Comentando a seleção: Thiago Silva

O ex-jogador do Fluminense certamente seria uma contratação num time apostando para o futuro. “Mas ele já é uma realidade, um monstro”. Menos. Thiago é um grandíssimo, certamente, mas ainda carece de maturação. Ele é muito rápido para a posição, tem grande impulsão e se posiciona bem, mas ainda é mediano quando rege a defesa, prefere a caça ao adversário à cobertura e às vezes é atacado pelo vírus nefando da “lucite” (doença do zagueiro Lúcio, que anima-se indo ao ataque em busca de glórias deixando a defesa desguarnecida). Sorte do Brasil que Thiago Silva ainda se acha Thiago Silva, enquanto Lúcio se acha um Beckenbauer melhorado.

Ele não é um gigante (1m83), mas tem só 79 kgs (de músculo e não peso “de retenção hídrica” ou bobagens afins). A configuração dá a Thiago uma condição espetacular de se recuperar na velocidade indo buscar o rival. Com a sua técnica (poderia tranquilamente ser um jogador de meio-campo), garante boa saída de bola e até ajuda ao meio e ataque com a posse de bola.

O ponto fraco de Thiago se vê quando ele não joga ao lado de Nesta. Dirão os tricolores cariocas que no Brasileiro e na Libertadores ele era um monstro. Sim, verdade, mas os dois torneios não só têm um nível técnico inferior como (e principalmente) um ritmo mais baixo. Em Portugal e Rússia, não exatamente dois campeonatos dificílimos, ele foi modestamente. Mesmo no Milan, ele joga muito mais quando tem Nesta como tutor, porque o italiano é um monstro na regência da defesa. Se Nesta tiver condição física de jogar mais uma temporada, Thiago tirará grande vantagem. Tem tudo para vir a ser o melhor zagueiro do mundo.

Anteriores

Porque o futebol italiano faliu, por Fabrizio Bocca

Próximo

O canto da mala que se acha

4 Comments

  1. Raphael

    ele tem tudo pra ser um dos grandes zagueiros da história da seleção brasileira, pelo menos pra mim, tem enorme potencial

  2. Lucite foi ótima.

  3. Fernando Brito

    O Thiago não foi bem contra o United. Após falhar na marcação do Rooney no terceiro gol dos ingleses em San Siro, deu a bola para o Nani no lance do segundo gol em Old Trafford. Ainda assim, tem futebol para liderar a zaga da Seleção no próximo ciclo.

    P.S. O outro comentário deveria ter sido feito no post acima. Foi mal.

  4. Fernando Brito

    Esse fenômeno sazonal influencia até mesmo seres usualmente racionais. No Cartão Verde de ontem, Sócrates e Xico Sá elogiavam o resgate da essência do futebol e lamentavam que o grande time do Brasil não dispute o torneio continental. O Doutor chegou ao ponto de sugerir que cada país deveria escolher arbitrariamente seus representantes na Libertadores a fim de que o “melhor time do momento” fosse acomodado, enquanto o escritor cearense afirmou não ver diferença entre o nível daquele torneio e o da Copa do Brasil.

    A razão para esses rompantes estava no massacre do Santos contra o Naviraiense na véspera, de longe o evento mais importante num dia que abrigou ainda jogos envolvendo Real Madrid, Milan e Manchester United.

Os comentários estão desativados.

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén

Top