Vários bons amistosos ocorreram ao redor de Áustria 1×2 Brasil, que recebeu maiores atenções em nosso país. Na Espanha, “la roja” recebeu a tetracampeã Alemanha e acabou derrotada por 1×0. No Old Trafford (Manchester/Inglaterra) a seleção da Argentina jogou uma boa partida amistosa contra a seleção de Portugal, sendo que os lusitanos venceram no finzinho por 1×0.

Os técnicos de Argentina e Portugal, respectivamente Gerardo Martino e Fernando Santos utilizaram seus respectivos astros Messi e Cristiano Ronaldo, apenas nos primeiros 45 minutos. O ritmo era de amistoso, mas a intensidade ofensiva era vistosa, com os argentinos um pouco mais incisivos quando se valiam dos contra-ataques. Messi chegou a mandar uma bola na trave. A base vice-campeã Mundial de Alejandro Sabella foi mantida por “Tata” Martino e o time ainda se desenha em 4-2-3-1, podendo mudar o desenho tático para o 4-4-2.

No entanto Martino tem priorizado alguns atletas deixados de lado por Sabella, como Pastore (do PSG) e Carlitos Tevez, que voltou a ser convocado nesta data FIFA e entrou no decorrer da segunda etapa no lugar de Híguain. O alinhamento inicial teve Guzmán, Roncaglia, Demichelis, Otamendi e Ansaldi. Mascherano, Biglia, Di Maria e Pastore, Higuain e Messi. Javier Mascherano postado em sua posição original como volante, é o diferencial. A Argentina é sim favorita para a conquista da próxima Copa América em 2015.

O time português por sua vez mostrou uma mentalidade um pouco diferente, com o novo treinador Fernando Santos voltando a convocar o meia Tiago do Atlético de Madrid, não privilegiado por Paulo Bento no Mundial. Em termos físicos, Portugal chegou à copa com três atletas principais esgotados fisica e mentalmente devido à conquista da Champions League por parte do Real Madrid. Ou sejam Pepe, Fabio Coentrão (este ausente aqui) e Cristiano Ronaldo. O problema lusitano desde sempre é a falta de peças de reposição técnicamente à altura dos principais nomes.

O time lusitano também se desenha no 4-2-3-1 europeu, com CR7 mais fixo à area mas com a formação não privilegiando um centroavante típico. Fernando Santos convocou veteranos como Bosingwa, Ricardo Carvalho (que ficou no banco) além do meia/atacante Danny, destaque do russo Zenit já a algumas temporadas. A escalação inicial tinha Beto, Bosingwa, Pepe, Bruno Alves e Tiago Gomes. Andre Gomes, Tiago, João Moutinho, Danny e Nani. Cristiano Ronaldo.

Com Tiago como segundo homem de meio campo e Danny centralizado, o time português consegue manter a posse de bola de maneira mais eficaz. O gol saiu aos 90 min, graças a Raphael Guerreiro, francês naturalizado lusitano que entrou no lugar de Tiago Gomes.

Foto: Paul Ellis – AFP