O STJD é a cara de um Brasil

O STJD é a cara do Brasil, mas de um Brasil específico.

O Brasil de Edison Lobão.

O Brasil de José Sarney.

De Luis Zveiter, Roberto Horcades, Paulo Maluf.

O Brasil do gol de mão comemorado como sendo “mais gostoso”

Do “malandro” que quando se dá bem às custas dos outros dá risada.

O Brasil do apagão, do mensalão, da corrupção endêmica que vem pelas mãos dos autoproclamados guardiães da moralidade e decência.

O Brasil da democratura onde existe a opinião certa e a opinião errada.

O Brasil do PMDB, de Renan Calheiros, de certos deputados canalhas que fazem leis para diminuir a proteção aos animais e aumentar o desmatamento.

Todos esses Brasis, filhos do Brasil escravocrata, burocrata, elitista, oligarca, autoritário, colônia de si mesmo, estão retratados no STJD. O mesmo Brasil de sempre, dos vagabundos aos quais Márcio Moreira Alves se referiu no discurso de 1968.

Mas não do meu Brasil. Esse Brasil eu sempre vou renegar.

Anteriores

O STJD é a cara do Brasil

Próximo

Dois Fluminenses

1 Comment

  1. Alexandre

    Além de tudo isso; julga conforme as conveniências e conforme o grito da parte ruim imprensa, que inventou essa coisa do “apito amigo” e de que o SPFC é o único time ajudado no Brasil. Talvez com medo de alguma repercussão em determinados setores fizeram esse absurdo, pois querem provar que uma falta de jogo é igual à uma agressão!

Os comentários estão desativados.

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén

Top