Milan: sobre os escombros?

Tão logo o aporte financeiro concedido pelo milionário tailandês Bee Teachaubol ao italiano Milan se confirmou, há pouco mais de uma semana, todos os rumores do mundo envolvendo técnicos e atletas se direcionaram ao clube rossonero. Bee ofereceu 500 milhões de Euros (cerca de R$ 2,8 bilhões) por 48% das ações do clube, que prossegue tendo o dono Silvio Berlusconi, como sócio majoritário. Continue lendo “Milan: sobre os escombros?”

Milan: sob os escombros.

Nos últimos dias ecoaram diversas notícias sobre o novo status econômico do clube italiano Associazone Calcio Milan, sete vezes campeão da Champions League e dezoito vezes campeão da Série A italiana. 48% das ações do clube milanês foram adquiridas há pouco mais de uma semana pelo tailandês Bee Teachaubol. Silvio Berlusconi, segue enquanto sócio majoritário detendo os outros 52% das ações. Continue lendo “Milan: sob os escombros.”

Milan, Ano Zero…ainda não mas quase

Sprovveduto. O termo, equivalente em italiano para “incapaz”, foi o usado por Silvio Berlusconi na sua mansão em Arcore, província de Monza, na discussão com Adriano Galliani para se referir a Massimiliano Allegri, então ainda técnico do Milan, na noite de domingo. O destino de Allegri foi antecipado na mesma reunião e Barbara, a caçula de Berlusconi, a encarregada de noticiar à ANSA que o 4 a 3 forçava reformulações. Salvo uma surpresa muito, mas muito grande, colocou o ciclo do político no comando do Milan em sua reta final. Incapaz ou não, Allegri certamente não é mais incapaz do que o status quo berlusconiano de lidar com a situação e todos os envolvidos parecem ainda mais sprovveduti para mudar radicalmente o curso da situação. Continue lendo “Milan, Ano Zero…ainda não mas quase”

Poder de verdade têm de ser arrancado…

“Il Milan non spende poco. Il Milan spende male” (“O Milan não gasta pouco. O Milan gasta mal”). A análise de meia linha da Gazzetta é a a mais bem acabada definição de por que o clube se acostumou há anos com listas de reforços cheias de Bakayés Traoré, Dominic Adiyah, Oguchi Onyewus e similares. Tudo que você ouviu nas últimas semanas em termos de vaticínios sobre a saída ou não do eterno direttore generale Adriano Galliani é orelhada. Nada está definido. Como afirma o poster do filme “O Poderoso Chefão III“, poder de verdade não pode ser dado – precisa ser arrancado. No clube, tem lugar a maior batalha política desde a compra do clube pelo cleptopolítico Silvio Berlusconi nos anos 80. Continue lendo “Poder de verdade têm de ser arrancado…”

Allegri, ma non troppo

A novela que se arrasta tendo o técnico Massimilano Allegri, o diretor Adriano Galliani e o ex-premiê e todo-poderoso milanista, Silvio Berlusconi, não terminará bem. No pano de fundo rubro-negro que vê um martírio operístico do treinador, o desfecho está definido: Allegri deixa o clube. Talvez isso não aconteça nesta semana (embora tudo indique que sim), mas a tentativa de Galliani de manter Allegri depois de um quase-milagre (classificação para a LC depois de vender os dois principais jogadores do time) é em vão. Freud teria dezenas de observações para fazer em relação à figura paterna castradora de Berlusconi. A luta não é de Allegri para permanecer no posto. Trata-se da enésima tentativa de Adriano Galliani se afirmar com Berlusconi lhe podando a autoridade. Continue lendoAllegri, ma non troppo”

O exílio de um mito

Uma excelente entrevista com Paolo Maldini, mito milanista e italiano, foi publicada na semana passada pelo jornal italiano La repubblica. Embora Maldini não tenha feito críticas diretas ao comando do Milan, fica clara a mágoa dele com a diretoria e com os rumos que o clube tem tomado. A tristeza do jogador que mais disputou partidas na Série A na história é um lembrete de como o clube está com seus rumos atados ao destino de um político esclerosado e decadente e aos seus servos. Poucos clubes no mundo poderiam ter um mito como Maldini na sua cabine de comando. O Milan, pelo contrário, o afronta. E vive capturando seus Traorés e Boneras. Continue lendo “O exílio de um mito”

Aquilani, bom, mas quase prêmio de consolação

Depois de quase dois meses de suspense, o Milan revelou o seu “Mister X” (uma invenção da imprensa italiana para a identidade secreta daquele que seria um reforço de peso dado de “presente” por Silvio Berlusconi), como sendo Alberto Aquilani, romano de 26 anos. A análise da contratação em si só não é possível, porque o Milan não contratou “Mister X”, mas ainda assim, fez um bom negócio – mas não o negócio que prometeu fazer. Continue lendo “Aquilani, bom, mas quase prêmio de consolação”