Palaia, Tiririca e Brecht

“O pior analfabeto é o analfabeto político. Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe que o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio dependem das decisões políticas. O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política. Não sabe o imbecil que da sua ignorância política nasce a prostituta, o menor abandonado, e o pior de todos os bandidos que é o político vigarista, pilantra, o corrupto e lacaio dos exploradores do povo”.

Bertolt Brecht, dramaturgo alemão

Noticiou-se que o novo diretor de futebol do Palmeiras, Wladimir Pescarmona, aventurou-se a dar uma preleção para os jogadores do time para elevar o moral do grupo e passar a sensação de comando aos jogadores. Vestindo agasalho, o neodiretor deve ter realizado um sonho de infância ao sentir-se comandando o time palmeirense. Poucas vezes o ambiente felliniano do clube esteve tão bem caracterizado.

Certamente Pescarmona não consegue ter a noção do papel ridículo que desempenhou. É de se admirar que Luis Felipe Scolari tenha se submetido a ver um neófito incompetente assumir um posto na sua comissão técnica, por menor que seja o tempo. O diretor é digno da gestão brancaleonesca de Hugo Palaia, o presidente que esboçou uma dança num evento de veteranos do clube fazendo nascer a alcunha de seu reinado: a gestão Tiririca.

Ontem, mais de 1.3 milhão de paulistas votaram em Tiririca, numa clara demonstração que o eleitorado é caracterizado por um misto de ignorância, irresponsabilidade e burrice. Não se sabe avaliar até onde um é filho do outro, mas é fato que os três elementos são latentes na decisão de se votar num candidato que não é só incapaz e iletrado (as menores de suas dificuldades). É um representante repelente de uma classe política sem princípios – reflexo da mesma população que o elegeu.

E que se esclareça que essa massa sem forma, rosto, educação e responsabilidade não é necessariamente aquela que não teve acesso à educação. A ignorância e irresponsabilidade não têm classe social, religião nem credo político. Incontáveis deles andam em SUVs se esganando num trânsito que não comportaria nem uma moto, indo a salões de beleza chiques e desfilando em clubes como o Palmeiras (e muitos outros), elegendo figuras simultaneamente risíveis e amedrontadoras como Hugo Palaia. A eleição de Tiririca é irmã gêmea do acesso ao poder do novo presidente do Palmeiras. Brecht tinha toda razão.

Anteriores

Manguaça e caos na seleção polonesa

Próximo

O flop-marketing corintiano em ação – e ninguém fala nada

8 Comments

  1. O protesto, no caso, é contra algo que não se põe fé. É irresponsável, mas é reflexo do que os próprios parlamentares criaram.

  2. Cassiano,

    Acho que restou um pequeno mal entendido. Não considero a eleição de Tiririca como resultado de voto de protesto. Não quis dizer isso. Foi irresponsabilidade mesmo. Quis dizer que os parlamentares é que destruíram sua imagem a tal ponto que muitos não os levam mais a sério. Daí a eleição de Tiririca e outros.

    Abraço.

  3. Cassiano Gobbet

    Claro, meu caro. Respeito sua opinião. Mas não vejo no Tiririca um voto de protesto. Vejo a expressão de uma opinião pública chã. Os políticos definitivamente são a última categoria em termos de decência, mas eleger um palhaço analfabetoad hoc seria diferente de eleger um humorista irreverente. O naufrágio do “Ficha Limpa” é que nem a Fifa desistir da licença de “Agente Fifa”. É uma medida que não encontra respaldo na realidade. Mas concordo que é absurdamente preocupante. abs

  4. Boni dos Santos

    o povo gosta muito de “zoação”, de humor (vide o sucesso colossal do Panico e do cqc), mas precisa entender que há um limite.

  5. Rafael Borges

    Concordo plenamente com o Michel Costa. Sem mais.

  6. Acho que a diferença está no cargo em disputa, Cassiano. Se estivesse concorrendo à presidência ou ao governo estadual, Tiririca não seria uma opção para esses irresponsáveis. Claro, teria seus votos, mas acabaria por aí.
    Infelizmente, os parlamentares criaram essa imagem para si. Mensalões, coronéis, larápios, o que não falta é exemplo do porquê a imagem deles está tão corrompida.
    Sinceramente, mais preocupante que o fenômeno Tiririca é o naufrágio do “ficha limpa”.

    Abraços.

  7. Cassiano Gobbet

    Infelizmente, discordo de vc. “Infelizmente”, porque a natureza da minha discordância implica que eu tenha uma opinião mais cética. Acho que a grande maioria dos eleitores não têm noção das suas responsabilidades. Acham que votar no Tiririca é sinal de “zoeira”. O país é “zoado” porque as pessoas são assim. Os povos têm os governos que merecem. abs

  8. A eleição de Tiririca me lembrou outra eleição famosa, mas, desta vez, fora do Brasil: Cicciolina.
    Concordo que a eleição do humorista é absolutamente irresponsável, mas nasceu do mesmo tipo de protesto contra algo que a população não põe mais fé.
    Certo está Álvaro Dias quando disse que esses votos a um despreparado são um reflexo da visão que os próprios políticos criaram para si.
    Abraço.

Os comentários estão desativados.

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén

Top