Fechamento da janela de transferências: Olympique de Marselha

logo-OM

Quem chegou: Patrice Evra (lateral-esquerdo, ex-Juventus/Itália), Morgan Sanson (meio-campo, ex-Montpellier/França), Grégory Sertic (volante, ex-Girondins de Bordeaux/França), Dimitri Payet (meia-atacante, ex-West Ham United/Inglaterra)
Quem saiu: Romain Alessandrini (atacante, Los Angeles Galaxy/EUA), Gaël Andonian (zagueiro, PAE Veria/Grécia)
Torneios que disputa: Ligue 1, Coupe de France

Pronto para voltar a honrar o peso de sua camisa, o Olympique Marseille se valeu dos investimentos do americano Frank McCourt, que adquiriu o clube nos últimos meses de 2016. O time marselhês repatriou o meia-atacante Dimitri Payet, ídolo do clube e destaque da França na EURO 2016, por 29 milhões de euros.

Além de Payet, a grande aquisição, é preciso ressaltar a prudência da direção de futebol encabeçada por Andoni Zubizarreta e pelo treinador da equipe Rudi Garcia, tendo cerca de 200 milhões de euros a disposição. O OM buscou reforços pontuais low profile e os quatro atletas que chegaram neste inverno, são de nacionalidade francesa.

Para defesa Patrice Evra ídolo da seleção francesa, campeão europeu pelo Manchester United, chegou a custo zero da italiana Juventus, devido idade avançada (35 anos). O meia Morgan Sanson foi adquirido por 9 milhões de euros junto ao Montpellier e o volante franco-croata Grégory Sertic, chegou negociado junto ao Bordeaux, por valor não divulgado.

Payet jogando pela França (Foto: AFP)

Payet jogando pela França (Foto: AFP)

De forma drasticamente diferente de clubes geridos por petrodólares árabes (leia-se: PSG), o Marseille não procurou por nomes badalados, nem fez ofertas obscenas. Usou boa parte do dinheiro disponível para re-adquirir um ídolo nacional, sem perspectivas na Inglaterra (Payet). E negociou com clubes da liga que disputa para fazer o novo capital estrangeiro girar, dentro de seu próprio país.

Vitorioso na Ligue 1, Rudi Garcia (campeão com o Lille 2010/2011) tem experiência em competições europeias, podendo fazer com que o Marseille termine a presente Ligue 1 entre os quatro primeiros colocados. Os três primeiros postos dão vagas para a Champions League, o quarto posto vaga direta para a Europa League.

Garcia assumiu o time em outubro na décima segunda colocação e neste momento a equipe ocupa a sexta colocação. O OM surge como franco atirador uma vez que dos outros cinco primeiro colocados da Ligue 1, só o Nice (vice-líder) está eliminado das competições europeias.

Monaco (líder) e PSG (terceiro) estão no mata-mata da CL. Lyon (quarto) e St. Étienne (quinto) disputam a EL. O plantel do Marseille sofrerá menor desgaste físico. Mais além, buscar o título da Coupe de France é um objetivo perfeitamente possível para o OM, único campeão europeu dentre os franceses.