Chupa, torcedor!

Outro dia, eu estava me lembrando de como era quando eu assistia futebol quando criança. Meu pai e meus familiares se reuniam em casa para assistir futebol aos domingos, preocupados com o time para o qual a maioria da minha família torce. Nas minhas lembranças de infância, não me lembro de, nenhuma vez, ter ouvido algum adulto xingando um outro clube quando celebrava um gol. Celebrava-se somente o nosso time (e a regra era a mesma para torcedores de outros clubes). A felicidade era pela vitória, não pela desgraça alheia.

Nas vizinhanças da casa onde morei até o ano passado, reside um cidadão. Esse cidadão é corintiano. Em rigorosamente todas as partidas dos campeonatos brasileiros (incluindo os estaduais), esse cidadão celebrava os gols do Corinthians e também os gols que São Paulo e Palmeiras sofriam, gritando da janela de seu apartamento. Contudo, ele nunca, durante o período de dois anos em que morei na sua vizinhança, celebrou “Corinthians!”. Sempre mandava sãopaulinos e palmeirenses “chuparem”. Era possível saber quando o Corinthians fazia gols ou quando São Paulo e Palmeiras sofriam tentos pelo update dado pelo vizinho. Eu não tinha dúvidas de que meu vizinho de rua não passava de um ser humano profundamente infeliz e frustrado. Apesar de ter um time seu, sua grande alegria era agredir os torcedores de outros clubes.

Esse cidadão frustrado torce para o Corinthians, mas a sua doença é uma doença moderna que se divide entre torcedores de todos os clubes. Perdeu-se a capacidade de se celebrar o gol pelo gol, a alegria de comemorar o que o próprio time fez. “Chupistas” sãopaulinos, flamenguistas, gremistas e cruzeirenses dão o tom em maioria esmagadora quando se sentam em frente a uma TV. E a alegria de ir ao estádio ou reunir os amigos sumiu, dando lugar unica e exclusivamente à “tiração de sarro”, um esporte que o brasileiro parece adorar, mesmo que isso o transforme num escroto. Sei que há muita gente boa que vê na gozação uma coisa positiva, mas o que eu sempre achei é que o brasileiro jamais soube ser razoável. A gozação quase sempre acaba em humilhação e hoje, mais do que nunca.

Não sei medir até onde há responsabilidade da mídia, até onde há responsabilidade dos jogadores ou de quem quer que seja. Com certeza, há alguns tumores visíveis, como por exemplo, cartolas que não perdem a oportunidade para acirrar a rivalidade entre dois clubes, ou jogadores – que já não são os indivíduos mais inteligentes da natureza – dando demonstrações de “apego” aos atuais empregadores que passam por humilhar adversários. No fim, acho que a culpa é mais do torcedor mesmo, que está sendo cada vez menos gente e cada vez mais irracional, algo que se encaixa bastante com o tipo de gente que quer que Lula morra de câncer sem atendimento e daqueles que se indignam quando atingidos, mas dão de ombros quando o ataque é nos outros.

Hoje, em cidades densamente populadas como São Paulo, o horário do futebol brasileiro é o horário de se ouvir xingamentos. Ponha a cabeça para fora da janela, e você verá os “chupistas” em ação, xingando furiosamente o adversário, como meu ex-vizinho. Ele não se dá conta de que seu time é mediocre, que a CBF retomou todo o poder que tinha perdido nos últimos anos, que a Copa do Mundo será paga com o dinheiro do contribuinte indo para o bolso dos empreiteiros. Nada. Ele não se dá conta de nada. Esse torcedor tem mesmo é de chupar – e muito. O desesperador é que todo mundo acaba chupando também.

Anteriores

O bom senso em coma no SUS

Próximo

Neymar, Santos e o DIS

6 Comments

  1. Alexandre Rodrigues Alves

    Penso tb que a culpa maior é da cultura brasileira de levar vantagem e querer passar o outro para trás; essa coisa de vibrar mais com a derrota do outro do que com a própria vitória tomou tons exagerados de fato.

  2. A culpa é do torcedor mesmo, porém é mais rídiculo quando jogadores se envolvem. Os mesmos que reclamam quando trocam de time e se dizem “profissionais”. Vi os gols do Grêmio contra o Flamengo e em quatro vezes o “craque” André Lima fez a coreografia Parado na Esquina, tirando sarro de Ronaldinho Gaúcho. Bem, menos de um mês depois o cara esta sendo usado como moeda de troca pelo clube que ele tanto “defendeu”.

  3. Kazuo Aoki

    Ao Diogo. Na verdade é tem um ‘Alexandre’ antes do Kazuo. ‘sucção genital’ foi a melhor…
    =D

  4. Diogo Silveira Terra

    É como o Kazuo (ordem de nome japonês é igual à ocidental, certo?) falou. O problema não é o cara mandar a vizinhança praticar sucção genital; o problema é achar que está acabando com a fome no mundo ao fazê-lo. Coisa que as mídias não ajudam em nada a melhorar ao alimentar provocações ridículas e transformá-las em válvula de escape para os inadaptados de sempre.

  5. Kazuo Aoki

    Olá carissimo. Faz tempo que não comento. Aliás, aqui não ha o que dizer. Vc sintetizou tudo. Ha semanas atrás fui tido como ‘pouco gentil’ e oportunista criador de polêmica em minha página do Facebook ao questionar uma colega de trabalho ‘sonsa’ e corintiana que, segundo me lembre, nunca louvou a vitória do seu time mas sempre questionava a masculinidade dos torcedores rivais do SPFC. Ao fazer uma citação acerca de Hannah Arendt onde a mesma dizia de maneira jocosa que o ‘demonio é um bom teologo’ fui tido como ‘imoral’ por um ex- aluno corintiano. Ao questionar o mesmo acerca ofender torcedores rivais, se tal ato também não o fosse imoral, o mesmo me deletou. É complicado. O vulgo se diz ‘torcedor’ sem saber direito quem é o lateral direito do seu time…
    Abs, suas reflexões são mais que urgentes!

  6. Anônimo

    A culpa é do torcedor mesmo. O torcedor brasileiro adora tirar sarro e rir da desgraça alheia. Poderiamos muito bem fazer um paralelo deste sentimento com outro que é o de sempre levar vantagem e ser o mais esperto. Ser o malandro da história e não o mané. Eu até acho que as provocações e a rivalidade fazem parte do futebol, mas o limite entre a paixão e o delírio é tênue e, como você bem diz, o brasileiro jamais soube ser razoável.

Os comentários estão desativados.

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén

Top