Findada a International Champions Cup, torneio de pré-temporada realizado nos EUA, temos de fato a “era Van Gaal” em franco desenvolvimento no Manchester United. Curiosamente, há exatas 20 temporadas atrás, um iniciante Louis Van Gaal iniciava a temporada 1994/1995 pelo Ajax, já vencedor da liga holandesa anterior.

Seu grupo na época, jovem e promissor incluía nomes como Bergkamp, Davids, Seedorf, Danny Blind, Van Der Sar e os gêmeos De Boer. A temporada 1994/1995 terminaria com um bi-campeonato da liga holandesa e o tetracampeonato da Champions League. Era o primeiro título da CL vencido pelo Ajax, desde o tri-campeonato seguido, nos anos 70.

Até chegar ao presente momento, Van Gaal passaria por Barcelona, FC Bayern, AZ e seleção da Holanda. O Manchester United não pode se dar ao luxo de persistir apostando em treinadores/incógnita. Na última temporada, o United (com David Moyes) cometeu o mesmo erro do Barcelona (com “Tata” Martino), tendo como expediente diário disputa de uma liga nacional competitiva e uma C. League. Van Gaal é o homem certo, ao menos neste momento, para preencher a lacuna deixada por Sir Alex Ferguson.

Yankee summer

Durante a International Champions Cup já se viu um United diferente, postado em 3-5-2. O que sobressaiu aos olhos dos que acompanharam o torneio, foram as boas apresentações de Antonio Valencia e Ashley Young. Valencia foi postado pelo lado externo direito, mas parece que será re-inventado por Van Gaal ao longo da temporada 2014/2015.

Sem a posse de bola o equatoriano compõe a linha dos defensores como quarto homem a direita. O time pode se defender alinhado-se num 4-4-2 tipicamente britânico. Valencia nunca foi visto como um “jogador de Manchester United” e com certeza evoluirá.

Pelo lado externo esquerdo, Ashley Young parece que se livrará do estigma de “eterna promessa”. Desde que chegou do Aston Villa (onde era ídolo) em 2011, Young nunca conseguiu justificar a própria contratação em Old Trafford.

Agora Young se projeta mais a frente, podendo ser também um segundo atacante ou “winger” pelo lado esquerdo. Nos EUA a pouco, Young mostrou muita presença e inclusive marcou gols. Sua participação na vitória por 3×1 sobre o Real Madrid, no último fim de semana foi um bom prelúdio, isso na partida vista por 109 mil pessoas em Michigan (EUA).

Van Gaal afirmou que primeiro observaria aquilo que estava a disposição, para depois realizar contratações. Já reabilitou duas peças sub-aproveitadas. Além das inovações, o holandês adiantou Juan Mata que de fato será um meia ofensivo. Alguns comentaristas tem comparado o posicionamento do espanhol com a postura de Snejider no time da Holanda, durante a última copa.

Até o fechamento da janela de transferências, o United precisa apenas de um ou dois bons defensores de área. A zaga foi o setor onde o time perdeu mais atletas em fim de vinculo e/ou idade avançada (Vidic, Ferdinand e Evra).

A temporada do United é promissora e seu objetivo é a Premier League. Sem ter obtido indíce nem para a CL, nem para a Europe League, o United de Van Gaal sofrerá um desgaste físico menor em relação a Chelsea, Liverpool e Manchester City.