Equilibrado e medíocre

Acabou neste final de semana o primeiro turno do campeonato brasileiro. Nos cinco pontos que separam os seis primeiros colocados foram os motivos ara uma grande celebração da “dificuldade” do campeonato e de seu alto nível técnico. Isso confirma uma tese que já tenho há muitos anos: o brasileiro não liga muito para campeonatos com alto nível técnico. Ele só quer equilíbrio – mesmo que seja na várzea. Continue lendo “Equilibrado e medíocre”

Derrota corintiana é sintoma e não o problema

Eu estava na dúvida se escreveia sobre a derrota do Corinthians e sua humilhante desclassificação na Libertadores. Digo isso porque não é de hoje que eu digo que o Corinthians tem um time mediano com dois jogadores capazes de desequilibrar quando estão em forma. E no caso, não estão. Assim, onde está a notícia, uma vez que, para quem queria ver, o desfecho foi absolutamente previsível? Continue lendo “Derrota corintiana é sintoma e não o problema”

Mercado da Itália em janeiro – Parte I

Internazionale

Contratações excelentes. Se não fosse por Cassano, teria sido um mercado ainda melhor do que o do Milan. Luis Fabiano não deve fazer falta. Pazzini é um centroavante excepcional esperando uma chance como essa para converter-se num ‘top’ do futebol europeu. Em sua estreia, queimou a boca de quem pensava que ele pudesse ter problemas de adaptação com Milito (embora seus gols tenham vindo de uma ação pessoal). Com Kharja, Ranocchia e Nagatomo, a Inter fez exatamente o que Benitez tinha pedido: quatro reforços. A minha única dúvida fica sendo em cimade Nagatomo, que é muito baixo (1m70) para uma defesa acostumada com laterais altos nas jogadas de bola parada. Se adaptado, pode ser uma opção muito eficiente. A saída do excelente Santon foi acertada: fechado por Maicon e improvisado à lateral-esquerda, ele não tinha mais um mentor como Mourinho para desenvolvê-lo. Mesmo assim, segue sendo o mais promissor lateral italiano. Continue lendo “Mercado da Itália em janeiro – Parte I”

Brasil x Portugal

Quando vi que Robinho (de cara feia no banco) estava fora para dar lugar a Nilmar, me animei. Mais ainda quando soube que Daniel Alves jogaria. Tudo em vão. Uma desilusão. Era o que eu temia. Sem Kaká, o Brasil não existe – e sem Elano, quem diria, tudo piora também (é o coadjuvante mais fundamental que já vi). Quando seu time tem Lúcio de armador, é porque a coisa está feia. Continue lendo “Brasil x Portugal”

Rooney, o melhor do mundo?

O neocapitão inglês, Steven Gerrard, declarou que acha o colega de seleção, Wayne Rooney, o melhor do mundo. Não sei se ele acha mesmo isso. Naquele ponto da coletiva, ele respondia a uma pergunta na qual o jornalista dizia que a nação toda tinha medo de uma contusão de Rooney (que quase se machucara na tarde anterior). “Então o resto de nós somos merda?”, perguntou Gerrard, antes de esclarecer que achava Rooney o melhor atacante do mundo. Continue lendo “Rooney, o melhor do mundo?”

Dupla de ataque

DUVIDO que Luis Fabiano seja titular na Copa. Por mais que ele jogue. Se for, Dunga merecerá de fato os parabéns pela resistência. A máquina de pressão mediática Flamengo SA está em curso. Robinho que fique esperto, porque Adriano e Vágner Love não funcionariam tão bem com ele. Pelo andar da carruagem e com o Fla na Libertadores, os dois são favoritos para mudar o esquema para um 4-4-2.