Classificação do Brasil – parte I: a verdade nua e crua

O Brasil venceu Camarões por 4×1 nesta segunda-feira e conseguiu se classificar para o mata-mata do Mundial 2014. O Brasil não fez mais do que a obrigação, ao golear um adversário combalido, que perdeu suas duas primeiras partidas, já eliminado, que sofre de problemas internos entre seus jogadores e que não teve seu principal jogador lesionado (Eto’o). Continue lendo “Classificação do Brasil – parte I: a verdade nua e crua”

Ao vencedor as bananas

Aos que ouviram (ou sempre ouvem) o programa “4 em campo” da rádio CBN, talvez as minhas linhas sejam convergentes com aquilo que o grande jornalista Paulo Massini, disse no programa de 28/04. Sobre a questão das bananas atiradas para o lateral brasileiro Daniel Alves, na partida do Barcelona contra o Villarreal no último domingo, Massini, resignado frisou que o “ser humano deu errado”. Continue lendo “Ao vencedor as bananas”

Barcelona tem um dilema, mas ainda é um mar de talento

Vamos imaginar que saia Villa. Vamos pensar também na possibilidade de que deixem o Nou Camp Sanchez, Victor Valdés, Puyol (aposentando-se), Adriano e Abidal. Ainda assim, o Barcelona teria o elenco mais talentoso da Europa. Falar em queda barcelonista agora é obra de profeta do acontecido. O caminho da dominação catalã ainda está todo pavimentado na Europa. Depois de 7 a 0 no passivo, nem é anormal imaginar que o Barcelona fosse contestado, mas seria bom um pouco de razoabilidade. Continue lendo “Barcelona tem um dilema, mas ainda é um mar de talento”

Mercado da Itália em janeiro – Parte III

Genoa

Frenético no mercado, o time lígure deve apostar em Paloschi para o comando de um ataque que n ao consegue amedrontar. O retorno de Konko é excelente. No Genoa, o francês era um dos melhores externos de meio-campo da Itália, antes de ir substituir Daniel Alves no Sevilla – e fracassar. Floro Flores é um homemd e referência, mas não sei até onde pode agregar em termos de crescimento. Boselli, idem. Continue lendo “Mercado da Itália em janeiro – Parte III”

Brasil x Portugal

Quando vi que Robinho (de cara feia no banco) estava fora para dar lugar a Nilmar, me animei. Mais ainda quando soube que Daniel Alves jogaria. Tudo em vão. Uma desilusão. Era o que eu temia. Sem Kaká, o Brasil não existe – e sem Elano, quem diria, tudo piora também (é o coadjuvante mais fundamental que já vi). Quando seu time tem Lúcio de armador, é porque a coisa está feia. Continue lendo “Brasil x Portugal”

Um jogo perfeito

Jamais escondi a desconfiança que eu tenho em relação ao trabalho de Dunga. Tendo visto alguns treinos da Seleção na Granja Comary e ourros pela TV, me parece que não é difícil concluir que o ex-volante esteja longe do ideal para comandar um time. Traduzindo: ainda acho que Dunga não tem a competência necessária para ser técnico e que sua posição é muito mais pelo allinhamento com a CBF do que qualquer outra coisa. Continue lendo “Um jogo perfeito”