Seguindo a tradição, uma aposta

Quando o Milan indicou Fabio Capello para assumir o Milan, em 1991, a mesma desconfiança que cerca a (provável) chegada de Marco van Basten pairou em MIlanello. Capello não tinha experiência como treinador (só tinha comandado o time por seis jogos depois da saída de Nils Liedholm, em 1987) e o Milan já era um grupo lendário, com Gullit, van Basten, Rijkaard e companhia. A aposta do clube era em cima de seu passado milanista. Assim como agora deve ser com van Basten. Continue lendo “Seguindo a tradição, uma aposta”

O melhor do mundo

O Milan que foi a Tóquio não é um time completo. Faltam atacantes (pelo menos dois), externos de defesa e meio-campo (todos, exceto Jankulovski que ainda volta de contusão), goleiros (Dida é claramente uma temeridade para um time que é uma potência global) e – como detalhe, é verdade – uma média de idade um pouco menos. Mesmo assim, pode ser imbatível. Continue lendo “O melhor do mundo”

Boato.com

Ronaldinho Gaúcho no Milan; Frank Lampard na Juventus; Pepe na Fiorentina (ou na Inter); Morgan De Sanctis na Lazio; Didier Drogba no Milan; Giuseppe Rossi no Parma; Cicinho na Roma; Samuel Eto’o e/ou Alexandre Pato na Inter ou no Milan…ou em qualquer outro clube. E Fernando Torres em todos ao mesmo tempo. A expectativa de um mercado mais intenso na Itália está fazendo com que jornalistas desocupados e agentes de jogadores mais serelepes estejam fazendo com que os jornais se transformem em um amontoado de ‘diz-que-me-diz’. Continue lendo “Boato.com”

O próximo campeonato

Não há quem ainda consiga ver o atual campeonato como ‘aberto’. Na prática, a diferença de nove pontos entre Roma e Inter ainda é possível de ser tirada, especialmente porque mais cedo ou mais tarde a líder vai começar a perder alguns pontos. A questão é a vantagem estrutural que a Inter tem em termos de elenco. Continue lendo “O próximo campeonato”

A justiça tarda…

Há três anos atrás, quando a Fiorentina retornou à Série A, com uma virada de mesa malandrona, a sensação que ficava para a maioria dos amantes do esporte era a de frustração. Rebaixada à Série C no ano anterior, a ‘Fiore’ tinha evitado a segunda divisão através de politicagem E essa é uma marca que nunca mais sai. Continue lendo “A justiça tarda…”