O Valdiviagate e Ronaldinho quase palestrino

Breves palavras: tudo que envolve Valdivia e Palmeiras está errado. Sua primeira passagem com status de craque, a invenção do infeliz apelido de “Mago” para um jogador nota 5,5, sua saída com status de craque, seu retorno milionário, sua indisposição de aceitar ser o coadjuvante que ele é, a condução de seu tratamento, suas lesões e as opiniões de diretores do Palmeiras que não têm condição de gerenciar uma barraca de pipocas. Tudo está errado. E o tamanho do erro poderia se decuplicar com a chegada de Ronaldinho que tem valores irreais para o mercado brasileiro, embora não tenha mais o futebol que cobra. O Palmeiras voltou à capacidade gerencial que tinha nos anos 80, com o agravante do aumento da influência das torcidas organizadas. Hugo Palaia, neoaliado de Ricardo Teixeira, é um símbolo indiscutível dessa “Nova-Velha” face palmeirense. Palaia é para o Palmeiras o que Andres Sanchez é para o Corinthians – só que com uma capacidade de raciocínio bastante menor. É difícil imaginar até quando Felipão vai aguentar ver seu currículo sendo depauperado por essa gente.

Anteriores

Milton Cruz o “expert” em contratações, Beckham e afins

Próximo

Amigo de Wagner Ribeiro quer ser presidente do SPFC

13 Comments

  1. Cassiano Gobbet

    O senhor de 80 anos definiu bem a questão. Na verdade, o Corinthians tb faz isso com uma série de jogadores. Claro, para não falar de Flamengo e Atlético-PR. abs

  2. Cassiano Gobbet

    A imprensa alagoana está certa de que o Gaúcho desembarca no CRB. abs

  3. Cassiano Gobbet

    Isso. Rubens Pomada será o primeiro reforço. abs

  4. Cassiano Gobbet

    O Palmeiras é isso. Está no DNA do clube. abs

  5. Cassiano Gobbet

    Esse é o pior problema das parcerias. Quando elas acabam, não sobra nada. E isso é regra, porque os cartolas não querem construir patrimônio: querem que a torcida não encha o saco e embolsar um por fora. abs

  6. Raphael

    Hahahaha, não sou palmeirense mesmo. É que como o cenário do Palmeiras é caótico, cheio de brigas e intrigas, não ficaria surpreso da volta do grupo do Mustafá, ou até mesmo o próprio, ao poder palestrino.

  7. Gilson

    Esse é o melhor post que já li na minha vida. Simplesmente espetacular!

    Lá pelo meio do ano passado, ouvi uma divertidíssima conversa entre torcedores no Morumbi. Um grupo razoavelmente grande lamentava as escassas possibilidades de mais um título tricolor – do Morumbi! – no Brasileirão.

    Depois de uns cinco minutos de argumentos de todos os tipos, até os mais esotéricos!, um senhor de uns 80 anos aproximou-se e disse que até que o São Paulo estava bem, pois a torcida e diretoria ainda não haviam transformado jogadores comuns, como Valdivia, em craques.

    A discussão parou ali. Acho que o simpático senhor é do grupo do JJ.

    E tenho que dizer que, para infelicidade do meu irmão e do Pedro, meu sobrinho que virou palmeirense mesmo com a minha “leve” influência para que fosse sãopaulino, esse pessoal do Palmeiras é bem fraquinho.

    E, para encerrar, deixo meu testemunho que é muito, mas muito complicado gerenciar um carrinho de pipoca.

    Já fiz um MBA e um belo dia um professor de Marketing Estratégico, na primeira aula, disse que com ele tudo iria caminhar diferente, e que naquela matéria não teríamos a mamata de salas confortáveis, ar condicionado, notebook ligado no meio da aula para alguns alunos baterem papo no MSN etc.

    Todo mundo iria – e foi! – para a rua! Fiquei incumbido de gerenciar um carrinho de cachorro-quente. Nunca trabalhei tanto na minha vida!

    Achar diferenciais em um negócio grande é complicado, mas você tem uma série de pessoas e dados disponíveis. Na rua é tudo bem, mas bem mais complicado!

    Esses cartolas brazucas, com uma ou outra exceção, são completamente incapazes de gerenciar um carrinho de pipoca. Isso eu digo com conhecimento de causa.

  8. Diogo Terra

    O Raphael e seu quase-xará não são palmeirenses… 🙂

  9. O mais curioso nesse retorno de Ronaldinho ao Brasil é o comportamento da imprensa de alguns estados:
    No Rio, se fala do gaúcho no Flamengo;
    Em SP, o Palmeiras parece o destino mais certo;
    E no Sul, o milanista já teria acertado salário com o Grêmio.
    No entanto, até onde eu saiba, o único clube que realmente fez uma proposta financeira ao Milan é o LA Galaxy. E, para os italianos, certamente vender é melhor do que dar de presente.
    Por outro lado, Assis já deu a entender que não quer ver seu irmão se transferindo para um futebol pouco competitivo como o da MLS. E, por enquanto, essa é a maior esperança dos clubes brasileiros.

  10. Raphael

    Olha o Mustafá ai gente!

  11. Rafael Borges

    Fiquem tranquilos que o grupo de Mustafá vai voltar ao comando pra arrumar a casa.

  12. Boni dos Santos

    Vendam o clube, abram as portas!
    Senao o Palmeiras vai continuar um barril de pólvora, aliás, o maior barril de pólvora do Brasil, mais até do que o Atletico/MG.
    E nao são esses magnatas burgueses ultrapassados filhos de calabreses/libanêses de São Paulo que vão dar jeito nisso!

  13. O que mais intriga é que não fico nada de legado da era da Parmalat. Aliás, se a empresa italiana resolvesse fazer a mesma coisa que fez em 1992 e investir num clube, iria para a Portuguesa dada a confusão que é o Palmeiras.

Os comentários estão desativados.

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén

Top