O Paris Saint-Germain buscava aquilo que na Europa está sendo descrito enquanto a conquista de um “Grand Slam”. A equipe parisiense pode vencer a Ligue 1, a Coupe de France e já venceu a Coupe de La Ligue no último fim de semana. Além de ostentar remotas chances de vitória da Champions League, após a derrota para o Barcelona por 3×1, dentro de Paris.

O entorno do PSG é tumultuado, sendo que o clube proibiu seus atletas de se dirigirem à imprensa representada pela emissora Canal + antes do confronto contra o Barça, e mesmo estando sujeito a punições. A emissora era a única que teria acesso aos atletas devido aos direitos de transmissão da Champions League.

O clube se ressente do episódio acontecido cerca de um mês, quando uma câmera da emissora flagrou um disparo verbal de Ibrahimović, nos vestiários de uma partida contra o Girondins Bordeaux, pela Ligue 1 francesa em março. Ibrah se queixava do árbitro e afirmava de forma agressiva que “esse país de merda não merece o PSG”. O sueco se referia obviamente ao país que abriga o torneio que disputa.

Naquela ocasião o PSG, que atualmente lidera a liga francesa, acabou derrotado pelo Bordeaux, no fim de semana seguinte ao 2×2 contra o Chelsea, que classificou o time para a atual fase da CL. Ibrah acabou punido com uma suspensão de quatro partidas em âmbito francês. Sua ausência contra o Barça, pela CL era devido à expulsão contra o Chelsea, nas oitavas de final.

Segundo periódico espanhol El Pais, o xeque Nasser Al Khelaifi mandatário do PSG, confirmou que o “boicote” segue até o fim da temporada, hajam punições ou não. É regra imposta pela UEFA que ao menos um atleta e treinador se dirijam a emissora que transmite a Champions League.

O El País ainda ressaltou que no âmbito da Ligue 1, o Olympique de Marseille também está “boicotando” os jornalistas devido a suspensão de Payet, num episódio similar ao de Ibrah proporcionado pelas câmeras da imprensa.

Diante das câmeras…

A situação do PSG era crítica na véspera da partida de ida das quartas de final da CL, ocorrida na última quarta. As lesões minaram o sistema defensivo vetando o volante Thiago Motta e o zagueiro David Luiz. Laurent Blanc não tinha um volante/interditor confiável, nem o trio de zagueiros brasileiros completo. Desde as partidas contra o Chelsea, Blanc estabeleceu uma formação com os três defensores Marquinhos, Thiago Silva e David Luiz.

David Luiz desfalque aparentemente confirmado, acabou relacionado na véspera da partida. Rumores sobre um tratamento da lesão do zagueiro, feito a base de substancia extraída de caracóis, se espalharam pela imprensa. Sem Verrati e principalmente sem Ibrahimović, ambos cumprindo suspensão, a estratégia poderia ser a de não deixar o Barcelona jogar. Mas para isso, o sistema defensivo do PSG precisava ter todas as suas melhores peças a disposição.

O gol de Neymar, que abriu o placar para o Barcelona aos 18 minutos de partida, foi o tiro final. Logo após o lance, Thiago Silva o defense leader do PSG, deixou o campo também sentido lesão física. Ali já não havia mais o que fazer. Blanc preferiu apostar num David Luiz em condições duvidosas, mesmo tendo o veterano Camara (36 anos) e natural da posição, à disposição.

O blaugrena Luis Suárez transformou a presença de David, na pior apresentação em Champions League de toda a carreira do zagueiro brasileiro. Com a partida de volta marcada já para a próxima semana, é improvável que Thiago Silva e David Luiz estejam aptos para o compromisso. Verrati e Ibrah retornarão de suspensão tarde demais.

Líder da Ligue 1 um ponto a frente do Lyon, o PSG retorna a campo no fim de semana visitando o Nice pela trigésima terceira rodada do torneio.

Foto de Laurent Blanc na véspera da partida contra o Barcelona: Franck Fife – AFP