Juve-mercado

É janeiro. No futebol, significa: época das compras, ou uma espécie de Natal atrasado, especialmente para os torcedores daqueles times que ficaram com o departamento médico superpovoado ou onde os craques ficaram devendo e o time despencou na tabela. Continue lendo “Juve-mercado”

Análise do Campeonato – Parte I

Atalanta
Destaque: Adriano (ala-BRA)
Ponto forte: Disposição tática
Precisa melhorar: aproveitamento fora de casa
Tendência: Zona Uefa

Os bons prognósticos do início da temporada vão se confirmando, mesmo com as atitudes selvagens de parte da torcida. O técnico Del Neri fez um 4-4-1-1 tão ofensivo que, quando Doni não joga, o time se arma num 4-3-3. O brasileiro Adriano é o melhor externo do campeonato e está se fixando cada vez mais como atacante. Apesar do meio-campo sólido (destaque para Tissone, marcador incansável), fora de casa a Atalanta ainda bobeia demais.

Cagliari
Destaque: Foggia (meio-campista)
Ponto forte: nenhum
Precisa melhorar: tudo
Tendência: rebaixamento.

Tudo está errado no clube da Sardenha. A direção de Massimo Cellino é tão devastadora quanto poderia ser. O elenco está rachado, dois técnicos foram demitidos e chamados de volta (um deles, Marco Giampaolo se recusou a voltar), não há nenhum jogador se destacando e não parece haver dinheiro em caixa para uma revolução. Com um técnico demitido ainda no comando do time, o Cagliari terá de se livrar da lanterna. Difícil.

Catania
Destaque: Martinez (atacante-URU)
Ponto forte: meio-campo
Precisa melhorar: rendimento fora de casa
Tendência: permanência na Série A

Para todo mundo que apostava num “agora vai” para o rebaixamento do Catania, mais uma vez, uma surpresa. Confortavelmente no meio da tabela, o técnico Silvio Baldini fez feio ao dar um chute na bunda do técnico do Parma, mas montou um time certinho. Os três volantes no meio-campo realmente fecham a defesa e nessas, o time vai se safando de um rebaixamento antes dado como certo. O uruguaio Martinez já chama a atenção de clubes maiores.

Empoli
Destaque: Raggi (defensor)
Ponto forte: quantidade de jovens com potencial
Precisa melhorar: defesa
Tendência: rebaixamento ou permanência suada

Com a vaga na Copa Uefa, o Empoli deixou-se levar pelo entusiasmo e não pôs na conta o sacrifício que uma competição européia traz ao clube. Mesmo com vários bons jovens, o Empoli neste ano é muito irregular. A chegada do técnico Alberto Malesani parece ter dado fôlego ao time e nomes como Raggi, Marzoratti, Buscé e Giovinco ainda podem render mais. É do crescimento dessas promessas que depende a temporada dos toscanos.

Fiorentina
Destaque: Adrián Mutu (atacante)
Ponto forte: ataque
Precisa melhorar: Pazzini (atacante)
Tendência: vaga na Copa Uefa ou LC

A Fiorentina não mostrou ainda o que se espera de um time com tanto talento. A vaga na Liga dos Campeões ainda está ao alcance dos toscanos, mas só virá se a defesa parar de tomar tantos gols e se rivais pela vaga (como Milan e Lazio) não melhorarem. A morte da mulher do técnico Prandelli afetou de verdade o elenco, muito ligado a ele. O romeno Mutu está em grande fase, mas além da defesa, os ‘viola’ precisam que o centroavante Pazzini venha a ser o matador que todos esperam.

Genoa
Destaque: Borriello (atacante)
Ponto forte: entrosamento
Precisa melhorar: ataque
Tendência: permanência na Série A

O primeiro ano após voltar da Série B é sempre duro e talvez o Genoa achasse que fosse ter mais facilidade. Leon e Borriello estão jogando muito bem, mas a média de gols do ataque é de menos de um tento por partida – mesmo jogando num 3-4-3. O time tem dificuldade de manter a posse de bola e sofre muito jogadas pelas laterais. Di Vaio ainda está devendo, assim como Lucho Figueroa.

