Cassano e cláusula “anti-cassanata”.

1439046809_310671_1439053283_noticia_normal

“Cassanata” é o termo inventado pela imprensa italiana, para nomear presepadas protagonizadas pelo atacante italiano Antonio Cassano. Aos 33 anos, Cassano retomará a carreira pela Sampdoria de Gênova, que disputará a Série A italiana 2015/2016. O atacante esteve “de férias” pelos últimos sete meses, após romper vínculo com o falido Parma.

Sua última partida oficial ocorreu em janeiro deste ano, vestindo a camisa da equipe de Ennio Tardini contra o Cesena. Cassano atuou pela Sampdoria entre 2007 e 2010, regressando ao futebol italiano após jogar por dois anos pelo espanhol Real Madrid. Na primeira passagem pelo clube genovês, protagonizou “cassanatas” junto ao então presidente do clube Riccardo Garrone, com quem se desentendeu.

Naquela ocasião, o clube simplesmente se desfez do atacante, excluindo-o do grupo. Foi aceito pelo Milan no início da temporada 2010/2011 e Cassano desempenhou papel importante no elenco rossonero, que acabou campeão daquela edição da Série A. Cassano, Alexandre Pato e um já veterano Pippo Inzaghi gravitavam em torno de Zlatan Ibrahimović.

O fim daquela passagem pelo Milan culminaria com um incomum problema sofrido pelo atacante, no decorrer do primeiro turno da temporada 2011/2012. Cassano foi vítima de uma isquemia, conseguindo porém recuperar-se a tempo de integrar a seleção italiana, vice-campeã da EURO 2012.

Retorno à Samp.

A alguma semanas o treinador Walter Zenga declarou publicamente que nem se daria ao luxo de realizar sua estreia, caso Cassano fosse contratado pela Sampdoria. O clube pensava em ter o atacante novamente para substituir o camaronês Samuel Eto’o, que por sua vez teve uma passagem relâmpago por Gênova.

Zenga afirmou à imprensa italiana no decorrer de julho, que “seu projeto” incluia os atacantes Eder, Muriel, Correa, Bonazzoli e Okaka. O atual presidente Massimo Ferrero declaradamente queria o “fantasista de Bari”, por mais que Zenga fosse contrário à ideia. Cassano foi revelado pelo Bari e ganhou projeção no começo dos anos 2000, integrando a Roma então comandada por Fabio Capello.

Na última temporada, o treinador Sinisa Mihajlovic deixou a Sampdoria na zona de classificação para competições europeias, ao fim da última edição da Série A. Mihajlovic foi para o Milan e Zenga foi incapaz de levar a Samp adiante na Europa League, já em sua edição 2015/2016.

O clube de Gênova foi derrotado pelo sérvio Vojvodina no jogo de ida por 4×0 e só conseguiu obter uma vitória por 2×0 na partida de volta, em Gênova. A eliminação nas preliminares da EL, somada à negociação do atacante Okaka Chuka, fizeram com que Zenga mudasse de ideia.

Cassano expressou alegria por voltar à Sampdoria e disse já pensar em trabalhar na gestão esportiva ou comissão técnica de clubes num futuro próximo. Segundo o periódico espanhol El País, repercutindo informação da revista italiana Chi, Cassano confirmou ter recusado proposta do Bari que o revelou, e que disputa a Série B.

O novo vínculo de Cassano prevê duração de duas temporadas e um valor a receber em torno de 700 mil Euros anuais. A possibilidade de comportamentos irascíveis, prevê um direito a rescisão contratual por parte do clube contratante livre de qualquer tipo de multa rescisória, em caso de “atitude rebelde” por parte do contratado. Trata-se da cláusula “anti-cassanata”.

Imagem de Cassano ainda atuando pelo Parma: Alessandro Garofalo – Reuters