Milan x Napoli, jogo de xadrez

Espera-se um grande duelo entre Milan e Napoli para este fim de semana em Milão. Ainda que tenha um elenco principal de qualidade, contudo, o Napoli ainda joga de uma maneira muito antiquada em comparação com outros times mesmo da Itália. Sua linha defensiva de três homens deve ter dificuldades diante de um ataque composto por homens habilitados a buscar a faixa lateral do campo com extrema habilidade.

O verdadeiro embate para a decisão se fará no meio-campo. Os três medianos de Allegri terão uma dura tarefa para frear um setor muito físico do Napoli. Gargano e Pazienza ou Yebda têm a ajuda de Hamsik e mesmo de Cavani, um atacante similar a Ibrahimovic em seu retorno ao meio-campo para buscar a bola. Para piorar a situação milanista, Maggio e Dossena, dois laterais de origem, tendem a aumentar a pressão sobre os donos da casa.

Por isso, e pela presença de somente um jogador na área (deveria ser Lavezzi, mas ele está suspenso), é lícito imaginar que o Milan comece o jogo com seus externos defensivos muito altos, para fechar o espaço a Maggio e Dossena. O controle do centroavante napolitano (quem quer que seja) deve ficar com Thiago Silva e os atacantes externos Cassano e Robinho precisarão recuar para pressionar os externos, diminuindo a faixa de campo onde o jogo será disputado.

A desvantagem do Napoli passa pelo terreno. Fora do San Paolo, o time já perdeu 16 pontos. Os atacantes externos do Milan baterão com Aronica e Campagnaro – não exatamente os pontos fortes do time. Um dos volantes deve recuar para dar maioria numérica no embate entre os três zagueiros e atacantes. No meio, a marcação de Hamsik e Cavani – os dois grandes jogadores de Napoli – tem adversários mais duros, como por exemplo Boateng ou Flamini. Os melhores jogadores do Milan terão marcadores razoáveis; os do Napoli enfrentarão interditores de qualidade.

O Napoli não mudará seu esquema tático, visto que jogou todas as partidas até aqui com um 3-4-2-1 (ou uma leitura alternativa como 3-4-3 ou 3-5-2). Se Mazzarri designar Gargano para acompanhar Robinho ou Cassano, reequilibra a briga na ofensiva milanista; caso Allegri povoe o meio-campo com um trequartista, diminui a carga que cairá no ombro de seus medianos. Sem Antonini, o Milan terá que colocar Zambrotta em campo ou improvisar Oddo na lateral-esquerda (difícil que comece Vilà). De qualquer maneira, sai em desvantagem contra Maggio e Dossena. Por isso, a pressão de Cassano e Robinho será necessária. O ataque milanista começará no bote em cima dos externos napolitanos. O napolitano conta com a capacidade de Cavani de confundir a marcação e do sucesso de seus externos.

Anteriores

O inferno não é tão ruim

Próximo

Segunda-feira, Tolerância Zero: Saída de Adilson do Santos

13 Comments

  1. Cassiano Gobbet

    Hoje, jogar com três zagueiros está meio fora de moda, mas isso é uma cultura que muda muito conforme os protagonistas. O Barcelona usa três atacantes, mas que jogam recuados. É possível ler como 4-5-1, mas como a pressão começa em cima dos laterais, acho mais pertinente ver um 4-3-3.No caso dos três italianos, não vejo em nenhum nada que possa ajudar a Itália no ranking. E cuidado: a continuar assim, a FRança vem aí em alguns anos…abs

  2. Rafael Borges

    Falo de Napoli, Lazio e Udinese.

    Eu falei sobre os três zagueiros porque na Europa praticamente todas as equipes jogam no 4-5-1… E isso pode levar aos problemas defensivos que o Napoli tem a solucionar que foram apontados por você no seu post.

  3. Cassiano Gobbet

    Quais as três equipes? Não tenho nada contra o esquema de três zagueiros. Pode ser muito eficiente se interpretado bem. A Itália precisa de um choque de gestão, algo que certamente não acontecerá enquanto o status quo político for o mesmo (e não é só o Berlusconi). Abs

  4. Rafael Borges

    Cassiano, você disse que não acredita nessas três equipes… Isso é pelo fato das três jogarem com três zagueiros?

    Em curto prazo, só resta uma alternativa para o futebol italiano: É preciso levar a Europa League a sério. Principalmente a Juventus. Ganhar um título vai fazer bem para os bianconeri.

