Após a eliminação da Champions League diante do rival Real Madrid, na última quarta-feira, o técnico do Atlético de Madrid, Diego “cholo” Simeone sofreu duras críticas proferidas pela imprensa espanhola.

Simeone vinha sendo enaltecido por devolver ao clube rojiblanco uma grandeza digna de sua tradição. A derrota diante dos blancos foi descrita enquanto a pior desde que Simeone assumiu o comando técnico do clube, em dezembro de 2011.

O periódico espanhol El País, que já fazia uma velada campanha contra o atacante croata Mario Mandzukić, usou sua escalação como titular enquanto erro principal de Simeone perante o Real Madrid. Utilizar Mario ao contrário de Fernando Torres, na perspectiva do periódico foi a contradição mortal.

Priorizando o croata como titular, Simeone renegou a principal característica colchonera do jogo baseado em contra-ataques rápidos. Segundo levantamento do El Pais, Mandzukić se movimentou apenas nos 30 metros finais de campo, diante do Real Madrid. O croata não conseguiu finalizar nenhuma vez.

A grande verdade é que Carlo Ancelotti proporcionou um “nó-tático” em Simeone, só traduzível se utilizarmos o jargão futebolístico do português brasileiro. A escalação dos três zagueiros (Pepe/S.Ramos/Varane) foi inesperada. Como uma peça central que se movia entre a linha de defesa e o meio-campo, Sergio Ramos anulou Mandzukić.

Talvez, utilizar “el ninõ” Torres como titular, realmente fosse um erro, uma vez que o atacante colchonero é mais leve e acabaria sufocado em meio aos defensores blancos. Quem jogou nos contra-ataques foi o Real Madrid e o Atlético não tem peças equiparáveis a James Rodriguez e Cristiano Ronaldo, no campo ofensivo.

As críticas de Rumenigge.

Na última quinta, Simeone afirmou que repetiria a escalação que utilizou contra “el Madrid” e foi sereno ao afirmar a maneira como recebeu as críticas. Karl Heinz Rumenigge, ex-jogador e atual presidente do FC Bayern, afirmou que ficou satisfeito com a eliminação do “Atléti”. Isso pelo fato dos colchoneros atuarem de forma exageradamente defensiva.

Rumenigge afirmou que os rojiblancos jogam “outra coisa”, que não futebol. “Cholo” também foi elegante afirmando que se surpreendeu com a declaração de alguém que “enquanto futebolista, possuía características que o encaixariam perfeitamente na forma de jogar do Atlético de Madrid”. Simeone humildemente não parece diferente daquele treinador que enfatizava o “jogo a jogo”, “partida a partida”.

“Cholo” afirmou que o grande objetivo do Atlético é a manutenção do terceiro lugar na tabela de La Liga, algo que lhe garante vaga direta para a próxima Champions League. Simeone é o mesmo e o Atlético é o mesmo clube e declara abertamente, que não pode competir com potencias futebolísticas financeiramente desmedidas.

O doloroso é que a sequencia de um título por temporada que Simeone vem obtendo desde 2012 junto ao “Atléti”, não irá se repetir ao fim desta. O objetivo maior é o terceiro posto de La Liga, mas o clube já está eliminado tanto da CL, quanto da Copa Del Rey.

O Atlético de Madrid volta a campo pela liga espanhola neste sábado às 13 hr (hr de Brasília). Os colchoneros recebem o Elche pela trigésima terceira rodada de La Liga. No Brasil o campeonato espanhol está sendo transmitido pela ESPN e Sports +.

Foto de Simeone contra o Real Madrid na última quarta: Alejandro Ruesga.