Nesta terça o PSG recebeu o Chelsea no Parc des Princes em Paris (França) em partida de ida válida pelas oitavas de final da Champions League. A partida de mais transpiração do que inspiração acabou empatada em 1×1. A disposição tática dos times de certa forma expressava o estado mental das equipes parisiense e inglesa, que vivem momentos distintos.

Pelo lado parisiense Lauren Blanc optou por uma disposição com 3 zagueiros, sendo eles os brasileiros Thiago Silva, Marquinhos e David Luiz. Isso jogando em casa. É o mesmo PSG que terminou a partida de sábado contra o Caen (pela Ligue 1), com nove atletas em campo, devido a duas lesões que tiraram dois jogadores de campo. Situação deflagrada após todas as substituições terem sido feitas e que culminou num empate (2×2) cedido aos 44 min do segundo tempo.

Voltando à partida da CL, Blanc tentou corrigir as falhas defensivas dos laterais usando um terceiro central. Detendo a posse de bola havia um 4-3-3. David Luiz era nesse desenho, o primeiro homem dos três meio campistas. Sem a posse David Luiz recuava junto a T. Silva e Marquinhos, formando a linha de 3 defensores do 3-4-3, com os laterais Van Der Wiel e Maxwell se projetando ao meio e formando a linha de 4. Era um desconfiado e “semi-paranoico” PSG.

O panorama mental e contextual do Chelsea era o extremo oposto. O elenco descansou no fim de semana anterior, que na Inglaterra só teve jogos da FA Cup, torneio em que os blues já foram eliminados. Na houve rodada da Premier League, competição liderada pelos próprios blues. Atuando fora de casa contra o PSG, José Mourinho privilegiou uma formação mais defensiva, com dois marcadores (Matic/Ramires) formando a dupla de volantes.

Peças ofensivas como Oscar e Cuadrado entraram apenas no decorrer da segunda etapa. O desenho também se dava em 4-3-3, com as primeiras jogadas ofensivas mais agudas dos blues, surgindo depois dos vinte minutos de partida. Aguardando o PSG sair para contra-atacar, o Chelsea abriu o placar aos 36 minutos, em jogada tramada por três integrantes da sua linha de quatro defensores.

O capitão Terry avançou como se fosse um lateral esquerdo e cruzou para seu companheiro de zaga central, Cahill tocar de letra posicionado entre os defensores dentro da área adversária. O passe inusitado de Cahill culminou no gol de cabeça do sérvio Ivanovic. Quando a fase é boa até os defensores armam jogadas de perigo que culminam em gol.

No segundo tempo, o time parisiense aumentou a intensidade do jogo e criou boas chances com Lavezzi e o volante Matuidi avançando. Cavani empatou aos 56 min, após jogada que contou com o volante e com Ibrahimović. Minutos depois Lavezzi perderia chance franca, com sua finalização desviando respectivamente em Terry e Azpilicueta, defensores blues nos lugares certos, no momento certo.

Cavani teria mais uma chance batendo cruzado, com a bola saindo a direita de Courtois. Já no finzinho da partida Ibrah finalizaria de cabeça, exigindo grande defesa do goleiro belga dos blues. Os pequenos detalhes mostram um Chelsea atento àquilo que depende de si e com o “acaso” também jogando a seu favor.

O confronto de volta acontece no dia 11/03 em Stamford Bridge (Londres/Inglaterra). O empate sem gols classifica o Chelsea.

Foto da visão traseira do gol ocupado pelo goleiro Courtois do Chelsea: Franck Fife – AFP