Rússia, sede da Copa e país que mais mata jornalistas

Um alerta enviado por um colega inglês do The Times, Ben Smith: a Rússia, país com o qual a Fifa decidiu se aliar ao vender a Copa de 2018, é o lugar onde mais se mata jornalistas em busca da verdade. Foram quase 400 nos últimos 15 anos – mais do que qualquer país em guerra ou mesmo a soma de muitos deles. Antes de pensar em bobagens de argumentar que a Fifa “optou por novos mercados” ou que a entidade quis a Copa na Cortina de Ferro, leia a lista. A Fifa negocia com assassinos. Segundo os dados revelados pelo Wikileaks, a diplomacia mundial trata a Rússia como sendo um “estado mafioso”. Vendo a lista é bem difícil conseguir se enganar para achar o contrário. Depois de fazermos uma Olimpíada na China, país com o pior recorde de respeito aos direitos humanos e ecologia, entregamos a Copa a um outro governo celerado. A Copa do Mundo perde cada vez mais a graça.

Anteriores

Mau cheiro cresce ao redor da Fifa

Próximo

Andres Sanchez em dois anos

8 Comments

  1. Cassiano Gobbet

    O filósofo grego Castoriadis argumentava que se a sociedade não cai para o caos completo é por causa de uma pequena parcela dela formada por pessoas com princípios que sofrem incrivelmente para mantê-la em pé. O Saviani é um desses exemplos, assim como a Anna Politkovskaya (jornalista russa anti-Putin assassinada na Rússia), o Ahmed Massoud (líder afegão que expulsou os Soviéticos e lutava contra o Taleban). São pessoas que lutam batalhas perdidas porque algo dentro delas exige que façam isso. Sem elas, Boni, a humanidade estaria irremediavelmente perdida e condenada à extinção. abs

  2. Cassiano Gobbet

    Argumento pobre, Boni. “Todos os países tem problemas” é irmão do “rouba mas faz”. As escolhas da Fifa são de democracias incipientes, com infraestrutura em crescimento, altas taxas de corrupção, legislação frágil ou ainda não-consolidada. África do Sul, Brasil, Rússia e Qatar seguem à risca o modelo. Inglaterra, Holanda e Bélgica, Espanha e Portugal, estados Unidos, não. Exemplo: Madri tem 90% da infraestrutura necessária para uma Olimpíada já pronta. O Rio tem 0%. Onde vc acha que dá para superfaturar mais obras? abs

  3. Cassiano Gobbet

    Digo, digo a mesma coisa que disse ao Rafael. Não compre esse discurso de tapete vermelho. Gente rica tem tapete vermelho em qualquer lugar. A vantagem de países com democracias sólidas é que criminosos vão para a cadeia com mais frequencia desde que tenham sua culpa provada. abs

  4. Cassiano Gobbet

    Rafael, não confunda alhos com bugalhos. A Inglaterra é uma democracia sólida e por isso é que milionários vão para lá – porque legalmente é mais difícil manda-los para a cadeia através de maracutaias. Dinheiro em Cayman ou Caribe está sempre sujeito a uma falcatrua diplomática. Tributariamente a Inglaterra cobra mais do que outros países mas oferece segurança por conta de um sistema legal sólido. Não há país sem dinheiro sujo, fato, mas há países com mais impunidade que outros. abs

  5. Diogo Terra

    Bem lembrado, Rafael: a Inglaterra ficou com banca de honesta só porque a BBC denunciou as falcatruas da FIFA? É claro que não. Claro que acho que a escolha das sedes foi mais suja desta vez do que nunca, mas é duro engolir a exaltação a um país que estende tapete vermelho para lavadores de dinheiro – e inferniza a vida dos estrangeiros meros mortais que vão para lá só para trabalhar.

  6. Rafael Canova

    Mas é bom lembrar que muitos desses mafiosos que infestam a Rússia, vão gastar suas fortunas na… INGLATERRA. Inclusive sendo donos de times da Premier League.

    O mesmo dinheiro sujo que fez a Copa ir pra Rússia e o mesmo petrodolar que fez a Copa ir pro Qatar, garantem o forte mercado da EPL. Cabe essa reflexão aos ingleses.

  7. Boni dos Santos

    explicando..
    é claro que quando escrevo “detalhes” nao me refiro as mortes, mas ser jornalista num país onde o estado é totalmente rendido a máfia – e suas sub-filiais – não dá neh, é suicidio. Veja o Saviano, será que valeu a pena? será que a mãe dele é feliz? Ele é cultuado em Napoli? vai virar mártir? Eu não montaria um quiosque no litoral da Indonésia se eu soubesse que haveria tsunami…

  8. Boni dos Santos

    Assim fica dificil escolher uma sede né. TODOS OS PAISES TEM PROBLEMAS. O problema todo é a $ que rola solta nos bastidores e define as sedes, isso sim é sujo! mas pegar uma lupa e afirmar que “ali nao pode porque ha recordes de afogamentos” ou “lá não pode porque é número 1 em contrabando de CD pirata e fraldas descartaveis” já é demais neh…é claro que não dá pra ser no Haiti, mas implicar com todos os países por detalhes nao vale.

Os comentários estão desativados.

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén

Top