  5. Cassiano Gobbet

    Não adiantaria. Enquanto Milan e Juve não reaverem toda sua força, a Itália continuará retrocedendo. Os grandes times colocam dinheiro dentro do sistema. Na Itália, esse dinheiro diminuiu muito depois de 2006 e os agentes italianos aumentaram a fatia do seu faturamento em relação ao faturamento dos clubes. Napoli, Udinese e Lazio não passariam de fase. O que é preciso é reciclar MIlan, Juventus e Inter, que apesar dos títulos do ano passado, ainda tem uma estrutura “das antigas” (embora menos pior do que a dos rivais). abs

  6. Gilson

    A falta do Lavezzi será uma vantagem e tanto para o Milan. Resta saber se Mazzari entrará mesmo com Mascara no lugar dele. E os dois externos do meio-campo napolitano devem dar um trabalho maluco ao pessoal do Milan.

  7. Rafael Borges

    Bom, eu não acho Mazzarri um gênio, mas Allegri é de certa forma uma decepção. Eu sei que o Milan não tem uma grande equipe (O quarteto Robinho, Cassano, Pato e Ibra é uma farsa…), mas eu acho que ele poderia fazer o time jogar melhor. O jogo contra o Tottenham, por exemplo, foi fraco demais.

    Eu acho que para o futebol italiano, seria melhor se Lazio, Napoli e Udinese conseguissem vagas na champions. Hoje, eu acredito mais nesses times do que nos gigantes Juve, Milan e Inter. Talvez eu esteja errado. Será mesmo que a esperança é a última que morre?

  8. Cassiano Gobbet

    Se o Mazzarri não for louco, ele vai encostar o Dossena e o Maggio no Robinho e no Cassano, mas daí perderá a vantagem numérica no meio-campo. Daí, depende de como os laterais milanistas vão gerenciar a situação. É o típico jogo para um craque decidir no talento individual. abs

  9. Cassiano Gobbet

    O problema nem foi o coitado do Yepes, mas a falta de cobertura dos dois laterais. Se vc vir o lance do gol, o Yepes estava sozinho para pegar o Lennon, com o Antonini em Busto Arsizio e o Abata voltando num trote acelerado para liberar o Nesta para fazer a cobertura do Yepes. O Thiago Silva é “monstro” quando não tem de reger a defesa (ou seja, sai na captura do atacante). Quando o Nesta não joga, ele cai consideravelmente de produção. abs

  10. Tuiuan Almeida Veloso

    Qualquer um sai em vantagem contra o Dossena(exceto o Wes Brown)

    Ass: Torcedor do Liverpool.

    Falando sério, em alguns jogos do Napoli, eu vi o time algumas vezes com 4 atrás na fase defensiva pra conter as investidas laterais, pode ser uma possibilidade contra o Milan?

  11. Carissimo, afora algumas especificidades (suspensos e/ou contundidos) vejo o Milan de Allegri num 4-3-1-2 ou 4-1-3-2 como queiram, que, com Thiago Silva supostamente de volante tem-se um 3-5-2 convencional desde que o time detenha a posse de bola. Não precisa ser gênio (e nem Allegri o é) para ter-se a percepção de que os laterais milanistas são deficientes na postura defensiva.
    Com a posse de bola T. Silva compõe o terceiro homem da zaga e os laterais se vêm como vc descreveu, enquanto ‘externos defensivos muito altos’. Pergunta: com T. Silva em sua posição de origem no lugar de Yepes, o Milan teria tomado o gol do Tottenham oriundo de um lance de Lennon em cima do colombiano?
    Abs!

  12. Raphael

    Vamos ver como a insegura defesa do Napoli se portará ante a um forte ataque milanista.

    Eu aposto em empate, um 1×1, porque por mais que o Napoli não tenha uma defesa das mais seguras, e ainda jogará sem Lavezzi na frente, o Milan também não fica longe no aspecto defensivo.

  13. Boni dos Santos

    depois da Copa eu e o Cassiano falamos aqui sobre a aposta do Napoli em Cavani. Eu torci o nariz porque no Palermo ele não mostrou ser um atacante que garantisse 15 / 20 gols numa stagione. E eu sabia que no Napoli ele teria de ser esse goleador porque Lavezzi não tem vocação goleadora.

Os comentários estão desativados.

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén

Top