Juventus
Destaque: Trezeguet (atacante)
Ponto forte: ataque
Precisa melhorar: profundidade do elenco
Tendência: lutar pelo título

Sem Europa, a Juve tem a melhor temporada para poder se readaptar à Série A. O elenco juventino ainda está se refazendo e se percebe: com as lesões dos titulares Grygera e Jorge Andrade, o técnico Ranieri teve de rebolar para manter a defesa em pé. Por outro lado, o ataque é devastador. Trezeguet, Iaquinta e o capitão Del Piero se revezam mas nunca deixam as redes adversárias em branco.

Inter
Destaque: Ibrahimovic (atacante)
Ponto forte: Tudo
Precisa melhorar: nada
Tendência: vencer o título

Se a Internazionale for congelada hoje, chega em junho campeã. Todos os setores estão jogando muito bem, o banco de reservas é muito sólido e até meninos da divisão de base (como Balotelli e Pelé) estão entrando e dando conta do recado. Se Roberto Mancini ainda não conseguiu fazer um omelete sem ovos, pelo menos com os ovos ele está fazendo até mais de um.

Lazio
Destaque: Pandev (meio-campista)
Ponto forte: alternativas de ataque
Precisa melhorar: não tem goleiro
Tendência: Copa Uefa, se tiver sorte

A Liga dos Campeões matou o começo de temporada da Lazio. O talento do macedônio Pandev não foi o suficiente para dar conta da maratona de jogos, Rocchi não está com o faro do ano passado e o time não tem goleiro (Ballotta é um ex-jogador e Muslera enterrou o time no jogo contra o Milan). A Lazio tem de comprar um goleiro de nível para não acabar em desastre. Além disso, tem de fazer com que Rocchi, Mauri e Ledesma voltem ao seu melhor nível. Boa surpresa é o lateral De Silvestri, uma prata-da-casa.

Livorno
Destaque: Tavano (atacante)
Ponto forte: entrosamento do elenco
Precisa melhorar: marcar mais gols
Tendência: se escapar do rebaixamento, será no grito.

Depois de um começo de torneio tenebroso, o Livorno contratou um técnico capaz de mudar mesmo as coisas: Alberto Camolese. O time melhorou e o atacante Tavano passou a ser um perigo para os adversários. Só que o setor ainda tem muito o que melhorar, com Tristán, Rossini e Bogdani passando a mandar para as redes. É candidato ao rebaixamento, mas já mostrou que tem como se safar – se quiser.

Juventus de volta

O campeonato que faz a Juventus é ‘low-profile’. Não tem estrelas como Kaká ou Ibrahimovic, não é apontada como favorita ao título e – quem diria! – até é prejudicada por erros (casuais) da arbitragem. Mas ainda é a Juventus e quem deixar esse fato de lado pode ser punido duramente. Continue lendo “Juventus de volta”

Voltando do inferno

No dia da final da última Copa do Mundo, quando David Trezeguet mandou a bola por cima da trave de Buffon – seu companheiro de Juventus – na disputa de pênaltis, provavelmente já deveria pressentir que a sorte não lhe sorria. A temporada seguinte começaria marcada para ele e seria dura. Muito dura. Continue lendo “Voltando do inferno”

Mais do que esperado

Já se dizia há algum tempo que o divórcio entre a Roma e Antonio Cassano era questão de tempo. Para azar da Roma, o tempo reduziu a soma a receber pelo jogador a ‘míseros’ €5 milhões. Naturalmente, o ‘míseros’ entre aspas serve somente para refletir a desconexão do futebol com o mundo real. Para (quase) qualquer mortal, a soma significa uma aposentadoria garantida. Mas o clube de Trigoria desembolsou sete vezes este valor, quatro anos atrás, para tirar o jogador do Bari. €5 milhões é melhor que nada e pouco além disso. Continue lendo “Mais do que esperado”