Por mais que o Paris Saint-Germain seja eliminado da Champions League, a atual temporada do meia Javier Pastore não pode ser colocada em segundo plano. O meia argentino que custou 42 milhões de Euros ao PSG em 2011, era visto enquanto superestimado. E posteriormente, acabou ofuscado por outros atletas de valor vultuoso, tais quais Ibrahimović, Cavani e Thiago Silva.

Na atual temporada Pastore encontrou seu lugar no time parisiense, tendo se tornado também o “enganche” favorito de Gerardo Martino, no time titular da seleção argentina que provavelmente disputará a próxima Copa América em junho.

No passado, Pastore foi revelado pelo argentino Talleres de Córdoba. Ainda em sua juventude, o espanhol Villarreal e o francês Saint Étienne demonstraram interesse em seu futebol, mas o descartaram por ser demasiado franzino. O talento de Pastore então com 18 anos, passou a chamar a atenção no Huracán de Buenos Aires entre 2007 e 2008, mesmo com o meia tendo problemas no tornozelo.

O futebol de Pastore floresceu apenas sobre o comando do treinado argentino Angel Cappa, que conduziu o Huracán a uma boa campanha no Torneio Clausura de 2009. Pastore chegaria à Europa, contratado pelo italiano Palermo por apenas 7 milhões de Euros. No clube siciliano, foi treinado pelo técnico Delio Rossi que o colocou como um segundo atacante, gravitando ao redor do ainda jovem uruguaio Edinson Cavani. Ambos se re-encontrariam no PSG alguns anos depois.

Quando o PSG passou a contar com aporte financeiro de investimento árabe em 2011, Pastore foi sua primeira contratação vultuosa, custando 42 milhões de Euros. O meia estava valorizado até por ter disputado o Mundial 2010 pela seleção da Argentina.

Em Paris.

A medida que o PSG foi adquirido mais atletas caros como Ibrahimović, Thiago Silva, Lavezzi, Lucas e Cavani e/ou com mais “grife” como David Beckham, o espaço de Pastore foi diminuindo. Durante o período conduzido pelo treinador Carlo Ancelotti, Pastore foi “engessado” na meia esquerda, sofrendo inclusive com cobranças publicas de Carletto.

O ex-atleta do PSG e dirigente do clube na época, Leonardo era o principal defensor de Pastore. O brasileiro atuava como meia esquerda do próprio PSG no fim dos anos 90. O desenho tático do PSG de Carletto, era um 4-2-4 com Matuidi e Beckham como centro-campistas e um quarteto ofensivo com Pastore e Ménez (atual Milan) pelos lados, mais a dupla Ibrah/Lavezzi à frente.

Cabia a Pastore recuar para o meio, possibilitando um 4-3-3 quando time perdia a posse de bola. Ancelotti com certeza intencionava fazer com que o argentino tomasse consciência do dinamismo de jogo pelo lado externo do campo, ao obrigá-lo a atuar pelos lados. Tornou-o mais completo pois pelos lados do campo ele poderia driblar em transição veloz, ainda que carregasse o ônus de ter que auxiliar na marcação.

Quando Laurent Blanc assumiu o time em 2013, Pastore perdeu espaço para Lucas, sendo que no Brasil imaginava-se que o próprio Lucas é quem seria ofuscado. O meia argentino ressurgiu no fim da temporada 2013/2014, exatamente nas quartas de final da Champions League. Na partida de ida contra o Chelsea, Pastore entrou na segunda etapa e fez o terceiro gol da vitória por 3×1 em Paris. Os parisienses no entanto, seriam eliminados em Londres.

No início da atual temporada, Pastore voltou a ser escalado como titular devido a lesão de Ibrahimović, no começo do semestre passado. Não saiu mais do time. Pastore é o único meia do elenco do PSG que pode atuar centralizado, o único “camisa 10 clássico”. Uma variação para o 4-2-3-1 é possível com ele no trio de meias ofensivos. Cabe a ele e a Verrati manter a posse de bola.

Pastore e Messi.

O periódico espanhol El Pais ressaltou palavras de Pastore sobre si mesmo, afirmando que é um jogador “que desperta sentimentos unânimes. (…) Metade do estádio me aplaude e metade do estádio me vaia. Porém não jogo para quem me aplaude e sim para todos.” Sua leitura de jogo e antevisão de pontos futuros fazem dele alguém apto a atuar junto à Ibrahimović.

Na seleção argentina é o meia certo para estar ao lado de Lionel Messi. No último amistoso dos hermanos disputado contra o Equador na última data FIFA, a Argentina venceu por 2×0 e Pastore anotou um dos gols. Pastore é o “enganche”, com Messi aberto pelos lados e um homem referência á frente.

Esnobado por Alejandro Sabella para a copa de 2014, Pastore atualmente com 25 anos, é assim descrito por Maradona: “É um mal-educado do futebol. Te olha nos olhos e te encara como se tivesse vencido três copas do mundo”. Ainda há camisas 10 clássicos no futebol mundial.

O Paris Saint-Germain, líder da Ligue 1 francesa retorna a campo neste sábado contra o Nice, nos domínios deste adversário. A partida acontece às 12 hr (horário de Brasília). No Brasil a Ligue 1 está sendo transmitida pelo Sportv.

Foto: Martin Bureau – AFP