Diego

Diego parece definitivamente riscado da lista dungal, e mesmo na Juventus, seu futebol esmaeceu nas últimas rodadas. Um debate se gerava em torno de Kaká e Diego quando o primeiro aparecia no São Paulo e o segundo no Santos, sobre qual seria o melhor. Hoje é possível ver como a discussão era infértil. Kaká é o melhor do mundo na posição e Diego proporciona um lusco fusco, jogando bem em times médios como o Werder. Para dar certo na Juventus e no futebol italiano, Diego – que começou a temporada sob aplausos – precisa se dar conta que a marcação italiana é implacável. É a mais dura do mundo, mesmo com o futebol em baixa. Se quiser jogar, Diego tem de correr mais. Nisso, ele me lembra um pouco Alex, hoje no Fenerbahce: oceanos de talento limitados por uma mobilidade frágil. Excelentes em ligas que exijam menos fisicamente, mas que não conseguem fazer o salto entre o bom jogador e o fora de série.

Anteriores

Ronaldo na Seleção

Próximo

O modelo alemão

9 Comments

  1. Só uma correção: “A meu ver…”

  2. Alexandre

    Ele não tem a técnica apuradíssima e muitas vezes se dispersa do jogo, mas nessa função de armar e encostar nos atacantes, poderia sim a meu ver ter mais chances na Seleção. Acho ainda pouco tempo para avaliá-lo na Juve (vi poucos jogos), vamos aguardar.

  3. Gilson

    Fico mais ou menos no meio termo entre a opinião de vocês dois. Não tenho certeza de que ele um dia possa chegar a ser o cara em uma equipe do porte da Juve – ou, como na música de abertura do desenho do Manda-Chuva, the undisputed leader of the gang.

    Mas creio que você talvez devesse considerar algumas coisas na tua análise, Cassiano. Sempre vi o Diego como um organizador de meio-campo, o cara para mudar o ritmo do jogo, lançar os atacantes etc. E na Juventus atual ele paga o preço de alguns desacertos, digamos assim, ocorridos na montagem da equipe.

    Acredito que ele paga pelo fato do atual elenco bianconero não possuir ninguém com as características de segundo atacante para abrir alguns espaços para a chegada dele – os laterais também não auxiliam muito nesse quesito -, o que acaba afunilando muito o jogo; pelo fato de que sem Del Piero e Camoranesi a função de criar fica totalmente restrita a ele; e, finalmente, pela exageradíssima expectativa criada em torno de seu talento.

    O cara é realmente bom, mas não está no mesmo plano do Kaká, por exemplo. Assim, é bom a Juventus abrir o olho e tratar de criar logo um ambiente onde Diego possa exprimir melhor seu talento. Resta saber se tem gente lá está enxergando isso. Pelo que ando vendo nas últimas janelas, tenho sérias dúvidas se existe alguém com essa capacidade na atual admninistração bianconera.

  4. Cassiano Gobbet

    Michel, respeito sua opinião, mas gostando mais ou menos dos que você citou, todos (exceto o Amauri) já deram provas de que estão (ou estiveram) à altura da Juventus. Acho que o Diego tem o talento, mas não tem a determinação. Concordo, contudo, que na Juve ele tem a cartada final – positiva ou não. abs

  5. Discordo, Cassiano.
    Diego é bom o suficiente para ser jogador da Juventus. Dentro de sua função, ele é tão bom ou melhor que Trezeguet, Camoranesi, Amauri e outros. Ao meu ver, a pergunta deveria ser se ele é bom o suficiente para ser o protagonista de um time como a Juve.
    Aí a coisa muda de figura. É uma responsabilidade muito grande. O maior teste de sua carreira.
    Abs

  6. Cassiano Gobbet

    Não acho o Diego um grande, nem world class. Acho-o perfeito para o Werder, para uma Roma ou para um Benfica, mas não é jogador para a Juventus – ou pelo menos ainda não mostrou isso. A fixação em Diego por parte da imprensa é filha da mesma obsessão por Robinho: saíram daqui muito cedo e depois de campeonatos fabulosos no Brasileiro. Quando desafiaram campeonatos mais difíceis, não atenderam às expectativas. Mas daí, já estavam lá e de um modo geral, a imprensa acompanhar futebol internacional é um fato muito recente.

  7. Gilson

    Acho Diego um ótimo jogador que em alguns momentos brilha de maneira intensa. O curioso vem sendo notar uma certa mobilização da imprensa brazuca, ou de parte dela, para uma convocação imediata do ex-santista. Até aqui acho que ele ainda não fez tanto assim na Juventus para merecer essa distinção.

  8. Acho que ainda é cedo para cravar o que será de Diego no Calcio. Considero-o um worldclass, mas não um craque. Com a devida adaptação, acho que ele pode fazer muito pela Juventus.
    O mais importante é que não cobrem dele um futebol de Platini ou Zidane. Não é assim que as coisas funcionam.
    Abs

  9. Boni dos Santos

    perfeito

Os comentários estão desativados.

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén

Top