O Barcelona visita o Arsenal na Inglaterra nesta terça-feira, em partida de ida válida pelas oitavas de final da Champions League. Entretanto, um desfalque confirmado é o do meia turco Arda Turan, em virtude de uma suspensão automática referente a expulsão na última partida disputada pelo jogador, na última edição do torneio.

Arda Turan foi expulso jogando pelo Atlético de Madrid, em partida das quartas de final da última CL, disputada pelos colchoneros contra o Real Madrid. Na ocasião, o Atlético acabou eliminado. O turco foi contratado pelo Barcelona, ainda antes da temporada 2015/2016 se iniciar.

Porém, devido a punição imposta pela FIFA que impedia os culés de inscreverem novos jogadores durante 2015, Turan só fez a sua estreia no último mês de janeiro. O periódico espanhol El País ressaltou que desde o início de janeiro, Turan foi relacionado 12 vezes pelo técnico Luís Enrique, tendo sido titular em oito ocasiões, das quais, atuou por 90 min em quatro.

O meia só não saiu do banco de reservas no confronto do Barça contra o Levante ocorrido em 07/02, válido por La Liga. O El País destacou a versatilidade de Turan, disposto em campo por Luís Enrique no meio-campo blaugrena, seja pela esquerda, seja pela direita. Isso como segundo volante ou como externo.

O El País vê Turan com olhos críticos, descrito enquanto um “patinho feio” em meio à Iniesta, Rakitić e ao supracitado trio “MSN” (Messi/Suárez/Neymar). O jornal espanhol destaca também a substituição do turco no intervalo da vitória diante o Las Palmas (2×1), na rodada de La Liga, do último fim de semana.

Em contraparte, Luís Enrique afirmou publicamente em coletiva que apenas tirou Arda de campo, devido ao cartão amarelo que ele já havia recebido.

Polivalência e disposição física.

Embora a contratação de Arda tenha sido utilizada como alvo de ataque das chapas opositoras ao presidente culé Josep Maria Bartomeu, o meia turco é sim um diferencial pleno em relação às outras opções à disposição de Luís Enrique em seu plantel. Turan pode ser utilizado de forma ambi-destra em diversos setores do meio-campo.

O meio-campista turco demonstra ainda maior vigor físico em relação à Iniesta, Rakitić ou Messi, jogadores fisicamente leves. Arda Turan também possui um senso tático/técnico acima da média, o que lhe garante virtudes no jogo sem bola, e no posicionamento.

Turan é o homem a mais no campo de defesa culé, em caso de perca da posse de bola. À direita cobrindo os avanços de Daniel Alves, à esquerda os de Jordi Alba. Sem exagero algum, Turan pode cumprir uma função que antigamente cabia a Xavi, a de reter a posse de bola no meio-campo, cadenciando o jogo quando preciso.

O meia passou a chamar atenção com apenas 22 anos, atuando como externo-esquerdo ofensivo, no time da Turquia que disputou a EURO 2008. Os turcos acabaram em terceiro lugar. Jogava assim quando chegou ao Atlético de Madrid em 2011, vindo do turco Galatasaray. Turan formava um tridente ofensivo colchonero com o brasileiro Diego (ex-Santos) e o colombiano Falcao Garcia.

Devido ao seu porte físico, Diego Simeone viu como oportuno, postar o meia turco de forma mais recuada, setor onde vinha desempenhando bom papel nas últimas temporadas. Por outro lado, Turan passou a marcar menos gols. O El País ressalta que em quatro temporadas no “Atleti”, Turan só anotou mais de 5 gols na temporada 2013/2014 (9 tentos). Foi exatamente a temporada em que o time rojiblanco venceu La Liga e foi vice-campeão europeu.

Turan ainda não anotou gols pelo Barcelona, mas já contabiliza três assistências para gol, duas por La Liga e uma em partida da Copa Del Rey. A pausa forçada de praticamente um semestre, o segundo de 2015, também foi interessante. O meia vinha convivendo com lesões, devido ao acúmulo de minutos jogados em seus últimos meses de Atlético.

Devido ao ofensivismo do modo de jogar do Barcelona, Turan tem sido analisado da forma equivocada. O meia é uma peça de valor, no aspecto defensivo. A estreia do turco pelo Barça na CL porém, só ocorrera na partida de volta contra o Arsenal.

Imagem de Arda (de azul) contra o Las Palmas, no último sábado: Jaime Reina – AFP