Após goleada acachapante de 5×0 sobre o Athletic Bilbao imposta pelo Real Madrid no Bernabeu, no último fim de semana, pela sétima rodada de La Liga, o periódico El País, entalteceu o lateral direito espanhol Daniel Carvajal. A grande verdade é que Carvajal já vinha se destacando na última temporada, onde foi titular praticamente em toda a jornada que culminou no décimo título blanco da Champions League.

O El País colheu depoimento do ex-jogador Ricardo Gallego, que foi diretor das categorias de base merengues, na época em que Carvajal surgiu. O lateral foi campeão Mundial de clubes sub-18 em 2009, ocasião em que o Real Madrid disputou a final contra o Barcelona, vencendo os blaugrenas por 2×1 de virada. Carvajal (hoje com 22 anos) atuou improvisado no lado esquerdo.

O periódico espanhol ressaltou a utilização de Carvajal e Marcelo em conjunto, respectivamente pelo lado direito e esquerdo da linha de quatro defensores blancos. É uma opção ofensivista por parte de Carlo Ancelotti, mas vale lembrar que Marcelo foi preterido por Fabio Coentrão, durante a vitoriosa temporada passada. Embora apoie o ataque, defensivamente Carvajal é superior a Marcelo.

O 4-2-4.

O El País vê a disposição tática blanca atual num 4-3-3 que Carletto pode variar para o 4-2-4. A ausência de um volante mais fixo obriga os laterais a ficarem muito mais atentos à postura defensiva quando o time perde a bola. O periódico frisou ditos de Ancelotti afirmando que jogando “com três meias é preciso um trabalho maior dos laterais, em conjunto com os meias e os atacantes”. Ofensivamente há um volume de jogo superior, em contraparte.

Ainda no Paris Saint-German, Ancelotti utilizou-se do desenho tático em 4-2-4 sobretudo na segunda parte da temporada 2012/2013, após a chegada de David Beckham. O meio tinha Beckham e Matuidi e com a posse de bola, Pastore (pela esquerda) e Lucas (pela direita) se projetavam pelos flancos da dupla Lavezzi/Ibrahimović. Também era uma formação sem volante fixo a frente da defesa.

O avanço dos externos precisa estar conjugado ao avanço (ou não) dos laterais. No caso do Real Madrid, Cavajal e Marcelo podem chegar à frente pelos flancos, junto a Cristiano Ronaldo e Benzema. Algo que exige atenção dos meias em caso de perca da posse de bola. O uso dos laterais de forma ofensiva, também foi explorado por Ancelotti na época do Milan. Com Cafu e Serginho como “fluidificantes”, Carletto sacava Seedorf e o 4-3-1-2 se tornava um 3-5-2 tradicional.

Voltando a Carvajal, o El País ressaltou um dito de Gallego, afirmando que o lateral direito não precisava ter sido negociado com o alemão Bayer Leverkusen, para ganhar experiência. Carvajal foi recomprado pelo Real Madrid no começo da temporada 2013/2014. Alberto Toril, treinador do lateral nas categorias de base enaltece as qualidades de Carvajal enquanto liderança e atleta de grupo.

Toril vai além afirmando que o lateral pode vir a ser um capitão merengue em três ou quatro temporadas.

Foto de Carvajal na partida contra o Athletic: Juan Carlos Hidalgo.