‘Crepúsculo dos Ídolos’ é o título do último livro do filósofo alemão Friedrich Nietzsche (1844-1900) e trazia enquanto subtítulo ‘ou como filosofar com o martelo’, expressão que sempre acompanha o autor, principalmente entre pessoas que o lêem fora do circulo acadêmico.

Nietzsche é caracterizado pela forma iconoclasta como criticou de forma fundamental Sócrates, Platão e o projeto filosófico da modernidade. Após admirar a obra do compositor alemão Richard Wagner na juventude, Nietzsche tomou-o enquanto decadente, passando a viver na Itália e enaltecendo a musica mediterrânea.

Na fase intermediaria da vida do filósofo, o compositor francês George Bizet era apreciado em especial a sua obra ‘Carmen’ que versava sobre uma cigana intempestiva que despertou o amor de dois homens. Trama esta que se dava na Andaluzia, Espanha.

O espanhol Rafael Benitez foi colocado no comando do Chelsea por Roman Abramovich há pouco. Por sua relação com o Liverpool, Benitez é hostilizado pela própria torcida blue. Obteve a sua primeira vitória no comando do Chelsea esta semana, de forma melancólica, no 6×1 imposto sobre o dinamarquês Nordsjaelland.

Algo que não evitou o desaguar do atual campeão europeu na Europe League. O Chelsea não irá ao mata-mata da Champions League. Benitez tem um contrato de sete meses. Tem a chance e a função de golpear com um martelo os velhos ídolos de Stamford Bridge. Drogba já havia saído. Frank Lampard se vê no departamento médico, e numa coletiva tão logo chegou, Benitez afirmou que Lampard pode sair na janela de janeiro.

O último ídolo seria John Terry, o controverso capitão blue. Nesta sexta chegou a confirmação de que Terry fora cortado do grupo que está prestes a ir para o Japão disputar o Mundial de Clubes.

É difícil precisar a caracterização psicológica de um time de futebol, são onze cabeças em campo. Porém o Chelsea que se caracterizou em fingir-se de morto e ressurgir do nada como se viu na própria temporada passada, não conta com seus protagonistas.

Apenas Petr Cech se vê no time titular. Terry e Lampard, fundamentais na classificação na última rodada da CL 2011/2012 bem como na fantástica ressurreição diante do Napoli nas oitavas de final; não estão em bom momento.

E o momento era propício para algo no sentido, algo que poderia eclodir exatamente numa eventual final contra o Corinthians. O disciplinado Lampard (34 anos) que lesionado, pode vir a ser relacionado neste sábado pela Premier League, é o único que pode surgir no time titular mas parece não ter a simpatia de Benitez.

Terry: a biografia não oficial.

O ocaso de John Terry apresenta circunstancias boas e ruins. Terry na condição de defense leader pode ser tomado enquanto insubstituível. Apenas o tempo firmará o atual miolo de zaga blue formado por Cahill e David Luiz, que leia-se, é um bom miolo de zaga.

Este atual Chelsea também não dispõe da proteção na cabeça de área outrora realizada por Michael Essien e que na temporada passada teve Raul Meirelles sobretudo na reta final da CL Possivelmente o problema que deveria ser sanado no meio campo blue para que se corrija a vulnerabilidade defensiva percebida nesta temporada. Por outro lado, Terry em aspectos morais já vai tarde.

Enaltecido enquanto um dos melhores centrais do mundo na ‘era Mourinho’, Terry virou ‘cocô’ após o escorregão naquele pênalti perdido contra o Manchester United na final da CL de 2008. Entre 2009 e 2010 protagonizou um caso extra conjugal envolvendo a ex-mulher do lateral Wayne Bridge, companheiro de seleção.

Bridge pediu dispensa do English Team as vésperas do Mundial de 2010 então comandado por Fabio Capello. O técnico italiano também teve problemas com Terry, concedendo e lhe tirando a braçadeira de capitão.

Naquele meio tempo, Terry recebeu uma proposta do Manchester City em inicio de ‘gestão árabe’. O Chelsea recusou e renovou o contrato do zagueiro. Era o que bastava para o mesmo se entronizar em Cobham. Por fim Terry envolvido em polemicas de ofensas racistas proferidas a um adversário foi motivo do pedido de demissão de Capello as vésperas da última EURO.

O técnico lhe devolveu a tarja de capitão, automaticamente retirada pela FA. Por fim, Terry conseguiu ser expulso na semifinal da CL contra o Barcelona. Quis o destino, com justiça poética, que o disciplinado Lampard levantasse a taça na final vencida pelos blues, há menos de seis meses.

O Chelsea vai a campo contra o Sunderland fora de casa pela Premier League neste sábado. Na liga britânica os blues, não vencem há sete partidas, Benitez desde que chegou, há três. E depois embarca para o Japão. Caso os blues de Benitez vençam a final do Mundial, o intempestivo Terry assiste pela televisão e não levantará nenhum dos dois troféus mais importantes da história de Stamford Bridge.

Na trama de ‘Carmen’, superado pelo rival e toureiro Escamillo, o soldado rebelado Don Jose, outrora homem exemplar; acaba por dar cabo da vida da cigana Carmen…