Um domingo de futebol Brasileiro

Duas partidas da Seleção Principal no mesmo dia e nenhuma surpresa . Na vitória e na derrota (sim, porque empatar com a Venezuela não é bem um empate), o Brasil não decepciona (ou melhor, não decepciona, mesmo quando decepciona, porque o que se espera dele sempre vem). E mesmo com todos os atenuantes, dá paa ver que a mediocridade da Era Dunga, na verdade, não era dele – é da gestão teixeiriana. E essa mediocridade, que teve um breve hiato durante a presença de Scolari no cargo, continua forte. E abaixo, seguem algumas notas sobre o cinzento domingo de futebol. Continue lendo “Um domingo de futebol Brasileiro”

A roleta de rendimento na altitude

O jogo do Brasil em La Paz não traz quase nenuma novidade ou confirmação. Numa altitude ridícula, o rendimento do Brasil foi abaixo do possível. Somente Nilmar e Ramires tiveram uma apresentação que devem ter tirado de Dunga quaisquer dúvidas sobre os dois. Mesmo que Nilmar não seja um dos quatro melhores jogadores brasileiros na posição, é um dos que conseguiu menlhores rendimentos na Seleção. E isso deve pesar.

Dois debates que se fizeram ao redor dessa partida: o primeiro sobre Diego Souza e a pertinência de ele ganhar uma vaga. Se Dunga levá-lo, é porque quer. Apesar de fundamental para o Palmeiras e excelente para o nível do futebol brasileiro, Diego Souza não tem nem vestígios do futebol necessário para atuar na Seleção, especialmente dada a concorrência na posição. Sem dúvida que uma partida na Bolívia não pode dar o veredicto sobre um atleta, mas não consigo ver em Diego o talento de que tanto se fala.

O segundo é sobre a lateral esquerda. O ponto é que não há titular na posição, e embora André Santios não seja um jogador ruim, não limpa as chuteiras Do futebol de Fabio Aurelio no Liverpool. Marcelo, Gilberto, Kleber e outras criaturas que passaram pela lateral, essas então têm dificuldades até de ter vagas em seus times. Tirando essa posição, o grupo de Dunga está praticamente fechado.

Risco desnecessário

Suspeita-se que o técnico de uma seleção nacional assiste aos jogos de seus jogadores preferidos, antes de uma convocação. Sim, especialmente se ele dispõe de todo o tempo e verba necessários para viajar, ou se munir de vídeos, ter uma equipe de observadores. Enfim, poder saber exatamente como está cada jogador, e convocar os melhores jogadores nas melhores condições para cada partida, especialmente se dispusesse opções válidas para os diversos setores. Continue lendo “Risco desnecessário”