Atlético Madrid: dono da melhor defesa mas também faz gols.

Com uma vice-liderança de La Liga pouco ameaçada, o Atlético de Madrid bateu o Valencia por 3×1, no último domingo em compromisso válido pela vigésima-oitava rodada do campeonato espanhol. A imprensa espanhola enaltece os seis gols anotados pelos colchoneros em duas partidas, e seu principal atacante Antoine Griezmann.

Os seis gols em duas partidas são inusitados, uma vez que o Atlético vem sendo enaltecido pela solidez defensiva. O goleiro Oblak sofreu apenas 12 gols em 28 partidas disputadas por La Liga. Trata-se da menor média de gols sofridos da temporada, inclusas comparações com as principais ligas nacionais europeias.

Por outro lado, os colchoneros são o quarto time mais ofensivo do campeonato espanhol com 42 gols anotados. Surgem atrás de Real Madrid (81 gols), Barcelona (78 gols) e Athletic Bilbao (44 gols). Dos 42 gols colchoneros 15 foram anotados por Antoine Griezmann, que em uma semana cessou um jejum de seis partidas sem marcar.

Griezmann contra o Valencia (Jose Jordan - AFP)
Griezmann contra o Valencia (Jose Jordan – AFP)

O francês anotou gols nas últimas três rodadas de La Liga em que o “Atleti” jogou contra o Real Madrid (28/02), Real Sociedad (01/03) e Valencia (06/03). O periódico espanhol El País credita o bom rendimento de Griezmann, ao fato do atacante estar ocupando mais o centro da área adversária.

Inicialmente, Griezmann é um atacante que atua aberto pelos lados, mais habituado ao lado direito. Noutras palavras o francês tem se desenvolvido no quesito atuar como “falso centroavante”, porém de fato cumprindo a função de um camisa 9, quando oportuno e necessário.

As duas últimas partidas jogadas contra Real Sociedad e Valencia, foram vencidas pelos placares de 3×0 e 3×1. O El País informa que o time rojiblanco venceu ostentando três gols no marcador, em apenas três ocasiões anteriores. O placar de vitórias que mais se repetiu foi pela contagem mínima, ostentada em seis partidas vencidas em 28 rodadas.

“El niño” e a reaparição de Carrasco.

Contra o Valencia no Mestalla (Valencia/Espanha), Griezmann abriu o placar aos 23 min, com o Valencia empatando quatro minutos depois (gol de Cheryshev). O técnico Diego Simeone foi obrigado a alterar o time na segunda etapa, disposto inicialmente em 4-3-3.

Kranevitter surgiu entre os titulares ao centro do tripé de meio-campistas, com Saúl e Gabi ao seu lado. Simeone foi ousado sacando o jovem volante argentino para dispôr o ídolo Fernando Torres, algo que mudou o desenho tático para o 4-4-2. O tridente ofensivo tinha Vietto/Griezmann/Koke com o último, meio-campista de origem, aberto pela direita.

Com “el niño”, Vietto e Koke voltaram ao meio-campo respectivamente à esquerda e direita. Atacante de origem, Vietto saiu aos 68 min para dar lugar a Yannick Carrasco, ausente por quatro partidas devido a lesão num dos tornozelos. A variação 4-2-3-1/4-1-4-1 estava re-estabelecida.

“El niño” Torres entrou aos 62 min, sendo premiado nove minutos depois com uma bola que sobrou-lhe limpa para desempatar o jogo, após bola levantada na área do Valencia e mal aproveitada pelos rojiblancos. Coube a Carrasco completar o placar aos 84 min, contando com falha do goleiro brasileiro Diego Alves.

No que diz respeito à recuperação física, Simeone tem contado com alguma sorte denunciada pelas rápidas recuperações de Augusto Fernández e Carrasco. Os dois meio-campistas devem estar aptos para a partida de volta contra o PSV Eindhoven, que será válida pelas oitavas de final da Champions League. O “Atléti” recebe os holandeses em Madrid, no dia 15/03.

Antes disto porém, os colchoneros voltam a campo no próximo sábado recebendo o Deportivo La Coruña, pela vigésima-nona rodada de La Liga.

Imagem de Torres comemorando seu gol contra o Valencia: Heino Kalis – Reuters