Apresentação da temporada – Chievo

Quando subiu pela primeira vez na história em 2001 e saiu ganhando partidas – inclusive de grandes times como Parma e Fiorentina (na ocasião foram seis sucessos em oitos jogos), foi chamado de “Milagre”. O milagre continua e um clube pratiucamente sem torcida, sem um dono bilionário e sem glamour segue na Série A graças ao planejamento.

A grande perda do Chievo foi o técnico Di Carlo que foi para a Sampdoria, mas Stefano Pioli, em sua estreia, mostrou que pode fazer um bom trabalho. Seu esqeuema acomodou o brasileiro Luciano, ex-Eriberto, como volante mais central, mas a sua vocação para descer ao ataque pela direita segue firme e é por ali que o time começa suas manobras mais perigosas. Apesar de jogar com um trequartista, na verdade o meio-campo é camaleônico porque Bentivoglio é um marcador de origem.

O ponto forte do Chievo é um entrosamento que vai passando por elencos que entram e saem. O time contraria a máxima de clubes pequenos que jogam para se defender. É um jogo fluido, que usa dois atacantes de mobilidade e que se aprofundam no meio-campo para buscar a bola. Rebaixamento? Evitá-lo é a meta, mas o Chievo sempre tem dado conta do recado com categoria.

Chievo (4-3-1-2): Sorrentino; Sardo, Andreoli, Cesar, Mantovani; Luciano, Rigoni, Marcolini; Bogliacino (Bentivoglio); Moscardelli, Pellissier.

Treinador: S. Pioli.
Ponto Forte: entoramento e jogo fluido.
Ponto Fraco: precisa ver se pode confiar nos armadores.
Promessa: B. Jokic (lateral)
Destaque: S. Pelissier (atacante)

Prognóstico: pode lutar até por uma vaga na Europa League.

Clique aqui e veja a lista de transferências na Itália na temporada

Anteriores

O aniversário do Corinthians

Próximo

Errata

3 Comments

  1. Raphael

    Vai repetir as últimas campanhas, sendo discreto e evitando o rebaixamento. Tem um goleiro que acho bom, opções razoáveis pro meio-campo e o Pelissier, capitão/ídolo da torcida que deixa seus gols. Mesmo sem torcida, eles costumam vender caro os jogos em Verona.

  2. Rafael Borges

    Seria incrível se o Chievo conseguisse vaga na liga europa. O time é muito, muito limitado. Não conheço o César, mas Andreolli é um zagueiro razoável e Pellissier pode garantir uns golzinhos vitais pra esse time. Mesmo assim, liga europa seria um feito considerável pra esse time.

  3. Boni dos Santos

    Esse César jogou no Fluminense numa época de vacas magras. Ele foi pra Italia tem uns 9 anos e pouca gente o conhece ou lembra dele.

Os comentários estão desativados.

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén

Top