“Sozinho no escuro
qual bicho-do-mato,
sem teogonia,
sem parede nua
para se encostar,
sem cavalo preto
que fuja a galope,
você marcha, José!
José, para onde?”

(Carlos Drummond de Andrade)

Em meio a um início desastroso de temporada, o inglês Chelsea anunciou nesta semana que se encerra, a chegada do meia-atacante espanhol Pedro Rodríguez. Titular absoluto na equipe do Barcelona até a chegada de Neymar em 2013, Pedro perdeu espaço definitivamente na equipe “culé”, tendo sido reserva na última temporada.

Os blues dispenderam 27 milhões de Euros pelo meia-atacante, também titular da seleção da Espanha. O valor pode chegar a 30 milhões se cumpridas metas referentes à cláusulas extras que garantem os 3 milhões complementares. O atacante era disputado pelos blues com os dois times de Manchester, United e City.

Ainda assim é com alguma estranheza que o Chelsea atual campeão inglês, é observado uma vez que Pedro é a primeira aquisição relevante do clube, nesta janela de transferências. O técnico José Mourinho havia afirmado ainda em junho que o clube não faria uma atuação enfática, durante esta janela de transferências.

A estranheza se ressalta, sobretudo quando o periódico espanhol El País contabiliza cerca de 900 milhões de Euros gastos por Mou, entre 2004 e 2014. Neste período de dez anos o treinador passou pela primeira vez pelo Chelsea, depois por Internazionale e Real Madrid. É claro, que há atualmente o fair play financeiro imposto pela UEFA e o Chelsea já foi até elogiado, pela forma como tem conduzido seus gastos. Porém, um momento comedido de Mourinho sôa incomum, lembrando que a janela de transferências se fecha em 31 de agosto.

Até Pedro ser anunciado a principal aposta blue foi o atacante colombiano Radamel Falcao Garcia, que chegou mais por currículo do que por bom futebol. Falcao Garcia jogou a última temporada na Premier League, emprestado pelo Monaco ao Manchester United. O atacante se recuperava da lesão que o tirou da última copa do mundo e paralelamente tentava se adaptar ao futebol inglês, algo que não aconteceu plenamente. O colombiano ainda pertence ao Monaco, seguindo emprestado agora ao Chelsea.

Cobra-se também uma maior preponderância do compatriota de Falcao, Juan Cuadrado adquirido no começo de 2015. Cuadrado segue como opção no banco, uma vez que os meias-ofensivos utilizados por Mourinho ainda são Eden Hazard, Oscar (recuperando-se de lesão) e Willian. Com Pedro que pode atuar no ataque, ou numa linha de três meias ofensivos de um 4-2-3-1, Cuadrado ganha mais um concorrente.

Setor defensivo.

Também nesta semana que se encerra, o Chelsea acertou a vinda do lateral ganês Baba Rahman de 21 anos, que pertencia ao alemão Augsburg. Rahman custou 20 milhões de Euros, sendo que os blues se viam sem suplentes para as laterais, posições em que os titulares são Ivanovic (direita) e Azpilicueta (esquerda). O clube inglês negociou o lateral-esquerdo Filipe Luís, que retornou ao Atlético de Madrid.

Ainda na parte defensiva, o capitão John Terry (34 anos) deve inegavelmente ser relegado à uma preponderância menor, devido a nítida idade avançada. Zouma deve ganhar sua posição, como já ocorreu após o intervalo na derrota contra o Manchester City, no último fim de semana. Na imprensa inglesa repercute-se o interesse dos blues no jovem zagueiro John Stones, destaque do Everton.

Início nebuloso.

Na temporada 2015/2016 Mourinho elenca seis partidas onde perdeu cinco e empatou uma. O Chelsea não venceu na International Champions Cup, onde enfrentou New York Red Bulls, PSG e Barcelona. Perdeu a decisão da Supercopa da Inglaterra para o também londrino Arsenal. Foi a primeira vitória da carreira do treinador gunner Arsene Wenger, sobre Mourinho.

Pela recém iniciada Premier League, houve um empate contra o Swansea City (2×2) e a derrota para o Manchester City (3×0), no último fim de semana. Nos últimos nove confrontos entre Chelsea e City, os citzens haviam perdido quatro jogos, empatado três e ganhado apenas duas. Isso além o chilique em relação à dra. Eva Carneiro, protagonizado por Mourinho numa presepada extra-futebolística.

Precisando da vitória e ostentando apenas um ponto em seis possíveis, o Chelsea volta a campo no domingo pela terceira rodada da Premier League. Os blues visitam o West Bromwich Albion às 9:30 hr da manhã (horário de Brasília).

Imagem de Mourinho: Rui Vieira – AP