Qual é o Real de Kaká?

Passadas as favas contadas, contados os contos de carochinha (de que Kaká “não queria” ir para o Real) e de olho numa temporada estranha, o Real Madrid prepara seu time para Kaká brilhar. Mas que time será esse? Teremos uma reedição do brilho mediático inconsistente dos “Galácticos” ou uma tentativa real de equiparar o clube de Madri ao Barcelona?

Florentino Pérez já deixou claro quais são seus próximos alvos: Cristiano Ronaldo (Man Utd), Villa e Silva (Valencia). Escolhas de quem realmente conhece. Os três são excelentes e tendo Kaká como pivô, podem sim fazer um time lendário no futebol europeu. A chegada desses três nomes pode alterar a escalação, mas dificilmente altera o esquema.

Sid Lowe, correspondente do jornal The Guardian na Espanha, fez uma observação em sua coluna: Manuel Pellegrini quase nunca jogou fora do 4-4-2, e assim, é possível imaginar Kaká adiantado, como atacante e duas linhas de quatro, onde Gago e Diarra teriam de carregar o piano, com Silva e Cristiano Ronaldo (ou Robben e Sneijder, se a feira do Real parar em Kaká) abrindo pelas pontas e Villa (ou Huntelaar) prendendo os zagueiros.

Lowe tem razão quanto ao histórico do chileno Pellegrini, mas é difícil (não impossível) imaginar Kaká como um atacante puro. Um espaço “a la Zidane” é o mais provável, o que nos desenharia um 4-2-3-1 (ou, com menos detalhismo, um 4-4-1-1).

Ofensivamente o esquema tende a funcionar bem, até porque os homens de frente não se furtam a correr atrás da bola. Ainda assim, restam dúvidas sobre a capacidade de Diarra e Gago conseguirem fechar o setor sozinhos. Dependerá muito da defesa. Com Pepe e Metzelder, pode tirar o cavalinho da chuva. Os dois são bons, mas não tão bons para suportarem a defesa na raça. Um segundo meio-campista mais forte fisicamente (como Yaya Touré, do Barcelona, por exemplo, para não falar no óbvio Gerrard) seria uma opção mais crível a Gago, bem como um defensor central mais completo do que Metzelder. Mas lembremos: o Real Madrid não compra defensores.


PS: o porque da temporada “estranha”? Numa época em que o mundo passa o pires, os endividamentos só crescem e ocorrem transações de milhões de dólares, leva à certeza. Vai dar bisna…

IbrahimovInter

Dificilmente um jogador é bom o suficiente para decidir um jogo sozinho. Quando usamos a expressão “fulano acabou com o jogo”, em grande parte das vezes estamos exagerando, na tentativa de fazer um elogio à performance de um determinado atleta. Mas neste domingo, não foi este o caso. Continue lendo “IbrahimovInter”