No último domingo, o Chelsea visitou o Arsenal no Emirates Stadium (Londres/Inglaterra) pela trigésima quarta rodada da Premier League. Os blues lideram com 77 pontos, dez a mais que o vice-líder Manchester City, que por sua vez ostenta a mesma pontuação do terceiro colocado Arsenal.

Se vencesse, a equipe de José Mourinho poderia sacramentar o título no meio da semana, contra o Leicester, em partida atrasada. O jogo entre gunners e blues porém terminou em 0x0. Há um sabor de resignação no virtual título da Premier League, pelo lado do Chelsea. Isso devido à eliminação inesperada nas oitavas de final da Champions League, diante do Paris Saint-Germain do ex-Chelsea, David Luiz. A auto-suficiência defensiva imposta por José Mourinho, mais uma vez cobrou seu preço.

Contra o Arsenal a partida foi fechada, mais física do que vislumbrante somada a um clima de tensão entre dois treinadores que se odeiam, Mourinho e o técnico gunner Arsene Wenger. No confronto do primeiro turno, ambos chegaram a se estranhar num encontrão à beira do gramado.

Boring, boring Chelsea.

Neste jogo do returno ouviram-se vaias ào meia espanhol Cesc Fàbregas, ídolo gunner na década passada e que retornou ao Emirates pela primeira vez, vestindo a camisa de um adversário. Mourinho lançou expediente de um 4-2-3-1 sem centroavante, postando Oscar como um inusitado “homem referência”.

A formação blue tinha Courtois, Ivanovic, Cahill, Terry e Azpilicueta. Matic, Fàbregas, Ramires, Willian e Hazard. Oscar. Volante de origem, Ramires foi fixado pelo lado externo direito, habilitado a entrar na área. Era um dos três meias ofensivos do 4-2-3-1. Em contraparte, tanto Ramires quanto Oscar perderem chances claras de gols, por não finalizarem tão bem quanto atacantes de ofício.

Oscar foi “sacado” na volta para o segunda tempo, tendo o veterano Drogba em seu lugar. Diego Costa outro principal atacante blue se recupera de lesão. O atual Chelsea está se notabilizando por ser um time que faz poucos gols. Segundo levantamento do periódico espanhol El País, os blues são o segundo time que menos anota gols dentre os atuais primeiros colocados, das principais ligas nacionais europeias.

O Chelsea, só perde o posto de time menos goleador para a Juventus, líder da Série A italiana que anotou 60 gols na temporada. Os ingleses anotaram 65 gols. Noutras palavras, o Chelsea se equaliza perante um time italiano, onde a cultura futebolistica é naturalmente defensivista. Para se ter uma ideia, os líderes da lista dos times mais goleadores que lideram suas ligas são Barcelona, líder de La Liga com 91 gols marcados e o já campeão alemão FC Bayern, com 77 tentos anotados.

As provocações gunners foram inúmeras, dentre elas os ditos do atacante galês Aaron Ramsey, que afirmou que os blues serão campeões porque se tornaram especialistas em “estacionar o ônibus” na frente da área. Ramsey se referiu à expressão usada por Mourinho antes do confronto contra o Atlético de Madrid, nas semifinais da Champions League 2013/2014. Mou pretendia vencer “parando um ônibus” na frente de sua área. Os colchoneros espanhois eliminaram o Chelsea naquela ocasião e foram à final.

O El País ressaltou os gritos da torcida do Arsenal no último domingo entoando “boring, boring Chelsea”, que quer dizer algo como “chato, chato Chelsea”, em alusão ao jogo feio e defensivo dos blues. A expressão no entanto, antigamente era usada para descrever o “futebol feio” do próprio Arsenal, no periodo em que foi treinado George Graham entre 1986 e 1995. Jogando feio, os gunners venceram a Premier League 1988/1989.

Historicamente, o Arsenal mudou sua característica de jogo nos anos 2000, quando o próprio Arsene Wenger assumiu o comando técnico do clube. O jogo ofensivo proposto pelo treinador francês, valendo-se de jogadores de qualidade como Dennis Berkgamp, Robert Pires e Thierry Henry, contradisse o “Boring, boring Arsenal”. O ápice foi o título invicto da Premier League 2003/2004 e o vice-campeonato da Champions League em 2005/2006.

O Chelsea está prestes a vencer a quinta Premier League de sua história, terceira sob comando de Mourinho. A última conquista do torneio aconteceu em 2009/2010, sob comando de Carlo Ancelotti. Os blues visitam o Leicester City na quarta-feira em partida atrasada da vigésima sétima rodada.

Foto de Mourinho durante o confronto contra o Arsenal no domingo: Eddie Keough – Reuters.