O que pode e o que não será

Não falta gente que ache que o Santos seja um time tão bom quanto o Real Madrid (especialmente entre os que acreditam que o Santos é oito vezes campeão brasileiro). Claro que não pode se tratar de uma avaliação objetiva, mas em futebol, exigir objetividade é quase a mesma coisa que exigir decência dos políticos. Ainda assim, cabe lembrar aos empolgados que, neste ano, o Real Madrid enfrentou o Barça sete vezes e venceu uma. Domingo pode trazer um título ao Santos – sim, pode, porque no futebol, tudo pode acontecer – mas nada tirará do Barça o lugar de melhor time do mundo.

Continue lendo “O que pode e o que não será”

Palhaços num circo sem graça

Duas colunas dignas de nota na Folha de hoje. A primeira de novo, de Tostão, que observa que os entusiastas do Campeonato Brasileiro se esquecem que uma liga emocionante não tem nada a ver com uma liga boa. “A Liga Cambojana pode ser equilibrada”, disse Tostão. A segunda, de Juan Pablo Varsky, atesta a falência absoluta do Campeonato Argentino, falido já em sua concepção patética dos dois campeões por ano. Uma escolha determinada pelo mesmo tipo de imbecilidade canalha que estimula o retorno do mata-mata. Os torcedores são a plateia e os palhaços forçados num circo sem graça. Continue lendo “Palhaços num circo sem graça”

UcraniManos e CorintiManos

Este é um post só para constar. É sobre a Seleção, uma convocação após um fracasso fantástico, etc. Só para isso. A lista de nomes de Mano Menezes reflete bastante duas coisas: a primeira, que é que com Kaká machucado e Ronaldinho Gaúcho aposentado do futebol, o Brasil não tem craques; a segunda, que num país onde se perdeu a vergonha de tudo – desde emissoras de TV fazendo coberturas viciadas até governantes corruptos enterrando dinheiro em estádios inúteis – perdeu-se também a vergonha de convocar qualquer um para a Seleção. Tendo o empresário certo, o mais inepto jogador pode chegar a defender o Brasil. Continue lendo “UcraniManos e CorintiManos”

Taffarel

Depois de ver Taffarel duas vezes na TV, nesta semana, não tenho dúvida: entre todos os boleiros televisivos, ele e tostão são os únicos deles realmente aptos a comentar futebol na TV.