileiro cumpriu apenas um jogo de quatro previstos devido a expulsão contra o Burnley, há duas rodadas atrás da Premier League. O alemão lesionou-se gravemente e praticamente já se vê fora da temporada.

Guardiola procura equilíbrio entre meio-campo/defesa, algo difícil de mensurar devido a formatação ofensiva do seu pensamento de futebol. Não há um baricentro entre a cabeça de área e a linha defensiva. A imprensa ainda questiona a titularidade do goleiro chileno Cláudio Bravo, trazido no início da temporada por Guardiola, em detrimento do ídolo Joe Hart, titular da seleção inglesa e agora no Torino (Itália). Bravo sofreu 26 gols em 21 jogos da liga inglesa.

Além do desastre na parte defensiva que a trajetória do City tem demonstrado, consequência da postura ofensiva adotada por seu treinador; um erro também pode ter sido cometido por ele na gestão do grupo. Os citados Kompany, Hart e o a pouco re-integrado Yaya Touré, são/eram lideranças nos vestiários citzens.

Kompany ainda não foi dispensado, mas além da idade avançada (30 anos), passou a primeira metade de temporada recuperando-se de lesão que o tirou da EURO 2016. No presente momento em que peças importantes não estão disponíveis, elementos que podem contribuir para um não destempero “psicológico”, são imprescindíveis.

A melhor defesa é o ataque?

No aspecto ofensivo imaginar de que forma Gabriel Jesus irá atuar, é o menor dos problemas neste instante. De momento Kelechi Iheanacho (19 jogos, 6 gols na temporada) e Sérgio Agüero (22 jogos, 18 gols na temporada), são as peças para atuar como atacantes de área.

David Silva, Raheem Sterling e Jesus Navas tem sido escalado pelos lados e Kevin De Bruyne já foi utilizado até como segundo homem de meio-campo. Entre os cinco primeiros colocados na tabela, o City tem apenas o quinto melhor ataque (41 gols). O Liverpool (terceiro lugar) tem o melhor ataque com 49 gols, o Arsenal (quarto lugar) tem 48 gols, o líder Chelsea tem 45 gols e o Tottenham Hotspur (vice-líder) tem 43 gols.

Gabriel Jesus está a disposição de Guardiola e deverá ser relacionado para a partida contra o citado Tottenham pela vigésima segunda rodada da Premier League, no sábado. Entretanto, este é o Tottenham vice-campeão da última edição da Premier League e neste momento vice-líder na tabela.

A primeira derrota da Guardiola na atual edição da liga inglesa se deu contra a equipe londrina do técnico Maurício Pochettino. Os spurs quebraram a invencibilidade citzen de seis jogos na liga, na sétima rodada. O time de Londres também detém a melhor defesa do torneio, que sofreu apenas 14 gols.

Imagem de Gabriel Jesus: Victoria Haydn/Manchester City FC