Arsenal: o último passe de Özil.

O inglês Arsenal tem uma missão ingrata nesta quarta-feira. Os gunners precisam reverter uma derrota por 2×0 ocorrida em Londres (Inglaterra), para poderem avançar à quartas de final da Champions League. O adversário é nada mais, nada menos que o atual campeão Barcelona.

O periódico espanhol El País enfocou o papel do meia-atacante alemão Mesut Özil, que iniciou bem a temporada pelo Arsenal, mas não representou o protagonismo necessário para fazer o clube londrino favorito a qualquer título. Özil pode ser visto com olhos mal-humorados por observadores mais críticos, mesmo tendo sido titular da Alemanha tetracampeã Mundial em 2014.

O meia despontou pelo Nationalelf na copa de 2010, algo que credenciou-o a uma contratação pelo Real Madrid em 2011. Em Chamartín, Özil não chegou a tornar-se o que a crítica futebolística mundial aguardava dele, até pela pouca idade com que chegou à Madrid (23 anos). Porém em 2013, o meia saiu sem muito alarde, ao passo que Gareth Bale chegava ao Bernabéu.

O Arsenal pagou cerca de 50 milhões de Euros por Özil, mantendo o jogador em Londres até o presente momento. O El País afirma que seu vínculo ainda não foi renovado, algo que poderia lhe render cerca de 230 mil Euros semanais numa extensão até 2018. Supostamente, o próprio Barcelona teria interesse no alemão.

No momento Özil contabiliza 18 assistências para gol na Premier League, tendo iniciado a temporada com 16 assistências em 19 jogos. No primeiro turno o treinador Arsene Wenger comparou-o ao ídolo gunner Dennis Bergkamp, e o time vinha na ponta da tabela. O rendimento caiu, coincidentemente com a lesão que afligiu o atacante chileno Alexis Sanchéz, principal beneficiado pelos passes de Özil. Alexis recuperou-se recentemente.

O que os outros atletas pensam?

A característica “blasé” do meia alemão contrasta com a empolgação da forma como seus colegas de trabalho, o descrevem. Özil é algo parecido com um músico virtuoso, que só agrada a outros músicos e não ao público. O croata Ivan Rakitić do Barcelona, frisa que Özil ataca com “os pés e com o cérebro”, referindo-se à qualidade técnica e a visão de jogo do alemão.

Veja gols assistências e jogadas de Özil na presente temporada pelo Arsenal.

https://www.youtube.com/watch?v=uP3j_8FW8pA

O meia espanhol Ander Herrera (Manchester United) o toma como “jogador chave” do Arsenal, ao lado de Cazorla e do citado Alexis. O também espanhol Juan Mata (também do United), destaca a capacidade do alemão em tomar decisões, proporcionando aquilo que a jogada precisa.

O meia-atacante catalão Bojan (Stoke City/Inglaterra, ex-Barcelona) descreve-o enquanto um jogador moroso com a bola nos pés. Porém, Bojan afirma que não se pode desprezar a inteligência de Özil. Herrera segue enaltecendo a capacidade do alemão em cadenciar o jogo, ostentando a posse de bola.

Mata por sua vez frisa a serenidade de Özil, ao procurar espaços certos antes de passar a bola. Habituado a enfrentá-lo na Premier League, Herrera destaca que Özil sempre dá passes para gol. Mas o que tem se destacado na atual temporada, é que os atacantes tem concluindo esses passes recebidos em gol.

O técnico do Barcelona Luís Enrique, ressalta que jogadores como Özil participam do jogo desde a segunda linha ainda no meio-campo, e pressupondo uma organização em duas linhas de quatro, mais dois atacantes. Isso obriga o adversário a se defender com um marcador individual, ou necessitando de cobertura. Geralmente, é Özil quem tem a bola, em transição entre a segunda linha e o ataque.

Deficiência defensiva?

Özil não é enaltecido por suas qualidades defensivas. Mas os outros jogadores consultados pelo El País, são unânimes em afirmar que não faz sentido obrigá-lo a executar tarefas defensivas.

Ander Herrera afirma ter a impressão de que Wenger não encarrega o alemão da obrigação de marcar, da forma como cobra outros jogadores. E Wenger assim procede porque Özil é decisivo ofensivamente.

Juan Mata ressalta que defender-se é importante, mas que um jogador como Özil pode dar um passe para gol a qualquer momento. Para Mata deixá-lo livre para criar jogadas (“playmake” como se diz na Europa), é o mais cabível. Bojan também diz algo convergente, descrevendo que não faz sentido exigir de Özil peripécias defensivas. Segundo Bojan, o alemão precisa de prioridade para atacar.

As atuais 18 assistências de Özil na Premier League o deixa a dois passes para gol do recorde de assistências, ostentado pelo francês Thierry Henry, na temporada 2002/2003. Não é exagero descrever Henry enquanto um mito do velho Highbury, antigo estádio do Arsenal.

Barcelona e Arsenal se enfrentam nesta quarta-feira às 16:45 hr (horário de Brasília). A Esporte Interativo (via TNT) e Band (tv aberta) exibem o confronto.

Imagem de Özil (ao centro) em partida contra o inglês Watford: Shaun Botterill – Getty.