Manchester United: a luz no fim do túnel?

“Good day to be alive Sir
Good day to be alive, he said…..
Then it comes to be that the soothing light at the end of your tunnel
Is just a freight train coming your way”

(“No Leaf Clover” – Metallica)

No último domingo o Manchester United obteve uma boa vitória por 3×1, ao visitar o combalido Swansea City, pela décima primeira rodada da Premier League. Lidando com problemas físicos de atletas importantes, o técnico José Mourinho teve a sua frente um adversário apto a conceder uma reabilitação.

Tendo abandonado o campo por lesão dois dias antes, na derrota diante do Fenerbahçe pela Europa League, Paul Pogba surgiu sem muitos problemas no time titular. Mou promoveu a re-aparição do zagueiro Phil Jones e do veterano volante Michael Carrick. A curto prazo, os problemas defensivos viram-se sanados.

Mourinho promoveu uma escalação um pouco diferente, mas que precisou de cerca de 33 min para impôr três gols e superioridade plena diante do Swansea, em seus domínios no País de Gales. O time teve De Gea, Ashley Young, Jones, Rojo e Darmian. Carrick, Fellaini, Pogba, Mata e Rooney. Ibrahimović.

O módulo em 4-2-3-1 voltava a permitir a re-organização em 3-4-3, quando o time detém a posse de bola, uma vez que Ashley Young foi escalado na lacuna deixada pelo lesionado Valencia. Young e Valencia são bastante similares.

Desta forma, Matteo Darmian foi deslocado para o lado esquerdo, mais preso como side back. Young por sua vez se aglutinava ao meio-campo possibilitando o desenho em 3-4-3.

Jones, Carrick e os ausentes

O adversário frágil era uma boa oportunidade para a reaparição de Phil Jones, que não atuava desde janeiro e que sequer havia treinado. Com apenas 24 anos sua reabilitação é urgentíssima, uma vez que a previsão de recuperação de Eric Bailly (lesão num dos joelhos) está prevista para a rodada do boxing day (dezembro). Isso na melhor das hipóteses.

O vice-capitão Michael Carrick que completou 35 anos em julho, concedeu o equilíbrio mental necessário ao grupo neste momento, além do equilíbrio defensivo atuando fixo à cabeça de área. Carrick surgiu na lacuna do suspenso Ander Herrera. A reconstrução do sistema defensivo do United, a qual temos mencionado aqui no 90 Minutos, passa também pelo surgimento de uma peça de reposição para Carrick.

Michael Carrick é o último jogador de defesa remanescente do grupo campeão europeu, na temporada 2007/2008 além de ter sido bi-vice campeão da Champions League em 2009 e 2011. Por fim a alardeada re-integração do meia Bastian Schweinsteiger aos treinos, não implicou em sua inclusão no grupo.

Com a defesa estável, o United repetiu a criação numerosa de chances de gol, mas desta vez conseguindo convertê-las. Segundo levantamento do The Guardian, o United criou 9 ocasiões de gol. As três que foram em gol foram efetivas, com um tento de Pogba e dois de Zlatan Ibrahimović. Os dois gols do sueco oriundos de assistências de Wayne Rooney.

No pós-jogo Mourinho revelou à MUTV, emissora oficial do United, que Chris Smalling e Luke Shaw solicitaram por não serem relacionados, alegando não estarem 100%. Em contraparte o treinador ressaltou a atitude de Jones, Young e Rooney, que queriam atuar, bem como a voluntariedade de Daley Blind que assumiu não estar pleno, mas que gostaria de contribuir, mesmo estando no banco de reservas.

A “epidemia” de problemas físicos minimizou o fato do elenco red devil ser considerado demasiado numeroso, no início da temporada. Porém quando Mourinho chega a um clube, há atletas que percebem que não vão se encaixar em seus métodos. São as entrelinhas que a imprensa inglesa talvez tenha ressaltado, em relação aos casos de Smalling e Shaw.

Quando Mourinho chegou à Internazionale na metade de 2008, Adriano então “imperador” arranjou uma “rehab” no São Paulo, antes do fim do primeiro turno da temporada 2008/2009. Quando o técnico lusitano assumiu o Real Madrid na metade de 2010, o ídolo Raúl González aos 33 anos, mas ainda atuando em alto nível, solicitou transferência para o Schalke 04.

Voltando ao presente, com o resultado o United conseguiu chegar ao G6 da Premier League ocupando a sexta colocação, agora com 18 pontos. O galês Swansea por sua vez é o penúltimo colocado da tabela, lembrando que os times do País de Gales, disputam os torneios na Inglaterra.

Os red devils voltam a campo depois da data FIFA de jogos de seleções. A equipe enfrentará o Arsenal no dia 19/11, em derby a ser realizado em Londres. Até lá Mourinho pode meditar sobre o clarão do fim do túnel. Se de fato é a saída ou um trem se aproximando.

Imagem de Pogba e Carrick contra o Swansea: premierleague.com