A vergonha italiana e a lei de Drácon

Seis anos depois, novamente a seleção se concentra em Coverciano para um torneio importante e está soterrada pelas denúncias de falcatruas, desta vez, partidas arranjadas por conta de apostas, ou Calcioscomesse. Nomes como os dos recém-campeões da Itália, Antonio Conte e Bonucci, do lateral Criscito, além de ex-ídolos como Signori e Doni (mitos de Lazio e Atalanta) e uma série de outros jogadores da Série A. O sério e não-político premiê italiano, Mario Monti, indignado com o futebol infecctado de seu país, sugere uma pausa de dois a três anos no futebol para que “o cidadão comum amadureça”. Naturalmente, a cartolagem e todas as rêmoras do sistema futebol apressam-se em dizer que tal coisa é impensável. Mas não é impensável, não. O escândalo de hoje é filho da leniência com os culpados de Calciopoli, o escândalo de 2006 que terminou praticamente sem punidos porque a Itália venceu a Copa do Mundo. A Itália precisa de um choque draconiano, algo que desinfete até o último poro de seu futebol. Se isso significar o redimensionamento do Calcio por uma década, que o seja. Como está, ficará redimensionado para sempre. A Lei de Drácon jamais foi tão necessária. Continue lendo “A vergonha italiana e a lei de Drácon”

Juve escolherá entre marca ou funcionalidade

Atacante que parte do meio-campo...a Juve com Aguero

O noticiário da semana no mercado italiano gira em torno da Juventus. O clube está nos momentos finais de concluir a contratação de um superstar do futebol espanhol,  o excelente Sergio Agüero, para acompanhar Quagliarella no ataque do time. Contudo, a escolha pelo argentino, se ocorrer, será mais uma tentativa de reaver prestígio do que uma aposta funcional no 4-2-4 com o qual Antonio Conte planeja reerguer o time. O que fazer?  Continue lendo “Juve escolherá entre marca ou funcionalidade”

O desenho tático do Barcelona – um deles

Ingleses encontraram uma maneira de pará-lo...Lionel Messi

Só quando comecei a fazer o texto da análise tática do Barcelona foi que me dei conta do que eu iria fazer. Normalmente, para se ler taticamente um jogo, há determinadas referências que facilitam o trabalho do analista – as posições. No Barcelona, ainda há posições, mas exceção feita a Valdés, Piqué, Abidal e Villa, todo o resto é uma grande dinâmica. Daí nasce o brilho do time. Continue lendo “O desenho tático do Barcelona – um deles”

Adeus, Chievo

A 38a rodada do Campeonato Italiano não poderia ter sido mais emocionante. Se as primeiras posições já estavam decididas, a última vaga do rebaixamento fez com que cinco partidas ainda tivessem um suspense digno de Hitchcock. E depois de 90 minutos onde o rebaixamento mudou de dono por várias vezes, o apito final decretou que o Chievo, derrotado pelo Catania no campo neutro de Bolonha, estava rebaixado. Continue lendo “Adeus, Chievo”