Brasil x Portugal

Quando vi que Robinho (de cara feia no banco) estava fora para dar lugar a Nilmar, me animei. Mais ainda quando soube que Daniel Alves jogaria. Tudo em vão. Uma desilusão. Era o que eu temia. Sem Kaká, o Brasil não existe – e sem Elano, quem diria, tudo piora também (é o coadjuvante mais fundamental que já vi). Quando seu time tem Lúcio de armador, é porque a coisa está feia. Continue lendo “Brasil x Portugal”

Rooney, o melhor do mundo?

O neocapitão inglês, Steven Gerrard, declarou que acha o colega de seleção, Wayne Rooney, o melhor do mundo. Não sei se ele acha mesmo isso. Naquele ponto da coletiva, ele respondia a uma pergunta na qual o jornalista dizia que a nação toda tinha medo de uma contusão de Rooney (que quase se machucara na tarde anterior). “Então o resto de nós somos merda?”, perguntou Gerrard, antes de esclarecer que achava Rooney o melhor atacante do mundo. Continue lendo “Rooney, o melhor do mundo?”

Nilmar e Robinho o escambau. E o Pato?

A vitória do Milan sobre o Cagliari força uma reflexão sobre uma questão que as pessoas parecem ter esquecido na órbita da Seleção Brasileira. Discute-se muito sobre quem fica com a “quarta vaga” para o ataque do time de Dunga. Luis Fabiano, sabe-se, é titular absoluto – dado não contestado por quase todos. Adriano fica com a segunda vaga – está jogando bem, está no Flamengo e quer a Copa para conseguir outrro contrato na Europa e deixar a Internazionale com cara de trouxa por ter acreditado na presepada de “estou em depressão e vou parar de jogar futebol”. Robinho também teria lugar seguro, por serviços prestados – mesmo que esses serviços tenham sido prestados pouco depois que Moisés tenha lançado a praga dos gafanhotos sobre o Egito (e pouco antes de ele abrir o Mar Vermelho). E por fim, Nilmar, que é um coadjuvante no Villarreal, mas nas suas últimas participações na Seleção, também incontestavelmente tem resolvido. Continue lendo “Nilmar e Robinho o escambau. E o Pato?”

A roleta de rendimento na altitude

O jogo do Brasil em La Paz não traz quase nenuma novidade ou confirmação. Numa altitude ridícula, o rendimento do Brasil foi abaixo do possível. Somente Nilmar e Ramires tiveram uma apresentação que devem ter tirado de Dunga quaisquer dúvidas sobre os dois. Mesmo que Nilmar não seja um dos quatro melhores jogadores brasileiros na posição, é um dos que conseguiu menlhores rendimentos na Seleção. E isso deve pesar.

Dois debates que se fizeram ao redor dessa partida: o primeiro sobre Diego Souza e a pertinência de ele ganhar uma vaga. Se Dunga levá-lo, é porque quer. Apesar de fundamental para o Palmeiras e excelente para o nível do futebol brasileiro, Diego Souza não tem nem vestígios do futebol necessário para atuar na Seleção, especialmente dada a concorrência na posição. Sem dúvida que uma partida na Bolívia não pode dar o veredicto sobre um atleta, mas não consigo ver em Diego o talento de que tanto se fala.

O segundo é sobre a lateral esquerda. O ponto é que não há titular na posição, e embora André Santios não seja um jogador ruim, não limpa as chuteiras Do futebol de Fabio Aurelio no Liverpool. Marcelo, Gilberto, Kleber e outras criaturas que passaram pela lateral, essas então têm dificuldades até de ter vagas em seus times. Tirando essa posição, o grupo de Dunga está praticamente fechado.

Luis Fabiano e mais…

Ninguém – absolutamente ninguém – pode dizer que apostava em Luis Fabiano como titular do time de Dunga quando ele assumiu a Seleção. Vágner Love, Alexandre Pato, Adriano, Afonso Alves, Rafael Sóbis, Ricardo Oliveira, Fred, Jô, todos esses tinham pinta de que ganhariam uma vaga para 2010. Mas a três meses do ano da Copa, só ele fez por merecer. Continue lendo “Luis Fabiano e mais…”